Dom Marcos Barbosa

Sacerdote e Monge Beneditino

Biografia de Dom Marcos Barbosa

Dom Marcos Barbosa (1915-1997) foi um sacerdote, monge beneditino, poeta e tradutor. eleito para a Cadeira nº 15 da Academia Brasileira de Letras.

Dom Marcos Barbosa (1915-1997) nasceu na cidade de Cristina, em Minas Gerais, no dia 12 de setembro de 1915. Após concluir o ginásio em Itajubá, matriculou-se, em 1934, na Faculdade Nacional de Direito do Rio de Janeiro, tendo participado da Ação Universitária Católica e do Centro Dom Vital, época em que conheceu Alceu Amoroso Lima, de quem se tornou secretário particular.

Em 1940 ingressou no Mosteiro de São Bento, após interromper o curso de Letras Clássicas, iniciado logo que concluiu o curso de Direito. Em 1946 foi ordenado sacerdote a aos poucos foi retomando a vocação de escritor, pois já publicara antes crônicas e poemas não só em A Ordem e Vida, revistas de que foi redator, como em O Jornal e na Revista do Brasil.

Após uma breve passagem pelas rádios, Cruzeiro e Mayrink Veiga, manteve de 1959 a 1993, na Rádio Jornal do Brasil, o programa Encontro Marcado, que ia ao ar diariamente às 18 horas. Em seguida, esse programa passou a ser transmitido pelas rádios Carioca-AM e Catedral-FM, também diariamente.

Dom Marcos publicou diversos poemas, entre eles, "O Varredor" e "Cântico de Núpcias". Inovou a oratória sacra, pelo estilo manso e poético dos seus sermões. Obteve os dois primeiros lugares no concurso para a letra do Hino do XXXVI Congresso Eucarístico Internacional realizado no Rio de Janeiro em 1955, como também fez parte da equipe de tradutores de textos litúrgicos da Conferência Nacional dos Bispos.

Traduziu além de obras de Paul Claudel e François Mauriac, traduziu O Pequeno Príncipe, O menino do Dedo Verde e Marcelino Pão e Vinho. Integrou por vários anos o Conselho Federal de Cultura. Foi escolhido para saudar em nome dos intelectuais o Papa João Paulo II em sua primeira viagem ao Brasil. Sucedeu a Otávio de Faria no Pen Clube, em 15 de outubro de 1981, tendo sido saudado por Antônio Carlos Villaça.

Ocupou na Academia Brasileira de Artes a vaga de Alceu Amoroso Lima, tendo sido recebido por Marcos Almir Madeira em 12 de setembro de 1985. Recebeu o Prêmio de Poesia do Pen Clube do Brasil, em 1986; agraciado, em 7 de junho de 1990, com a condecoração de Chévalier des Arts et des Lettres, concedida pela República Francesa. Recebeu, em 1995, o Prêmio São Sebastião de Cultura da Arquidiocese do Rio de Janeiro, como Personalidade do Ano.

Dom Marcos Barbosa faleceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 5 de março de 1997.

Obras de Dom Marcos Barbosa

Livro do Peregrino, XXXVI Congresso Eucarístico Inter. 1955
A Noite Será Como o Dia: Autos de Natal, 1959
O Livro da Família Cristã, 1960
Poemas do Reino de Deus, 1961
Mãe Nossa, Que Estais no Céu, s.d.
Para a Noite de Natal: Poemas, Autos e Diálogos, 1963
Para Preparar e Celebrar a Páscoa: autos e diálogos, 1964
Eis Que Vem o Senhor, 1967
O Livro de Tobias, 1968
Oratório e Vitral de São Cristóvão, 1969
Manifestações de Autonomia Literária: A Escola Mineira e Outros Movimentos. In: História da Cultura Brasileira, 2 v. 1973-76
Um Menino Nos Foi Dado, teatro infantil, 1974
A Arte Sacra, 1976
Nossos Amigos, os Santos, 1985
Congonhas, Bíblia de Cedro e de Pedra, coautoria Hugo Leal, 1987
Um Encontro com Deus: Teologia Para Leigos, 1991
As Vinte e Seis Andorinhas, 1991
Poemas Para Crianças e Alguns Adultos, 1994

Veja também as biografias de:

Última atualização: 07/10/2016

Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.