Viktor Emil Frankl (1905 - 1997) é reconhecido como um dos maiores psiquiatras da história, criador de um método terapêutico baseado na busca pelo sentido da vida. 

Neste artigo, vamos contar a história desse homem que chegou a ser preso em campos de concentração, e como ele superou tudo para contar a sua história e ajudar outras pessoas. 

1. Nasce o criador da logoterapia 

Era dia 26 de março de 1905 e Viktor nascia em uma família austríaca judia, que já contava com duas irmãs. Os pais eram funcionários públicos e a família tinha uma vida confortável. Até que veio a Primeira Guerra Mundial e, como muitas outras famílias judias, a de Frankl também mergulhou na pobreza, dependendo inclusive de esmolas para sobreviver. 

2. O início do interesse pela psiquiatria 

Enquanto fazia o ensino médio, em meados de 1920, Frankl já se interessava por filosofia e psicologia. Aos dezesseis anos de idade, deu a sua primeira palestra, chamada Sobre o Sentido da Vida, para o partido socialidade da cidade onde morava. Já naquela época o jovem tinha algumas ideias sobre o que à frente se transformaria na técnica de psicoterapia que se baseia na busca do sentido da vida, a logoterapia

Viktor Frankl jovem
Viktor Frankl jovem

3. O Viktor Frankl político 

Enquanto cursava medicina, Viktor sempre esteve envolvido em questões políticas: foi membro do Partido de Jovens Trabalhadores Comunistas no ensino médio e chegou a ser presidente da mesma organização em 1924. Seu envolvimento político repercute na escolha do autor de permanecer em terras austríacas mesmo com a invasão alemã na Segunda Guerra. 

4. O jovem Viktor se corresponde com Freud

Viktor tinha um interesse genuíno pelo campo da psicologia e muito talento. Depois de escrever o seu trabalho de conclusão do ensino médio, Sobre a Psicologia do Pensamento Filosófico (1923), ele começa a se corresponder com o então famoso psicanalista Sigmund Freud, que não só gosta do lê, como encoraja o jovem a continuar escrevendo.

Já como graduando em medicina, o jovem Viktor publica o seu primeiro artigo científico na revista International Journal of Individual Psychology, aos dezenove anos de idade. 

Viktor Frankl e Freud
Viktor Frankl e Sigmund Freud

5. O nascimento da Logoterapia 

Enquanto fazia a faculdade de medicina, Viktor Frankl desenvolvia projetos paralelos, como alas de prevenção ao suicídio para jovens estudantes. Suas ideias em relação à vida e aos valores humanos é o que o impulsiona a fazer ligações entre a filosofia e a psicologia e em 1926 ele fala pela primeira vez, em um congresso, sobre a logoterapia, a terapia focada em buscar o sentido da vida. 

6. O reconhecimento de Viktor Frankl como um psiquiatra inovador 

Em meados dos anos 1930, quando Viktor tinha apenas vinte e cinco anos de idade, já começava a ser notado pela comunidade acadêmica e médica como um homem à frente de sua época. Convidado a apresentar trabalhos por toda a Europa, Frankl faz residência em psiquiatria e neurologia e em 1930 assume a responsabilidade por uma ala conhecida por pavilhão do suicídio num hospital psiquiátrico em Viena. 

7. A Alemanha nazista invade a vida de Viktor Frankl

Em 1938, Viktor já atendia em seu próprio consultório de neurologia e psiquiatria, era reconhecido como um profissional que criou uma nova forma de tratamento terapêutico, baseado em preencher o vazio existencial com um sentido e já se relacionava com a enfermeira Tilly Grosser, que trabalhava no hospital onde o médico atendia. 

Em março de 1938 as tropas nazistas fazem a anexação político-militar da Áustria. A família de Frankl, judia, está ameaçada. Mesmo tendo visto para viver no EUA, o médico decide ficar no país. Salva milhares de judeus da morte recusando-se a recomendar eutanásia aos pacientes com doenças mentais. 

8. Viktor Frankl e o campo de concentração 

O antijudaísmo atinge a família de Viktor Frankl. Sua recém-esposa Tilly Grosser é obrigada a abortar seu primeiro filho pelas tropas nazistas. Os pais e a irmã de Viktor são enviados para campos de concentração diferentes, bem como ele e a esposa. Todos morrem: o pai e a esposa de exaustão, a mãe enviada às câmaras de gás. A irmã sobrevive refugiada na Itália e Viktor passa três anos sob condições terríveis, que depois tornaram-se mensagens de esperança em seu livro Em Busca de Sentido (1946). 

Campo de concentração de Kaufering
Campo de concentração de Kaufering, onde Viktor ficou preso 

9. A superação do pai da logoterapia 

Em 1945 acaba a Segunda Guerra e Viktor e libertado. Ele sobreviveu a três anos de trabalho forçado e condições miseráveis e ainda assim conseguiu roubar alguns papéis e escrever as ideias principais de sua obra-prima, escrita em nove dias e lançada já em 1946.  

A obra-prima de Viktor Frankl, o livro 'Em busca de Sentido'
A obra-prima de Viktor Frankl, o livro "Em busca de Sentido"

Os anos seguintes foram de total recuperação: Frankl casou-se novamente, teve uma filha, conseguiu o seu título de doutor em filosofia, tornou-se professor da Universidade de Viena, fundador e presidente da Sociedade Austríaca de Medicina Psicoterapêutica. Recebeu também mais de 25 títulos honorários por suas ideias e trajetória e escreveu diversos livros. 

A logoterapia tornou-se um método de tratamento estudado e respeito pela comunidade científica e acadêmica e, sendo considerada a terceira escola da terapia vienense, depois de Sigmund Freud e Alfred Adler. 

Por fim, uma frase de Viktor Frankl que resume sua linha de pensamento: 

Nós podemos descobrir o significado da vida de três diferentes maneiras: fazendo alguma coisa, experimentando um valor ou o amor, e sofrendo.

Achamos que você também pode gostar de ler: