Todos os presidentes do Brasil (desde o primeiro até o último)

Laura Aidar
Laura Aidar
Formada em Comunicação

Relembre todos os presidentes do país e seus principais feitos, desde a Proclamação da República até os dias de hoje. 

1. Deodoro da Fonseca (1827-1892)

Período de mandato: 1889 a 1891

Deodoro da Fonseca

Deodoro da Fonseca foi o primeiro presidente do Brasil. Militar, ele assumiu o poder depois da Proclamação da República, em 1889.

Foi o responsável pela primeira Constituição Republicana do país. Seu governo foi instável, pois era um momento de transição da monarquia para o regime republicano. 

Governou até 1891, quando ele renuncia ao cargo devido a graves problemas econômicos, como inflação, falência de bancos e fechamento de indústrias.

2. Floriano Peixoto (1839-1895)

Período de mandato: 1891 a 1894

Floriano Peixoto

Floriano Peixoto assumiu a presidência em 1891, consolidando o regime republicano.

Conhecido como Marechal de Ferro, junto com Deodoro da Fonseca governou no período chamado República da Espada, pois os dois eram militares.

Reprimiu revoltas populares que exigiam novas eleições, pois ele assumiu o cargo por ser vice-presidente de Deodoro, sem eleições diretas.

Apesar disso, conseguiu reduzir em parte os impostos, aluguéis e produtos, o que melhorou um pouco a vida da população.

Enfrentou a insatisfação da elite cafeeira e revoltas como a Revolução Federalista e a Revolta Armada.

3. Prudente de Morais (1841-1902)

Período de mandato: 1894 a 1898

Prudente de Moraes

Primeiro civil a assumir a presidência, Prudente de Morais coloca fim á República da Espada. Com ele se inicia a República das Oligarquias, que alternava o poder entre mineiros e paulistas, a política do café com leite.

Se concentrou em questões diplomáticas com outros países e tentou conter a crise econômica e a inflação, mas aumentou a dívida externa do país.

Foi ainda em seu governo que ocorreu a Guerra de Canudos, um conflito em que os republicanos enviam tropas para exterminar um grande grupo de pessoas marginalizadas lideradas por Antônio Conselheiro no sertão da Bahia.

4. Campos Salles (1841-1913)

Período de mandato: 1898 a 1902

Campos Salles

Fazendeiro e advogado, Campos Salles representava a oligarquia cafeeira de São Paulo. Assume o poder em 1898, em meio a uma enorme crise econômica, dívida externa e redução dos preços do café para exportação.

Por isso, Salles adota medidas para conter a crise, aumentando impostos e cancelando obras públicas, o que afetou fortemente os setores pobres do país.

5. Rodrigues Alves (1848-1919)

Período de mandato: 1902 a 1906

Rodrigues Alves

O primeiro presidente eleito do século XX no Brasil foi Rodrigues Alves, também pertencente à elite cafeeira paulista.

Em seu mandato teve destaque estímulos à reurbanização, políticas de saneamento básico e modernização.

Entretanto, para concluir esses planos, desalojou populações carentes a fim de construir estradas e obras, o que resultou na origem das favelas.

Ele foi também o responsável, com o apoio do médico Oswaldo Cruz, pela Lei da Vacinação Obrigatória, que, imposta sem uma prévia conscientização da população, gerou a Revolta da Vacina, em 1904.

6. Afonso Penna (1847-1909)

Período de mandato: 1906 a 1909

Afonso Pena

Afonso Pena continuou a estratégia de Rodrigues Alves de investir em saneamento básico e urbanização. 

Em seu governo aumentou a malha ferroviárias do Brasil e desenvolvimento da economia, mas também contraiu mais dívidas externas.

Foi ainda incentivador da vinda de imigrantes, pois com a abolição da escravatura em 1889 o país precisa de mão de obra. Esses trabalhadores viviam em condições parecidas com a da escravidão.

7. Nilo Procópio Peçanha (1867-1924)

Período de mandato: 1909 a 1910

Nilo Peçana

Com a morte do Afonso Pena, seu vice Nilo Peçanha assume a presidência, permanecendo no cargo por apenas um ano e meio. Apesar de pouco tempo no poder, conseguiu realizar feitos que se destacaram.

Foi o primeiro presidente afrodescendente e criou em 1910 o Serviço de Proteção ao Índio (SPI), que mais tarde deu origem à FUNAI.

Ele também estimulou o ensino técnico no país, tanto que hoje é o patrono da educação técnica-profissionalizante.

Além disso, criou o Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria.

8. Hermes da Fonseca (1855-1923)

Período de mandato: 1910 a 1914

Hermes da Fonseca

O militar gaúcho Hermes da Fonseca assumiu o poder em 1910. Ele era sobrinho do primeiro presidente do Brasil, Marechal Deodoro.

O país já passava por uma crise na política do café com leite. Também havia uma enorme insatisfação dos marinheiros, indignados com o tratamento que recebiam nos navios. Assim, logo nos primeiros das de mandato, Fonseca se depara com a Revolta da Chibata, liderada pelo marujo João Cândido, a qual reprime duramente.

Anos depois, em 1912, estoura a Guerra do Contestado no sul do país, que também foi sufocada pelos republicanos.

9. Venceslau Brás (1868-1966) 

Período de mandato: 1914 a 1918

Venceslau Bras

O governo de Venceslau Brás sofreu influências da política externa. Em uma época em que a Primeira Guerra estava começando, o Brasil teve queda nas vendas de café para o exterior e dificuldade de importar produtos. 

Assim, o presidente incentiva a industrialização, focando na exportação e gerando o aumento nos preços para os brasileiros.

Além disso, é em seu governo que ocorrem os surtos de gripe espanhola e também muitas greves e paralisações.

10. Delfim Moreira (1868-1920)

Período de mandato: 1918 a 1919

Delfim Moreira

Delfim Moreira foi presidente de forma interina, assumindo no lugar de Rodrigues Alves, que havia sido eleito, mas por conta da saúde debilitada não conseguiu exercer o posto.

Delfim ficou pouco tempo na presidência, mas enfrentou grave crise, greves e insatisfação popular, que já vinha de governos anteriores.

Sua saúde também era frágil, então, muitas funções foram delegadas a Afrânio de Melo Franco, ministro de viação e obras públicas.

11. Epitácio Pessoa (1865-1942)

Período de mandato: 1919 a 1922

Epitácio Pessoa

O governo de Epitácio Pessoa foi marcado por agitação social e artística, além de ideias socialistas que chegavam às classes trabalhadoras, que foram intensamente reprimidas.

Fatos marcantes foram também construções para tentar combater a seca no nordeste e a construção de linhas ferroviárias, além da criação da Universidade do Rio de Janeiro e inauguração da primeira estação de rádio.

12. Artur Bernardes (1872-1955)

Período de mandato: 1922 a 1926

Arthur Bernardes

Artur Bernardes fez parte da República Velha e da política do café com leite, representando a oligarquia mineira.

Foi em seu mandato que diversos movimentos tenentistas ganharam força, como a Coluna Prestes e Comuna de Manaus, em que soldados de baixa e média patente se revoltaram contra o governo.

Bernardes também teve que lidar com revoltas operárias e a crise do final do pós guerra. Assim, foi um presidente repressor e autoritário, restringindo a liberdade de imprensa e aumentando impostos.

13. Washington Luís (1869-1957)

Período de mandato: 1926 a 1930

Washington Luís

Último presidente da chamada República Velha, Washington Luís enfrentou problemas com a crise gerada com a quebra da bolsa de valores de Nova York.

Nascido no Rio de Janeiro, com ele teve fim a alternância entre mineiros e paulistas no governo federal.

Teve algumas contribuições positivas na sociedade, como a elaboração do Código de Menores em 1926, quando instaura a maioridade penal, proibindo o encarceramento de menores junto aos adultos.

14. Getúlio Vargas (1882-1954)

Período de mandato: 1930 a 1945

Getúlio Vargas

Chegando ao poder em 1930, o gaúcho Getúlio Vargas foi o presidente que ficou o maior período no governo, permanecendo por 15 anos na presidência.

Assume o poder por meio de um golpe de estado depois que seu vice, João Pessoa, é assassinado.

Os primeiros quatro anos foram do Governo Provisório e ele já sinalizava que não deixaria o cargo tão fácil.

Foi um presidente populista, realizando ações em prol da sociedade como a criação do Ministério da Educação e Cultura e elaboração de leis trabalhistas. 

Entretanto, reprime os movimentos sindicais e qualquer ideologia progressista de esquerda, alinhando-se fortemente com ideias fascistas.

15. José Linhares (1886-1957)

Período de mandato: 1945-1946)

José Linhares

Permanecendo apenas 3 meses e cinco dias na presidência, José Linhares foi um político cearense indicado pelas Forças Armadas depois da queda de Getúlia Vargas.

Seu único feito marcante foi a convocação de novas eleições. Ele também criou o Fundo Rodoviário Nacional, que garantiu a construção de estradas.

16. Eurico Gaspar Dutra (1883-1974)

Período de mandato: 1946-1951

Eurico Gaspar Dutra

Assim como no período de Getúlio Vargas, o governo de Eurico Gaspar Dutra também foi marcado pela perseguição ao comunismo.

Ele também instituiu uma nova constituição, na qual a pena de morte foi proibida no país.

Foi ele também o responsável pela proibição do Partido Comunista (PCB), que passou a atuar na clandestinidade.

Esse foi também um momento de maior proximidade com a política externa dos EUA, tanto em termos econômicos como culturais.

17. Getúlio Vargas (1882-1954)

Período de mandato: 1951-1954

Getúlio Vargas

Após quatro anos de Gaspar Dutra, Getúlio volta à presidência através de eleições. 

Nesse novo momento democrático, Getúlio enfrentou forte crise econômica e tensão na sociedade.

Seu projeto foi voltado para o nacionalismo, como é evidenciado com a construção da Eletrobras e da Petrobras.

Devido a uma forte pressão e pedidos de renúncia por parte da oposição, Getúlio comete suicídio em 24 de agosto de 1954.

18. Café Filho (1899-1970)

Período de mandato: 1954-1955

Café Filho

Após a morte de Getúlio, Café Filho assume a presidência em um governo transitório e fica apenas um ano. Ele promete cumprir os compromissos de seu antecessor, mas quase não consegue governar.

Foi um momento de grande inflação e crise, contida com redução de gastos públicos.

19. Carlos Luz (1894-1961)

Período de mandato: 1955

Carlos Luz

Carlos Luz entrou para a história do Brasil como o presidente com menor tempo de mandato: apenas três dias.

Isso porque Carlos dava sinais de que daria um golpe, não permitindo que Juscelino Kubitschek assuma. 

Assim, o Ministro da Guerra, General Lott, impede os planos de Carlos Luz e dá um golpe no golpe, no que ficou conhecido como 11 de novembro.

20. Nereu Ramos (1888-1958)

Período de mandato: 1955-1956

Nereu Ramos

Por dois meses e vinte e um dias tivemos o advogado Nereu Ramos ocupando a cadeira de presidente apenas para aguardar que o novo mandatário eleito, Juscelino Kubitschek ocupasse o cargo.

21. Juscelino Kubitschek (1902-1974)

Período de mandato: 1956-1961

Juscelino Kubitcheck

Juscelino Kubitschek, chamado também de JK, foi eleito no final de 1955 e assume o governo em 1956. 

O lema de se governo era cinquenta anos de desenvolvimento em cinco, que prometia modernizar e urbanizar o país.

Foi nos anos de JK que Brasília, a nova capital do Brasil, foi construída. Além disso, o Produto Interno Bruto (PIB) também teve um aumento significativo.

22. Jânio Quadros (1917-1992)

Período de mandato: 1961

Janio Quadros

Um dos presidente mais votados do Brasil foi Jânio Quadros, com quase 6 milhões de votos. 

Assume o comando em um momento que o país passa por desequilíbrios econômicos, o que o leva a recorrer ao FMI (Fundo Monetário Internacional). A instituição empresta dinheiro ao país, mas exige a desvalorização da moeda e diminuição de crédito para o povo, o que dificulta a vida dos trabalhadores.

Jânio aproxima também as relações com países socialistas como Cuba, China e URSS o que gera desconforto entre a oposição e as forças militares.

Jânio renuncia depois de 7 meses, alegando que forças terríveis o pressionavam.

23. Ranieri Mazzilli (1910-1975)

Período de mandato: 1961

Ranieri Mazzilli

Quando Jânio Quadros renuncia, o seu vive, João Goulart, estava viajando. Assim, quem assume a presidência por treze dias é Ranieri Mazilli.

24. João Goulart (1919-1973)

Período de mandato: 1961-1964

João Goulart

Ao voltar de viagem, João Goulart, também chamado de Jango, assume a presidência. Seu governo teve o apoio das classes populares, sindicatos e operários. Em contrapartida, os militares e a UDN (União Democrática Nacional) se colocaram como oposição, dizendo se tratar de um político comunista.

Ele tentou colocar em prática sua ideia de distribuição de renda, reforma agrária, reforma educacional, urbana e eleitoral.

Entretanto, as pressões da elite, donos de terras, empresários e parte da classe média deram força para sofrer um golpe militar que o impediu de concluir seus planos em benefício do povo. 

Assim, ele é obrigado a se exilar no Uruguai, deixando o poder para os militares.

25. Ranieri Mazzilli (1910-1975)

Período de mandato: 1964

Novamente Ranieri Mazilli fica com a presidência do país por pouco tempo, treze dias, até que os militares escolhessem o novo governante.

26. Humberto Castelo Branco (1897-1967)

Período de mandato: 1964-1967

Humberto Castelo Branco

O primeiro presidente da ditadura brasileira foi Castelo Branco. Em seu governo ele fechou o Congresso, impediu a imprensa de publicar livremente, acabou com o voto popular e com demais partidos contrários à ideologia ditatorial.

No campo econômico e social retira direitos trabalhistas, faz cortes de gastos públicos e não permite um aumento do salário compatível com a inflação, gerando insatisfação popular.

27. Artur da Costa e Silva (1899-1969)

Período de mandato: 1967-1969

Costa e Silva

Eleito indiretamente, ou seja, sem ser escolhido pelo povo, Costa e Silva foi o segundo presidente da ditadura, permanecendo por 2 anos, chamados de anos de chumbo, por seu caráter autoritário.

Sua política era voltada para os interesses de grandes empresários internacionais, com congelamento de salários e poucas ações em benefício da população, o que aumentou ainda mais a revolta popular. Foram organizados protestos memoráveis como a Passeata dos Cem mil.

Então, Costa e Silva concentrou poderes no executivo e aumentou a repressão com a criação do Ato Institucional nº5 (AI5), com torturas, desaparecimentos e mortes de quem se opunha.

28. Emílio Garrastazu Médici (1905-1985)

Período de mandato: 1969-1974

Emílio Garrastazu Médici

Emílio Garrastazu Médici toma o poder em 1969 e consegue ser ainda mais autoritário, elevando o nível de repressão.

Nesse período surgiu o lema Brasil: ame-o ou deixe-o, sugerindo que todos que tivessem críticas deveriam sair do país (ou seriam presos e, muitas vezes, mortos).

À custa de empréstimos, o país conseguiu uma melhora econômica, mas elevou consideravelmente a dívida externa. 

Foi Médici também que estimulou a exploração amazônica, com a Transamazônica e o Projeto Rondon.

29. Ernesto Geisel (1907-1996)

Período de mandato: 1974-1979

Ernesto Geisel

Ernesto Geisel foi o militar do partido ARENA eleito indiretamente em 1974. 

Em seu governo começa a abertura política e o Ato Institucional nº 5 é retirado. De qualquer forma, violações, mortes e torturas ainda acontecem, como o caso famoso de Wladimir Herzog, jornalista morto nas dependências militares.

No plano econômico, o Brasil passava por uma crise, o "milagre econômico" já não ocorria e a inflação chega a 40%.

É nesse período que se inicia o processo de ocupações de terras improdutivas pelo Movimento Sem Terra (MST), que se consolidou com um dos movimentos por reforma agrária mais organizados da América Latina atualmente.

A luta operária do ABC Paulista também ganha força nesse momento.

30. João Figueiredo (1918-1999)

Período de mandato: 1979-1985

João Figueiredo

O general João Figueiredo foi o último presidente do período militar no Brasil. Teve a função de preparar o país para a abertura política de forma gradual.

Assim, instaura a Lei da Anistia, permitindo que políticos e cidadãos exilados voltassem ao país. Em troca, os crimes da ditadura não poderiam ser julgados e punidos.

Mesmo com oposição de parte dos militares, Figueiredo autorizou também a criação de novos partidos políticos.

31. José Sarney (1930-)

Período de mandato: 1985-1990

José Sarney

José Sarney é o primeiro civil a alcançar o cargo de presidente depois da ditadura militar. Entretanto, mesmo com a campanha pela "diretas já", sua eleição foi indireta.

Na verdade, Sarney era vice de Tancredo Neves, que apresentou complicações de saúde e não pode assumir, falecendo em abril de 1985.

Buscando resolver o problema da economia em crise, Sarney instaura o Plano Cruzado, que congela preços e salários, sem sucesso. A inflação e os juros disparam.

É feita ainda uma Nova Assembleia Constituinte, substituindo a anterior, do período militar.

32. Fernando Collor de Mello (1949-)

Período de mandato: 1990-1992

Fernando Collor de Mello

O primeiro presidente eleito diretamente pelo povo foi Fernando Collor de Mello. Sua campanha eleitoral foi focada no combate à inflação e à corrupção.

Assim que assumiu o poder, alegando a tentativa de conter a inflação impôs o Plano Collor, que confiscava as poupanças dos brasileiros. Ele também congelou salários e aumentou tarifas públicas.

Tais medidas causaram enorme insatisfação popular e desemprego, além de não combaterem a inflação. O presidente também não tinha planos voltados para a classe baixa e tentou implementar um plano de privatizações de empresas estatais.

Seu governo começou a sofrer pressão e foram revelados esquemas de corrupção. Assim, deu-se início a um processo de impeachment. Percebendo que seria retirado do cargo, Collor renuncia no final de 1992.

33. Itamar Franco (1930-2011)

Período de mandato: 1992-1995

Itamar Franco

Por ser vice de Fernando Collor, Itamar Franco assume a presidência em 1992, herdando um país mergulhado em problemas como o desemprego e a inflação.

Seu governo foi marcado por um plebiscito para a população escolher qual sistema político gostaria, vencendo a República e o Presidencialismo.

Em seu governo houve estabilização econômica, comandada por Fernando Henrique Cardoso no cargo de Ministro da Fazenda, criando o Plano Real.

Além disso, houve privatizações e a volta da fabricação do fusca, pela empresa Volkswagen.

34. Fernando Henrique Cardoso (1931-)

Período de mandato: 1995-2003

Fernando Henrique Cardoso

Com o sucesso do Plano Real, Fernando Henrique conseguiu se eleger presidente em 1995. 

Teve destaque em seu mandato o aumento considerável de privatizações, como o sistema de telecomunicações, a Vale do Rio do Doce, a Light e outras empresas lucrativas, o que contribuiu para o desemprego.

Com avanços tecnológicos, entretanto, alguns serviços baratearam, como a venda de linhas telefônicas. O presidente também teve êxito na redução do analfabetismo.

FHC foi reeleito em 1998, permanecendo 8 anos no governo.

35. Luiz Inácio Lula da Silva (1945-)

Período de mandato: 2003-2011

Luís Inácio Lula da Silva

Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito em 2003 prometendo manter a estabilidade econômica e combater a fome e desemprego.

No seu governo foram criadas mais vagas de trabalho e, para vencer a pobreza extrema, foi criado o programa social Bolsa Família, que ajudava financeiramente famílias carentes em troca de que as crianças frequentassem a escola e mantivessem visitas regulares ao médico.

Dessa forma, naquela época o país conseguiu sair da lista de países que integram o "mapa da fome", organizada pela ONU.

Houve maior democratização do acesso ao ensino, tanto básico quanto superior, com a criação de novas universidades e implementação de cotas raciais.

Seu governo também foi marcado por investigações de corrupção e pagamentos de deputados para garantir a aprovação de projetos, conhecido como "mensalão".

Ainda assim, termina seu mandato com maior taxa de apoio popular, com 87% de aprovação.

36. Dilma Rousseff (1947-)

Período de mandato: 2011-2016

Dilma Roussef

Depois que Lula ficou 8 anos no poder foi a vez da primeira mulher a assumir a presidência. Dilma Vana Roussef era a candidata do Partido dos Trabalhadores (PT) e tinha o apoio de Lula.

Tomou posse em 2011 e compromete-se a dar continuidade aos programas sociais iniciados na gestão anterior.

Seu governo também investiu em infra-estrutura, além de criar outros programas sociais como Mais Médicos, para tornar mais acessível o atendimento médico no território brasileiro. 

O ensino técnico também teve incentivo, assim como o superior, que ganhou mais universidades, ampliando o número de vagas.

Reeleita democraticamente em 2014, Dilma inicia seu segundo mandato. Entretanto, devido a pressões e acusações de cometer crime de responsabilidade fiscal, sofre um processo de impeachment, que culminou com sua saída em 2016.

37. Michel Temer (1940-)

Período de mandato: 2016-2019

Michel Temer

Com a retirada de Dilma do poder, quem assume é seu vice, Michel Temer. Como presidente interino, fica na presidência por dois anos.

Durante esse período, voltou seu governo para os interesses da elite e seu mandato terminou com uma taxa de desemprego de mais de 13%, além da pior taxa de apoio popular, com apenas 6%.

38. Jair Bolsonaro (1955-)

Período de mandato: 2019 - até o presente

Jair Bolsonaro

Jair Bolsonaro se candidatou à presidência prometendo "Acabar com tudo isso que está aí", segundo suas próprias palavras. 

O militar reformado apostou ainda em uma forte campanha nas redes sociais e declarações polêmicas, seguindo a linha do então presidente dos EUA, Donald Trump.

Em dois anos de mandato envolveu-se em muitas controvérsias, trocou nove de seus ministros iniciais, saiu de seu partido (PSL) e ameaçou dar um golpe de Estado.

Em seu governo, o enfrentamento da pandemia de COVID-19 foi questionado por médicos, cientistas e pela maior parte da população, devido ao negacionismo e escândalos de corrupção, investigados na CPI da COVID-19.

 Você também pode se interessar:

Ditadores que marcaram a história
Biografia dos maiores líderes mundiais
Biografia de ativistas que mudaram o mundo

Laura Aidar
Laura Aidar
Formada em Comunicação
Formada em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.