O pintor holandês Vincent van Gogh foi um dos artistas mais importantes da arte pós-impressionista. 

Teve uma carreira curta, porém chegou a pintar mais de 700 obras e até hoje é influência global no mundo arte. Conheça a história desse gênio mal compreendido. 

A infância e adolescência de Van Gogh 

Nascido em uma família com mais cinco irmãos, Van Gogh não teve muitos luxos na infância. Seu pai era pastor de uma igreja protestante, e a mãe uma artista que praticava desenho e aquarela.

Vincent enxergava no irmão mais novo, Theo van Gogh, o seu melhor amigo e cúmplice. 

A vida de Van Gogh antes de começar a pintar 

Com 16 anos Van Gogh teve que largar a escola e começar a trabalhar para ajudar a família. Já era fluente em quatro línguas e passou a ajudar o seu tio em uma filial da Galeria Goupil, importante empresa internacional de comércio de arte.

Por quase 10 anos trabalhou a serviço da Galeria, viajando e conhecendo outras culturas europeias, como a inglesa, a francesa e a belga. 

Antes de se dedicar à pintura, no entanto, o artista também pensou em seguir a carreira do pai, e estudou teologia por um ano, mas logo desistiu da carreira missionária. 

Van Gogh com cerca de 20 anos de idade
Vincent van Gogh com 20 anos de idade, enquanto trabalhava na Galeria Goupil (1873)

O início de Van Gogh na pintura

Desde pequeno Van Gogh teve contato com a pintura: através de sua mãe, depois no trabalho com o tio. De forma autônoma, o garoto de vinte e poucos anos começou a estudar anatomia, desenho, arte.

A prática da pintura veio tardiamente, por volta dos 28 anos de idade, enquanto aprofundava seus estudos artísticos em Haia, cidade holandesa localizada a 80 km de seu local de nascença.

Morre o pai de Van Gogh e dá-se o início de sua fúria artística 

O quadro mais famoso e antigo de Van Gogh é O Comedor de Batatas, onde retrata a vida simples dos camponeses.

Os tons sombrios e empastados revelam a natureza triste do seu momento de vida: o ano era 1885 e seu pai havia morrido de repente, deixando o artista de 32 anos desolado. 

O comedor de batatas
O Comedor de Batatas (1885) 

A paixão de Van Gogh pela arte impressionista 

Abalado pela morte do pai, ainda mais deprimido e angustiado que o costume, Vincent decide fazer uma breve passagem à Antuérpia, na Bélgica, para logo depois se instalar em Paris.

Na capital francesa, em contato com grandes pintores da época, como Paul Gauguin, Monet, Renoir e Toulouse-Lautrec, o pintor passa a criar sob grande influência impressionista

Financiado pelo irmão Theo, o artista mergulha em uma fase muito produtiva, pintando mais de 200 quadros, entre os quais:

Natureza morta com absinto
Natureza Morta com Absinto (1887). Acredita-se que van Gogh era viciado na bebida. 
Autorretrato com papel de palha
Autorretrato com Chapéu de Palha (1887) 

Os Girassóis de Van Gogh: novos ares em Arles 

Depois de um inverno rigoroso em Paris, em fevereiro de 1888 ele decide passar um tempo em Arles, uma comuna francesa onde desfruta de muito tempo ao ar livre.

O pintor é inspirado pelas cores quentes, luz ampla e natureza da cidade. É desta época seus vários quadros com girassóis.

Girassóis de Van Gogh
Sequência de girassóis pintados em 1888

E também outras de suas pinturas muito famosas como:

Noite Estrelada Sobre o Ródano (1888) 
Noite Estrelada Sobre o Ródano (1888) 
O Terraço do Café na Place du Forum, Arles, à Noite (1888) 
O Terraço do Café na Place du Forum, Arles, à Noite (1888) 

O único quadro que foi vendido enquanto Van Gogh ainda estava vivo 

Em novembro de 1888, Van Gogh pintou A Vinha Encarnada, o único quadro que seu irmão, Theo, conseguiu vender enquanto o pintor ainda vivia. 

Em uma das centenas de cartas enviadas ao irmão, Vincent diz que pintou o quadro pós-chuva, com folhas de parreiras espalhadas pelo chão e vermelhas como vinho. 

A Vinha Encarnada (1888)
A Vinha Encarnada (1888)

O quadro foi vendido por uma quantia equivalente ao que seria aproximadamente 500 dólares atuais. Só para fins de comparação, um de seus quadros mais valiosos é o Retrato de Dr. Gachet, vendido no ano de 1990 por 82,5 milhões de dólares

De quando Van Gogh perde a saúde mental e a sua orelha 

Qualquer pessoa que admire a obra de Van Gogh conhece o seu Autorretrato com a Orelha Cortada, quadro pintado depois do épico episódio em que o artista cortou a sua própria orelha. 

Autorretrato com a Orelha Cortada (1889)
Autorretrato com a Orelha Cortada (1889)

Mas qual a história por trás desse momento bizarro? 

Ninguém sabe ao certo. A versão mais aceita por historiadores, no entanto, é que, depois de um acesso de fúria contra o seu companheiro de pousada, Paul Gauguin, Vincent teria cortado a sua orelha e entregado à uma prostituta local.

Vincent e Paul viviam juntos mas não conseguiam se entender, devido as divergências temperamentais. 

Esse desacordo entre os dois artistas é retratado nas famosas obras A Cadeira de van Gogh e A Cadeira de Gauguin, ambos de dezembro de 1888, nas quais são claros os contrastes de cores, de sofisticação, de personalidade. 

Cadeiras de Van Gogh e Goauguin
A Cadeira de van Gogh (à esquerda) e A Cadeira de Gauguin (à direita)

O começo da morte de Van Gogh 

Depois do episódio da orelha no final de 1889, Van Gogh voltou para a casa amarela, onde vivia em Arles, mas sentia-se sozinho, triste e paranoico. 

Em maio de 1889, pede que o irmão o interne, e então passa a viver como paciente no Hospital de Saint-Rémy, que também é seu ateliê. 

É da janela de seu quarto no hospital que pinta A Noite Estrelada, um de seus quadros mais famosos. De fato, nesta fase final de sua vida, Van Gogh pintou cerca de 200 quadros. 

A Noite Estrelada (1889) 
A Noite Estrelada (1889) 

Outro autorretrato é mais uma de suas famosas pinturas da época:

Autorretrato (1889)
Autorretrato (1889)

O suicídio de Van Gogh 

Depois de sete meses internado em Saint-Rémy-de-Provence, Vincent recebe o convite do Dr. Paul Gachet, que morava em Auvers-sur-Oise, para ser seu paciente. O pintor então se muda para um quarto na cidade. 

Retrato do DR Gachet
Retrato do Dr. Gachet (1890)
HOMEM VELHO COM A CABEÇA EM SUAS MÃOS 
Homem Velho com a Cabeça em Suas Mãos (1890)

Este último quadro retrata bem o estado de espírito do artista, que apesar dos tratamentos psicológicos e do suporte financeiro do irmão para evoluir a sua arte, continuava sentindo-se miserável e infeliz. 

Então, em julho de 1890, Van Gogh sai em direção a um campo de trigo da cidadela com uma arma na mão e atira no próprio peito. A bala, no entanto, não o mata instantaneamente, e o artista ainda tem a chance de reencontrar o seu irmão, Theo, antes de falecer, dois dias depois, no hospital.

Seus últimos quadros demonstram o estado caótico em que se encontrava: 

Ultimos quadros de van gogh
Raízes das Árvores, quadro pintado um julho de 1890, pouco antes da morte de Van Gogh
Campo de Trigo com Corvos
Campo de Trigo com Corvos, quadro pintado em Julho de 1890, semanas antes da morte de Van Gogh

O legado de Vincent van Gogh 

Atualmente tido como o maior pintor nascido na Holanda depois de Rembrandt, Van Gogh só conheceu a fama depois da morte, mas hoje tem várias pinturas entre as mais caras do mundo. 

Sua vida já foi tema de diversas biografias, peças de teatro, músicas, livros e filmes.

A relação fraterna com o irmão (que morreu apenas 6 meses após o seu suicídio) é retratada na película Vincent & Theo (1990), com direção Robert Altman.

No Portal da Eternidade (2018) é a adaptação mais recente dos últimos anos de vida do artista, o que rendeu ao ator Willem Dafoe uma indicação ao Oscar de Melhor Ator em 2019. 

Willem Dafoe como van Gogh
William Dafoe foi indicado ao Oscar em 2019 pelo papel na cinebiografia de Van Gogh

Gostou de conhecer a história do artista e um pouco de suas obras? Então leia a sua biografia completa

Leia também