Osama bin Laden

Terrorista saudita
Por Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora

Biografia de Osama bin Laden

Osama bin Laden (1957-2011) foi um terrorista saudita. Fundou a organização terrorista Al-Qaeda, responsável por diversos atentados terroristas, entre eles, o das torres do World Trade Center, em Nova Iorque, em 11 de setembro de 2001.

Osama bin Laden nasceu em Riade, capital da Arábia Saudita, no dia 10 de março de1957. Era o 17.º filho de Mohammed bin Laden, um iemenita que imigrou para a Arábia Saudita em 1930. Sua mãe era síria.

Trabalhando na construção civil seu pai fez fortuna construindo palácios e prédios públicos para o Rei Saud. Osama foi educado por professores particulares e teve uma vida de luxo. Com a morte de seu pai, em 1968, Osama bin Laden herdou uma fortuna.

Juventude

Bin Laden estudou em uma escola em Jiddah, casou-se jovem e ingressou na Irmandade Muçulmana Islâmico. Enquanto cursava Engenharia, em 1979, ele aliou-se ao grupo mujahideen (os rebeldes afegãos), que acreditava que todos os muçulmanos deveriam se rebelar na jihad – ou guerra santa, para criar um único estado islâmico.

Osama bin Laden estava comprometido com a libertação da causa islâmica ressentida pela crescente influência ocidental na vida do Oriente Médio. Ajudou a recrutar jovens muçulmanos e a financiar todas as atividades do grupo.

O fundamentalismo

O renascimento do fundamentalismo escancarou-se para o mundo em 1979. Ano em que o xá do Irã, Reza Pahlevi, foi derrubado em uma revolução que resultou na instauração do estado islâmico, comandado por aiatolás.

Além disso, a União Soviética invadiu o Afeganistão, a primeira ocupação militar de um país muçulmano desde a II Guerra Mundial. O Afeganistão tornou-se assim, um polo de atração de fundamentalistas dispostos a expulsar “infiés” de terras islâmicas.

Logo depois da invasão soviética, bin Laden e Azzam viajaram para Peshawar uma cidade paquistanesa na fronteira com o Afeganistão, para se juntar à resistência.

Osama bin Laden, influenciado por teóricos radicais achava que era seu dever combater os “inimigos do Islã”. Além de financiar um movimento armado, organizado para lutar contra os soviéticos, não se mostrava um antiamericano e arrecadava dinheiro dos Estados Unidos, para manter o movimento.

Eles encorajaram os jovens de todo o Oriente Médio para fazer parte da jihad afegã. Sua organização chamada Maktab al-Khidamat (MAK) serviu como ura rede de recrutamento global e treinamento – tinha escritórios em locais distantes como Brooklin, e Tucson, Arizona.

Em 1979 fizera turismo nos Estados Unidos com a família. Ele só passou a concentrar sua fúria contra os americanos apenas em 1990, quando o Iraque invadiu o Kuwait.

Al-Qaeda

Em 1988, Bin Laden fundou o Al-Qaeda (a base), um centro operacional para os extremistas islâmicos, onde só eram recrutados membros experientes e se concentraria em atos de terrorismo em vez de campanhas militares.

Após a retirada soviética em 1989, bin Laden voltou à Arábia Saudita para aumentar a arrecadação de fundos para essa missão, mas a família real saudita, temia que bin Laden pudesse causar problemas para o reino.

Eles tiraram o passaporte de bin Laden e rejeitaram sua oferta de enviar “árabes afegãos” para proteger a fronteira depois que o Iraque invadiu o Kuwait em 1990.

Ao buscar ajuda dos Estados Unidos, o grupo foi desprezado e bin Laden jurou que seria a Al Qaeda, e não os americanos, que um dia provaria ser o “mestre deste mundo”.

Em 1991 foi exilado, perdeu a cidadania saudita e se mudou para o Sudão. Depois de um ano de preparação, a Al Qaeda atacou pela primeira vez, ao explodir uma bomba em um hotel em Aden, Iêmen, que abrigava tropas americanas a caminho de uma missão de paz na Somália. Na ocasião, apenas dois turistas austríacos foram mortos.

Outros atentados se seguiram: depois de treinados e armados os rebeldes somalis mataram 18 soldados americanos em Mogadíscio, em 1993, estavam envolvidos ao bombardeio de 1993 do World Trade Center de Nova Iorque, tentaram matar o presidente do Egito Hosni Mubarek em 1995, bombardearam um centro de treinamento da Guarda Nacional dos Estados Unidos em Riade em 1995, no ano seguinte, um caminhão bomba destruiu as Torres Khobar, uma residência militar americana em Dharan.

A pressão diplomática exercida pelos Estados Unidos obrigou o Sudão a expulsar bin Laden que, em 1996 foi para o Afeganistão sob a proteção do chefe do Movimento Taliban, Omar Muhammad.

Nesse mesmo ano o presidente americano Bill Clinton determinou, sem sucesso, que a inteligência americana destruísse toda a estrutura criada pela Al-Qaeda e assassinasse bin Laden.

Enquanto isso, a escalada dos ataques da Al Qaeda continuava. Em 7 de agosto de 1998, bombas explodiram, ao mesmo tempo, nas embaixadas dos Estados Unidos em Nairóbi, Quênia, e em Bar-es-Salaam, na Tanzânia, quando diversas pessoas foram mortas ou feridas.

Em 12 de outubro de 2000, um barco carregado de explosivos atingiu o casco de um contratorpedeiro norte-americano que estava ancorado na costa do Iêmen, quando 17 marinheiros morreram e 38 ficaram feridos.

Atentados de 11 de setembro de 2001

No dia 11 de setembro de 2001, uma terça-feira, quatro aviões repletos de passageiros, foram sequestrados. Às 8h46, um avião foi arremessado contra a Torre Norte do World Trade Center em Nova Iorque. Dezessete minutos depois, um segundo avião atingiu a Torre Sul.

Osama bin Laden

Depois de duas horas os prédios do World Trade Center desmoronaram e o impacto destruiu diversos edifícios vizinhos. Foram quase três mil pessoas mortas e seis mil feridos.

Ao mesmo tempo um terceiro avião colidiu com a fachada oeste do Pentágono, em Washington, sede do comando militar americano. Morreram, além de todos os 53 passageiros que estavam no voo 77, 125 funcionários que trabalhavam no edifício de cinco andares e cinco pontas. Em seguida, foi a vez de outro avião, também pilotado por extremistas, cair no estado da Pensilvânia.

Perseguição e morte

Depois desses atentados, o governo do presidente George W Bush iniciou a caça a Osama bin Laden, que passou a ser o terrorista mais procurado do mundo. Por quase dez anos, ele permaneceu escondido, emitindo insultos no rádio e na televisão e recrutando jovens jihadistas e planejando novos ataques. Enquanto isso, a CIA e outros funcionários da inteligência procuravam em vão por seu esconderijo.

Finalmente, em agosto de 2010, eles localizaram bin Laden em Abbottabad, Paquistão, nas proximidades de Islamabad. Durante meses, agentes da CIA vigiaram a casa enquanto drones a fotografavam do céu.

Só em 1 de maio de 2011 uma operação militar surpreendeu o terrorista e o atingiu com um tiro na cabeça. Bin Laden estava escondido na cidade de Abbottabad, próximo a Islamabad capital do Paquistão. Seu corpo foi levado de helicóptero para um porta-aviões americano.

Sua morte foi anunciada na TV, pelo presidente americano Barack Obama. Segundo os Estados Unidos o sepultamento foi feito seguindo rituais islâmicos e seu corpo foi jogado no mar. Os atentados causaram duas guerras, a do Afeganistão e a do Iraque.

Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora
É bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e professora do ensino fundamental.