Tarsila do Amaral

Pintora brasileira
Por Dilva Frazão

Biografia de Tarsila do Amaral

Tarsila do Amaral (1886-1973) foi uma pintora e desenhista brasileira. O quadro "Abaporu" pintado em 1928 é sua obra mais conhecida. Junto com os escritores Oswald de Andrade e Raul Bopp, lançou o movimento "Antropofágico", que foi o mais radical de todos os movimentos do período Modernista.

Tarsila do Amaral nasceu na Fazenda São Bernardo, município de Capivari, interior de São Paulo, no dia 1 de setembro de 1886. Era filha de José Estanislau do Amaral Filho e Lydia Dias de Aguiar do Amaral tradicional e rica família de São Paulo.

Era neta de José Estanislau do Amaral, proprietário de diversas fazendas no interior de São Paulo, apelidado de "milionário". Seu pai herdou apreciável fortuna e diversas fazendas, nas quais Tarsila passou a infância e adolescência.

Formação

Tarsila do Amaral estudou em São Paulo em uma escola de freiras e no Colégio Sion. Completou seus estudos em Barcelona, na Espanha, onde pintou seu primeiro quadro, "Sagrado Coração de Jesus", aos 16 anos.

De sua volta ao Brasil, em 1906, Tarsila casou-se com André Teixeira Pinto, primo de sua mãe, com quem teve uma filha, Dulce Pinto.

Em 1916, Tarsila começou a estudar no ateliê de William Zadig, escultor sueco radicado em São Paulo. Com ele aprendeu a fazer modelagem em barro.

Em 1920, separou-se de André Teixeira e foi para Paris, onde estudou na Academia Julian, escola de pintura e escultura. Estudou também com Émile Renard.

Em 1922, tem uma tela sua admitida no Salão Oficial dos Artistas Franceses. Nesse mesmo ano regressa ao Brasil.

O Modernismo

Em 1923, Tarsila volta à Europa e mantem contato com os modernistas que lá se encontravam, são intelectuais, pintores, músicos e poetas, entre eles Oswald de Andrade.

Estudou com Albert Gleizes e Fernand Léger, grandes mestres cubistas. Manteve estreita amizade com Blaise Cendrars, poeta franco-suíço que visitou o Brasil em 1924.

Em 1925, estando em Paris, Oswald de Andrade lançou o volume de poesias “Pau-Brasil”, com ilustrações de Tarsila.

Em 1926, Tarsila casou-se com Oswald de Andrade e no mesmo ano a artista realizou sua primeira exposição individual na Galeria Percier, em Paris.

Embora não tenha participado diretamente da “Semana de 22”, Tarsila se integrou com os intelectuais modernistas.

Fez parte do "Grupo dos Cinco", juntamente com Anita Malfatti, Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Menotti del Picchia.

Em 1929 expõe individualmente pela primeira vez no Brasil, no Palace Hotel em São Paulo.

Em 1930, Oswald de Andrade deixa Tarsila e passa a viver com Pagu. Deprimida, durante um ano produziu uma única tela intitulada “Composição (Figura Só)”.

tarsila do amaral
Composição (Figura Só) (1930)

Fases da Obra de Tarsila do Amaral

Tarsila do Amaral foi uma das artistas plásticas mais importantes da primeira fase do Modernismo, concretizando em sua obra todas as aspirações de vanguarda formuladas pelo grupo.

Sua obra atravessou três fases denominadas: “Pau-Brasil”, “Antropofágica” e “Social”.

A primeira fase, “Pau-Brasil”, teve início em 1924, quando Oswald de Andrade divulgou o “Manifesto Pau Brasil” defendendo o nacionalismo.

A artista rompeu completamente com o conservadorismo e sua obra encheu-se de formas e cores assimiladas em sua viagem de “redescoberta do Brasil”, realizada em Minas Gerais, com seus amigos modernistas.

Tarsila explorou os temas tropicais e exalta a flora e a fauna, as ferrovias e as máquinas, símbolos da modernidade urbana. São exemplos dessa época as telas:

Tarsila do Amaral
A Feira (1924)
Tarsila do Amaral
A Estação Central do Brasil (1924)
Tarsila do Amaral
O Pescador (1925)

A segunda fase da obra de Tarsila do Amaral, denominada “Antropofágica”, teve origem no mais radical de todos os movimentos do período modernista: “Movimento Antropofágico” que foi inspirado no quadro “Abaporu” (1928) (antropófago, em tupi), que Tarsila oferecera a Oswald como presente de aniversário.

Partidários de um primitivismo crítico, os antropófagos propunham que a cultura estrangeira fosse devorada, aproveitando dela suas inovações artísticas, porém sem perder nossa própria identidade cultural. Exemplos dessa fase:

Tarsila do Amaral
Abaporu (1928)
tarsila do amaral
Urutu (1928)
tarsila do amaral
Antropofagia (1929)

A terceira e última fase da obra de Tarsila do Amaral, denominada “Social”, teve início em 1933, com a obra, “Operários”, onde sua criação está voltada para os temas sociais da época e a situação dos trabalhadores. São dessa fase as obras:

Tarsila do Amaral
Operários (1933)
Tarsila do Amaral
Segunda Classe (1933)
Tarsila do Amaral
Crianças do Orfanato (1935)

Tarsila pintou dois painéis em sua carreira: “Procissão do Santíssimo” (1954), para as comemorações do IV Centenário da cidade de São Paulo e “Batizado de Macunaíma” (1956), para a Editora Martins.

Entre 1934 e 1951, Tarsila manteve um relacionamento com o escritor Luís Martins. De 1936 a 1952, trabalhou como colunista nos Diários Associados onde ilustrava retratos de grandes personalidades. Em 1951 participou da I Bienal de São Paulo. Em 1963 teve uma sala especial na VII Bienal de São Paulo e no ano seguinte teve participação especial na XXXII Bienal de Veneza.

Tarsila do Amaral faleceu em São Paulo, no dia 17 de janeiro de 1973.

Outras Obras de Tarsila do Amaral

  • Pátio, Com Coração de Jesus, 1921
  • A Espanhola, 1922
  • Chapéu Azul, 1922
  • Margaridas de Mário de Andrade, 1922
  • Árvore, 1922
  • O Passaporte, 1922
  • Retrato de Oswald de Andrade, 1922
  • Retrato de Mário de Andrade, 1922
  • Estudo, 1923
  • Manteau Rouge, 1923
  • Rio de Janeiro, 1923
  • A Negra, 1923
  • Caipirinha, 1923
  • Figura Azul, 1923
  • Auto Retrato, 1924
  • Morro da Favela, 1924
  • A Família, 1925
  • Palmeiras, 1925
  • Religião Brasileira, 1927
  • A Boneca, 1928
  • Cartão Postal, 1928
  • Floresta, 1929
  • Retrato do Padre Bento, 1931
  • O Casamento, 1940
  • Procissão, 1941
  • Terra, 1943
  • Primavera, 1946
  • Praia, 1947
  • Criança, 1949
  • Costureiras, 1950
  • Porto I, 1953
  • Procissão, 1954
  • A Metrópole, 1958
  • Porto II, 1966
  • Religião Brasileira IV, 1970

Se você é um entusiasta das artes plásticas aproveite para também ler os artigos: 

Última atualização: 29/09/2020

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Anita Malfatti Anita Mafaltti (1889-1964) foi uma artista plástica brasileira. A mostra exp...
  • Beatriz Milhazes (1960) é uma pintora, gravadora, ilustradora e professora br...
  • Djanira da Motta e Silva (1914-1979) foi uma pintora brasileira. Sua tela San...
  • Frida Kahlo (1907-1954) foi uma pintora mexicana conhecida por seus autorretr...
  • Tomie Ohtake (1913-2015) foi uma pintora, gravadora e escultora japonesa natu...
  • Carolina Maria de Jesus (1914-1977) foi um a escritora brasileira, considerad...
  • Cecília Meireles (1901-1964) foi poetisa, professora, jornalista e pintora br...
  • Ruth Rocha (1931) é uma importante escritora brasileira de literatura infanto...
  • Cora Coralina (1889-1985) foi uma poetisa e contista brasileira. Publicou seu...
  • Princesa Isabel (1846-1921) foi regente do Império no Brasil. Filha de D. Ped...