Álvares de Azevedo

Poeta brasileiro

Biografia de Álvares de Azevedo

Álvares de Azevedo (1831-1852) foi um poeta, escritor e contista, da Segunda Geração Romântica brasileira. Suas poesias retratam o seu mundo interior. É conhecido como "o poeta da dúvida". Faz parte dos poetas que deixaram em segundo plano, os temas nacionalistas e indianistas, usados na Primeira Geração Romântica, e mergulharam fundo em seu mundo interior. É Patrono da cadeira nº. 2, da Academia Brasileira de Letras.

Infância e Juventude

Manuel Antônio Álvares de Azevedo nasceu em São Paulo no dia 12 de setembro de 1831. Filho do Doutor Inácio Manuel Alvares de Azevedo e Dona Luísa Azevedo. Aos dois anos de idade, junto com sua família, muda-se para o Rio de Janeiro. Em 1836 morre seu irmão mais novo, fato que o deixou bastante abalado. Foi aluno brilhante, estudou no colégio do professor Stoll, onde era constantemente elogiado. Em 1945 ingressou no Colégio Pedro II.

Em 1848, Álvares de Azevedo voltou para São Paulo e iniciou o curso de Direito na Faculdade do Largo de São Francisco, onde passou a conviver com vários escritores românticos. Nessa época fundou a revista da Sociedade Ensaio Filosófico Paulistano, traduziu a obra Parisina, de Byron e o quinto ato de Otelo, de Shakespeare, entre outros trabalhos.

Álvares de Azevedo vivia em meio aos livros da faculdade e se dedicava a escrever suas poesias. Toda sua obra poética foi escrita durante os quatro anos que cursou a faculdade. O sentimento de solidão e tristeza, refletidos em seus poemas, era de fato a saudade da família, que ficara no Rio de Janeiro.

Morte

Em 1852, Álvares de Azevedo adoece e abandona a faculdade, um ano antes de completar o curso de Direito. Vitimado por uma tuberculose e sofrendo com um tumor, Álvares de Azevedo é operado, mas não resiste. Morre no dia 25 de abril de 1852, com apenas 20 anos de idade. Sua poesia "Se Eu Morresse Amanhã!", escrita alguns dias antes de sua morte, foi lida, no dia de seu enterro, pelo escritor Joaquim Manuel de Macedo:

Se Eu Morresse Amanhã

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que amanhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n'alva 
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o doloroso afã...
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

O Ultra Romantismo

Álvares de Azevedo é o nome mais importante do Ultra Romantismo, também conhecido como a Segunda Geração Romântica, quando os poetas deixaram em segundo plano os temas nacionalistas e indianistas e mergulharam no seu mundo interior. Seus poemas falam constantemente do tédio da vida, das frustrações amorosas e do sentimento de morte. A figura da mulher aparece em seus versos, ora como um anjo, ora como um ser fatal, mas sempre inacessível.

Álvares de Azevedo deixa transparecer em seus textos, a marca de uma adolescência conflitante e dilacerada, representando a experiência mais dramática do Romantismo brasileiro. Em alguns poemas, Álvares de Azevedo surpreende o leitor, pois além de poeta triste e sofredor, mostra-se irônico e com um grande senso de humor, que ri da própria poesia romântica. Álvaro de Azevedo não teve nenhuma obra publicada em vida. O livro "Lira dos Vinte Anos" foi a única obra preparada pelo poeta.

Livros de Álvares de Azevedo

  • Macário, 1850 (obra dramática)
  • Lira dos Vinte Anos, 1853 (poesia)
  • A Noite na Taverna, 1855 (prosa)
  • O Conde Lopo, 1866 (poesia)

Poesias de Álvares de Azevedo

  • A Lagartixa
  • Adeus, Meus Sonhos
  • Ai, Jesus!
  • Amor
  • Anjinho
  • Anjos do Céu
  • Anjos do Mar
  • Canção da Sexta (LXI)
  • Cantiga
  • Canto Primeiro
  • Canto Segundo
  • Cismar
  • Desalento
  • Desânimo
  • Dinheiro
  • E Ela! E Ela! E Ela! E Ela!
  • Fragmentos de um Canto em Cordas de Bronze
  • Ideias Íntimas
  • Lágrimas da Vida
  • Lágrimas de Sangue
  • Luar de Verão
  • Malva Maçã
  • Meu Amigo
  • Meu Desejo
  • Meu Sonho
  • Na Minha Terra
  • No Mar
  • O Lenço Dela
  • O Poeta Maribundo
  • Oh! Páginas da Vida Que eu Amava
  • Pálida Inocência
  • Perdoa-me, Visão dos Meus Amores
  • Saudades
  • Se Eu Morresse Amanhã
  • Solidão
  • Sonhando
  • Tarde de Outono
  • Trindade
  • Último Soneto
  • Um Cadáver de Poeta
  • Vagabundo
  • Vi
Veja também as biografias de:

Última atualização: 31/07/2018

Por Dilva Frazão
Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.