Lucano

Poeta épico latino

Biografia de Lucano

Lucano (39-65) foi um poeta épico latino que viveu na época do imperador romano Nero, de síntese difícil, foi admirado na Idade Média e serviu de modelo aos autores do classicismo francês.

Marco Aneu Lucano nasceu em Córdoba, Espanha, no dia 3 de novembro de 39 da era cristã. Nascido em uma família aristocrática, era sobrinho e discípulo do filósofo Sêneca. Foi educado em Roma e em Atenas. Filosoficamente filiou-se ao estoicismo.

Lucano e Nero

Em Roma, Lucano atraiu a atenção do imperador Nero e tornou-se um de seus poetas preferidos. Com 20 anos, Lucano ganhou o prêmio do festival organizado por Nero, com o poema de louvor ao imperador. Fez sucesso com várias obras, hoje desaparecidas, o que causou a inveja de Nero. Foi proibido de apresentar seus recitais, pois também fazia muito sucesso. Grande inimizade formou-se entre ambos, o que levou Lucano a escrever epigramas atacando o imperador.

Lucano casa-se com Pola Argentária, jovem de família rica e passou a frequentar os círculos que repudiam o desregrado imperador Nero. Em 64, Roma sofre um incêndio e Nero é acusado, mas põe a culpa nos cristãos. No ano 65, com apenas 26 anos, movido pela oposição à tirania e por uma progressiva aproximação às ideias republicanas, Lucano toma parte nas conspirações tramadas por Caio Piso, cujo objetivo era assassinar Nero. Descoberta a conspiração, Lucano foi preso e obrigado a escolher seu próprio fim.

No dia 30 de abril do ano de 65, em Roma, Lucano suicidou-se cortando os pulsos, enquanto recitava seu poema sobre a morte de um soldado ferido..

Farsália

Lucano escreveu várias obras, entre as quais algumas lendas troianas em verso, uma tragédia intitulada Medéia e 14 fábulas, mas apenas se conhece hoje, sua obra principal: o poema épico Farsália, em dois cantos, sobre a batalha travada em 48 a. C. em que Júlio César derrotou Pompeu, acabando com a guerra civil.

No livro, Lucano afastou-se da tradição mitológica para dar prioridade aos fatos históricos. Nobre e retórico, Lucano mostrou no texto os seus ideais filosóficos e morais, quando manifestou sua aversão a César, apresentando-o como sanguinário, e sua admiração por Pompeu e seus correligionários.

No livro VII, há passagens grandiosas com a descrição da batalha, e no livro VIII com a morte de Pompeu. O autor se deteve também no caráter de Cornélia, a esposa de Pompeu. Porém, o verdadeiro herói da Farsália é Catão de Útica, personificação das virtudes republicanas que o poeta defendia.

Frases de Lucano:

  • Jamais alguém escolheu como amigos aqueles que se encontram na mais extrema pobreza.
  • A grandeza precipita-se sobre si mesma: esse limite foi imposto pelos deuses ao crescer da prosperidade.
  • A morte é a última pena, e não deve receá-la o varão forte.
  • Qualquer falta cometida por muitos fica impune
  • César, grande em tudo, não acreditava em nada efetivamente enquanto existisse algo para fazer.
Veja também as biografias de:
  • Lucrécio (94-50 a.C.) foi um poeta e filósofo latino, autor do poema didático...
  • Vinicius de Moraes Vinícius de Moraes (1913-1980) foi um poeta e compositor brasileiro. "Garota...
  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) foi um poeta brasileiro. "No meio do C...
  • Luís de Camões (1524-1580) foi poeta português. Autor do poema Os Lusíadas, u...
  • Castro Alves (1847-1871) foi um poeta brasileiro. O último grande poeta da Te...
  • Fernando Pessoa (1888-1935) foi um dos mais importantes poetas da língua port...
  • Álvares de Azevedo (1831-1852) foi um poeta, escritor e contista, da Segunda...
  • Olavo Bilac (1865-1918) foi um poeta, contista e jornalista brasileiro. Escre...
  • Manuel Bandeira (1886-1968) foi um poeta brasileiro. "Vou-me Embora pra Pasár...
  • Gregório de Matos (1636-1695) foi o maior poeta do barroco brasileiro. Desenv...

Última atualização: 26/11/2018

Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.