Cornélio Pena

Escritor brasileiro

Biografia de Cornélio Pena

Cornélio Pena (1896-1956) foi um escritor brasileiro do segundo tempo do Modernismo no Brasil. Desenvolveu também as atividades de pintor e gravador.

Cornélio Pena (1896-1956) nasceu em Petrópolis, Rio de Janeiro, no dia 20 de fevereiro de 1896. Tinha um ano quando a família transferiu-se par Itabira do Mato Dentro, Minas Gerais. No ano seguinte ficou órfão de pai e mudou-se com a família para São Paulo. Em 1900 retorna a Itabira, onde fica durante um ano.

Em 1901, segue com a família para a cidade de Campinas. Com dez anos sofre um acidente e perde a visão direita. Depois de fazer o primário, ingressa, em 1910, no Ginásio Culto à Ciência. Nessa época já mostrava seu interesse pela literária e pela pintura. Em 1910, segue para a capital paulista, matriculando-se, em 1914, na Faculdade de Direito. Nessa época escreve os seus primeiros ensaios literários publicados em O Floral.

Tendo concluído o curso em 1919, foi para o Rio de Janeiro e começou a trabalhar na imprensa. Em 1920 iniciou sua carreira de pintor, e realizando sua primeira exposição chegou a alcançar projeção. Desenvolveu atividades de gravador, ilustrados e desenhista trabalhando para diversos jornais. Em 1935 encerra a carreira, por considerar seus trabalhos apenas uma “literatura desenhada”.

A atmosfera da velha cidade de Itabira, com suas ladeiras e o casario antigo são, mais tarde, transportados para a sua literatura. Escreveu quatro romances de ficção, seguindo a linha psicológica, “Fronteira” (1935), livro profundamente introspectivo, seguido de “Dois Romances de Nico Horta” (1938), “Repouso” (1948) e finalmente sua mais importante obra “A Menina Morta” (1954), que recebeu o Prêmio Carmem Dolores Barbosa, de São Paulo.

Como os personagens de seus próprios livros, Cornélio Pena era um homem de temperamento estranho e amigo da solidão. Quase sempre viveu ao lado da mãe, casando-se no ano da morte desta, em 1943, não deixando filhos. Com o tempo afastou-se do ambiente literário, vivendo cada vez mais dentro de seu próprio mundo.

Em 1948 sua obra foi reunida em “Romances Completos de Cornélio Pena”, junto com os fragmentos de romance inacabado “Alma Branca”, e um caderno de reprodução de suas pinturas e desenhos.

Cornélio Pena faleceu em Petrópolis, Rio de Janeiro, no dia 12 de fevereiro de 1958.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 11/12/2015