Moacyr Scliar

Escritor brasileiro
Por Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora

Biografia de Moacyr Scliar

Moacyr Scliar (1937-2011) foi um escritor e médico brasileiro. Contista, cronista e romancista, o gaúcho publicou mais de setenta livros, entre eles marcos da ficção moderna como "O Centauro no Jardim".

Moacyr Jaime Scliar nasceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no dia 23 de março de 1937. Filho de judeus russos, José e Sara Scliar, que imigraram para o Brasil em 1904, passou sua infância no Bom Fim, tradicional bairro judaico de Porto Alegre.

Moacyr Scliar foi alfabetizado por sua mãe e em 1943, com seis anos, ingressou na Escola de Educação e Cultura, conhecida como Colégio Iídiche, onde sua mãe lecionava. Em 1948, foi transferido para o Colégio Marista Rosário onde concluiu o ensino médio.

Carreira de médico sanitarista

Em 1955 Scliar ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Após sua formatura, em 1962, o médico iniciou sua residência na enfermaria da Santa Casa.

Paralelamente, Scliar trabalhou no Sanatório Partenon, onde se dedicou ao estudo da tuberculose, trabalho que o levou para Unidade Sanitária São José Murialdo, hospital precursor da medicina comunitária.

Em 1970, com uma bolsa de estudos da Organização dos Estados Americanos, foi a Israel para estudar a medicina comunitária do país. Posteriormente, especializou-se na área da Saúde Pública como médico sanitarista na Escola Nacional de Saúde Pública.

Scliar integrou um grupo de sanitaristas que fizeram mudanças importantes na saúde pública do Estado. Participou de campanhas para a erradicação da varíola, para o enfrentamento do sarampo e da paralisia infantil e para a implantação do dia nacional de vacinação.

Moacyr Scliar foi professor da Faculdade Católica de Medicina do Porto Alegre, atual Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. Em 1999 recebeu o título de doutor em Saúde Pública pela Fiocruz.

Carreira literária

Em 1962, no último ano da faculdade, Moacyr Scliar publicou “Histórias de Médico em Formação, contos baseados em suas experiências como estudante, mas só em 1968 publicou “O Carnaval dos Animais”, livro que ele considerou de fato sua primeira obra.

Paralelamente à carreira de médico, Scliar escreveu também para a imprensa. Foi durante 15 anos colunista do jornal Zero Hora, onde discorria sobre medicina, literatura e fatos do cotidiano. Colaborou também com a Folha de S. Paulo onde assinava uma coluna no caderno “Cotidiano”.

Scliar foi a grande voz judaica da literatura nacional. Em seu primeiro romance (1972) “A Guerra no Bom Fim”, Scliar trata dos efeitos da Segunda Guerra Mundial sobre o bairro judaico de Porto Alegre.

Suas obras além de abordarem temas sobre a imigração judaica no Brasil, tratam também de temas como o socialismo, a vida da classe média, a medicina entre outros assuntos.

Moacyr Scliar não era religioso, mas um grande estudioso da Bíblia, como demonstrou nos livros “Os Vendilhões do Tempo” e “A Mulher que Escreveu a Bíblia”  

Moacyr Scliar foi eleito no dia 31 de julho de 2003 para a cadeira n.º 31 da Academia Brasileira de Letras.

O Centauro no Jardim

Moacyr Scliar publicou mais de setenta livros, entre eles marcos da ficção brasileira moderna como “O Centauro no Jardim”, seu livro mais conhecido.

Na obra, o autor enfoca as dificuldades de ambientação e perda gradativa das raízes e tradições do judaísmo à medida que as gerações vão se sucedendo.

Em 2002, o livro foi eleito pelo National Yiddish Book Center, nos Estados Unidos, um dos 100 melhores livros de temática judaica dos últimos 200 anos.

Casamento e filho

Moacyr Scliar foi casado com Judith, filha de imigrantes judeus, entre 1965 e 2011. Juntos tiveram um filho, Roberto, que nasceu em 1979.

Roberto, que foi grande companheiro e fotógrafo oficial de Moacyr, faleceu em fevereiro de 2020, aos 40 anos, após ter um infarto fulminante.

Morte

Moacyr Scliar faleceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no dia 27 de fevereiro de 2011, com 73 anos, de falência múltipla dos órgãos, após sofrer um AVC.

Principais prêmios

  • Prêmio da Academia Mineira de Letras, 1968
  • Prêmio Cidade de Porto Alegre, 1976
  • Prêmio Érico Veríssimo de Romance, 1976
  • Prêmio Guimarães Rosa (Governo do Estado de Minas Gerais, 1977
  • Prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, 1980
  • Prêmio Jabuti 1988, 1993, 2000 e 2009
  • Prêmio PEN Clube do Brasil, 1990
  • Prêmio José Lins do Rego, da Academia Brasileira de Letras, 1998
  • Prêmio Mário Quintana, 1999

Frases de Moacyr Scliar

  • “A medicina é um mergulho na condição humana, a literatura também”.
  • “É bom ter sonhos. É bom acreditar neles. E é melhor ainda transformá-los em realidade”.
  • “Esquecimento é quando a gente não sabe onde deixou a chave do carro. Alzheimer é quando a gente encontra a chave, mas não sabe para que serve”.
  • “O médico vê na palavra um recurso terapêutico, o escritor parte dela para a criação artística. Há momentos, porém, em que a literatura e a Medicina se sobrepõem. Escritores escrevem sobre doenças, médicos procuram dar uma forma literária a seu trabalho”.
  • “Claro que há uma química da paixão, representada pelos hormônios. Mas a verdade é que o amor continua sendo um mistério pela medicina. E é bom que seja assim. Sem o mistério do amor, a vida não teria graça”.

Adaptação para o cinema

Em 1998 foi lançado o filme “Caminhos dos Sonhos”, adaptado do romance “Um Sonho no Caroço do Abacate”. A obra narra a história do filho de um casal de imigrantes judeus que se estabeleceu no bairro de Bom Retiro, em São Paulo.

Em 2002 o romance “Sonhos Tropicais” foi adaptado para o cinema. A obra relata o combate à febre amarela no Rio de Janeiro, comandado pelo médico sanitarista Oswaldo Cruz e a resistência da população à vacinação.

Outras Obras de Moacyr Scliar

Contos

  • A Balada do Falso Messias (1976)
  • História da Terra Trêmula (1976)
  • O Olho Enigmático (1986)
  • Contos Reunidos (1986)
  • Pai e Filho, Filho e Pai (2002)
  • História Que Os Jornais Não Contam (2009)

Romances

  • O Exército de Um Homem Só (1973)
  • Os Deuses de Raquel (1975)
  • O Ciclo das Águas (1975)
  • Mês de Cães Danados (1977)
  • Os Voluntários (1979)
  • Max e os Felinos (1981)
  • Cenas da Vida Minúscula (1991)
  • A Majestade do Xingu (1997)
  • Os Leopardos de Kafka (2000)
  • Ciumento de Carteirinha (2006)

Ficção Infanto juvenil

  • Cavalos e Obeliscos (1981)
  • A Festa no Castelo (1982)
  • Para Você Eu Conto (1991)
  • A Colina dos Suspiros (1999)
  • O Mistério da Casa Verde (2000)
  • O Irmão Que Veio de Longe (2002)
  • Navio das Cores (2003)

Crônicas

  • A Massagista Japonesa (1984)
  • Dicionário de Um Viajante Insólito (1995)
  • O Imaginário Cotidiano (2001)

Ensaios

  • A Condição Judaica (1987)
  • Do Mágico ao Social: A Trajetória da Saúde Pública (1987)
  • Enigmas da Culpa (2007)
Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora
É bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e professora do ensino fundamental.
Veja também as biografias de:
  • Monteiro Lobato (1882-1948) foi escritor e editor brasileiro. "O Sítio do Pic...
  • Ariano Suassuna (1927 - 2014) foi um escritor brasileiro. O Auto da Compadeci...
  • Graciliano Ramos (1892-1953) foi um escritor brasileiro. O romance "Vidas Sec...
  • Euclides da Cunha (1866-1909) foi um escritor brasileiro, autor da obra "Os S...
  • Aluísio Azevedo (1875-1913) foi um escritor brasileiro. "O Mulato" foi o roma...
  • Jorge Amado (1912-2001) foi um escritor brasileiro. O romance "Gabriela Cravo...
  • Mário de Andrade (1893-1945) foi um escritor brasileiro. Publicou "Pauliceia...
  • Oswald de Andrade (1890-1954) foi um escritor brasileiro. Fundou junto com Ta...
  • Érico Veríssimo (1905-1975) foi um escritor brasileiro. "Olhai os Lírio do Ca...
  • Luis Fernando Verissimo Luis Fernando Veríssimo (1936) é um escritor brasileiro. Famoso por suas crôn...