Pablo Escobar

Narcotraficante colombiano
Por Dilva Frazão

Biografia de Pablo Escobar

Pablo Emilio Escobar Gabiria (1949-1993) foi um narcotraficante, chefe do Cartel de Medellín, na Colômbia, uma organização criminosa sustentada pelo dinheiro do tráfico responsável pelo fornecimento de 80% da cocaína que foi despejada em vários países entre os anos de 1980 e 1990.

Pablo Emílio Escobar Gaviria (1949-1993), conhecido como Pablo Escobar, nasceu em Rionegro, Antioquía, Colômbia, no dia 1 de dezembro de 1949.

Um dos homens mais ricos do mundo que morreu descalço

No dia 22 de julho de 1992, temendo a sua extradição, Escobar fugiu sem qualquer dificuldade e voltou para a clandestinidade.

Durante mais de um ano de perseguições e ofertas de recompensas, Pablo Escobar foi finalmente abatido por policiais, ao tentar fugir pelo telhado da sua casa, no bairro de América, em Medellín, onde estava escondido com a mulher e os filhos pequenos. A versão da polícia era de que Pablo teria sido alvejado enquanto corria, sobre um telhado, descalço, para fugir.

Segundo a sua família, porém, Pablo, na verdade, se suicidou, como sempre disse que faria caso fosse preciso. De acordo com o seu filho, o traficante teria dito:

Filho, o meu revólver tem 15 balas, 14 para os meus inimigos e uma para mim.

túmulo Pablo Escobar
O túmulo de Pablo Escobar

Quando o traficante morreu, o filho Juan Pablo tinha 16 anos e a filha, Manuela, nove. Pablo Escobar faleceu no dia 2 de dezembro de 1993. 

A viúva de Escobar fala sobre esse período da sua vida:

Fiquei viúva aos 33 anos, mas há dez que vivia sem Pablo Escobar, porque ele andava fugido à justiça. Posso dizer que desde os 23 anos que estou sozinha. 

A família de Pablo Escobar após a sua morte

Depois da sua morte, a família Escobar pediu asilo político na Argentina, onde acabou por se estabelecer. 

Para esconderem as suas identidades e levarem uma vida anônima, mudaram os nomes para: María Isabel Santos Caballero, Sebastián Marroquín Santos e Juana Marroquín. Atualmente Sebastián tem um filho, é o único neto da família.

A viúva já teve problemas com a justiça argentina em duas ocasiões tendo sido acusada de lavagem de dinheiro. Por uma das acusações ficou 18 meses presa. O filho, Juan, também foi detido na mesma ocasião e ficou um mês e meio na prisão em Buenos Aires.

A origem do traficante

Filho de um administrador de sítios e de uma professora rural, desde pequeno Pablo se envolveu com diversas atividades, como lavador de carros e ajudante em mercados, até chegar a guarda-costas. O rapaz tinha um irmão chamado Roberto.

A história de Pablo Escobar: a vida no crime

A vida de delinquente de Pablo começou com o roubo de carros e a venda de cigarros contrabandeados até se iniciar no tráfico de maconha e, finalmente, no de cocaína.

Em 1974 criou um negócio para a produção e distribuição de cocaína, que cresceu e se tornou uma violenta organização criminosa chamada o “Cartel de Medellín”.

O Cartel de Medellín

Em 1976, o chefe do Cartel, Escobar foi preso com 19 quilos de cocaína, mas mesmo assim o seu caso foi arquivado.

A organização prosperou rapidamente e na década de 80, Pablo Escobar já era o responsável pelo fornecimento de 80% da cocaína despejada em vários países. Só para os Estados Unidos ele chegou a traficar 15 toneladas da droga por dia.

Os seus métodos para manter o negócio eram particularmente violentos. O seu lema era “plata o plomo” (prata ou chumbo). Estima-se que o traficante tenha se envolvido em pelo menos seis mil assassinatos, muitos cometidos com as próprias mãos.

A fortuna do traficante

Com o dinheiro gerado pelo tráfico de drogas, Pablo Escobar tornou-se dono de uma considerável fortuna. O seu nome chegou a figurar durante sete anos na lista da Forbes - a partir de 1987 -  como um dos maiores bilionários do mundo. Em 1989 alcançou a sétima posição no ranking.

A estimativa é que a sua fortuna tenha alcançado a impressionante cifra de 30 bilhões de dólares. Para se ter uma ideia, durante os anos 80, o cartel de Medellín faturava 430 milhões de dólares por semana (ou 22 bilhões de dólares por ano). Durante o seu auge, o grupo levava todos os dias 15 toneladas de cocaína para os Estados Unidos.

A organização mantinha aviões, lanchas, carros de luxo, mansões e grandes extensões de terras em solo colombiano. O cartel, no final dos anos 80, chegou a ser responsável por comercializar 80% da cocaína consumida no mundo.

Após acordo feito com o Estado, o traficante construiu uma luxuosa prisão, na cidade de Envigado, que foi batizada de “La Catedral”.

la catedral
La Catedral, a prisão construída por Pablo Escobar

Pela comunidade, Escobar construiu 70 campos de futebol, um jardim zoológico e uma série de casas para os sem-teto.

Apesar de receber muito dinheiro, Pablo não era capaz de lavar a quantidade de notas que recebia e, por isso, as escondia nas suas fazendas na Colômbia ou na casa de amigos. Estima-se que Escobar perdia 2,1 bilhões de dólares por ano com notas que se estragavam por conta da umidade ou dos ratos.

Séries inspiradas na vida de Pablo Escobar

A vida do famoso traficante colombiano inspirou diversas produções audiovisuais. Uma das atrações mais consagradas foi a série norte-americana chamada Narcos, produzida pela Netflix com Wagner Moura no papel do traficante. 

Também na plataforma de streaming é possível encontrar a série Pablo Escobar, el patrón del mal.

Família de Pablo Escobar

Pablo tinha um único irmão chamado Roberto Escobar.

O traficante foi casado com Victoria Eugenio Henao. Na época do casamento, a jovem tinha apenas 15 anos e Escobar 26 - os dois se conheceram quando Victoria tinha apenas 12. Sobre esse período da sua história, Victoria se lembra:

A minha primeira recordação dele remonta a 1972: vejo um jovem que passeia nas ruas do novo bairro La Paz, de Envigado, numa vistosa moto italiana Vespa, branca e vermelha (...) chama-se Pablo Emilio Escobar Gaviria, tem 23 anos, está cursando a escola no Liceu da Universidade de Antioquioa e nota-se a léguas que tem um estilo de vida que contrasta com o meu, que acabei de fazer 12 anos e tenho que pedir autorização para sair de casa.

O casamento aconteceu em março de 1976, contra a vontade da família da jovem. Dois meses depois de contrair o matrimônio,  Pablo foi preso por porte de 26 quilos de pasta de coca. Cinco meses mais tarde foi libertado.

Aos 16 anos o casal teve o primeiro filho: Juan Pablo (que mais tarde mudou de nome para Sebastián Marroquín).

Pablo Escobar bebe
Pablo Escobar com o filho Sebastián ao colo

O casal teve também uma menina chamada Manuela (que mudou de nome para Juana).

Ao longo dos anos, mas ainda com Pablo vivo, a família precisou mudar diversas vezes de endereço por medo de atentados.

Em 13 de janeiro de 1988 um atentado de fato aconteceu: um carro-bomba foi colocado no Edifício Mónaco, onde vivia a esposa de Escobar com os dois filhos. Os dois não sofreram ferimentos, mas nunca mais puderam regressar à casa. O atentado foi cometido pelo cartel de Cali e tirou a vida de três pessoas. 

A viúva e os filhos moraram numa série de casas na Colômbia, mas também fora dela - na Suíça e no Panamá.

Depois da morte do traficante, Victoria, que ficou viúva aos 33 anos, emigrou para a Argentina com os filhos e mudou o nome para María Isabel Santos Caballero.

Influência política

Para adquirir mais poder e capacidade de manipulação, Pablo Escobar financiou campanhas de diversos políticos. Chegou a formar um grupo político denominado “Civismo em Marcha” e, em 1982, foi eleito deputado suplente.

Ações sociais

Apesar de estar envolvido em atividades ilícitas, Escobar não vivia no anonimato e fazia o papel de homem do povo, financiando o desenvolvimento de subúrbios de Medellín com a construção de conjuntos residenciais. 

Frequentemente também distribuía dinheiro para os pobres. A população, coagida, escondia as informações das autoridades.

A ameaça de extradição

Durante a presidência de Virgílio Barco (1986-1990), Escobar foi ameaçado de extradição para os Estados Unidos, junto com outros chefes mafiosos. A ameaça fez o cartel explodir bombas em diversas cidades para obrigar o governo a por fim à ideia.

Os seus pistoleiros protagonizaram vários atentados e assassinatos que comoveram a opinião pública mundial. Em 1989, um atentado contra a sede do Departamento Administrativo da Segurança Pública de Bogotá matou 70 pessoas.

Em 1990, três candidatos à presidência foram mortos. Isso sem contar as guerras sangrentas contra o cartel de Cali.

Finalmente, durante a presidência de Cesar Gaviria (1990-1994) se aprovou na Constituição de 1991 a proibição da extradição de cidadãos colombianos. Diante da garantia jurídica, Pablo Escobar e outros membros do cartel decidiram se entregar. Mesmo preso, no entanto, ele continuava comandando o tráfico.

Última atualização: 04/06/2020

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de: