Cassiano Ricardo

Poeta brasileiro

Biografia de Cassiano Ricardo

Cassiano Ricardo (1895-1974) foi um poeta, ensaísta, jornalista e advogado brasileiro. De poesia marcadamente nacionalista, buscou inspiração nos motivos folclóricos e históricos brasileiros.

Cassiano Ricardo Leite nasceu em São José dos Campos, São Paulo, no dia 26 de julho de 1895. Passou a infância na propriedade rural da família. Com 16 anos escreveu seus primeiros versos ainda na escola, no ginásio em Jacareí. Mudou-se para São Paulo e ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco. Publicou seu primeiro livro de poemas “Dentro da Noite” (1915). Em seguida, foi para o Rio de Janeiro onde conclui o curso de Direito.

Em 1917, ajustado ao rigor Parnasiano de Alberto de Oliveira, publica “A Flauta de Pã”. O poeta sempre soube assimilar a voga poética dominante e escreveu poemas seguindo os mais variados estilos. Entre os anos de 1920 e 1923, atuou como advogado em São Paulo e depois no Rio Grande do Sul. De volta a São Paulo, se integrou aos dissidentes do Movimento Modernista e aliou-se ao “Grupo Verde e Amarelo” quando produziu obras de entusiasmo ufanista, como “Borrões de Verde a Amarelo” (1925), “Vamos Caçar Papagaios” (1926), “Martim Cererê” (1928) e “Deixa Estar, Jacaré” (1931). Em todos esses livros o pitoresco visual de um Brasil primitivo e emblemático funciona como força-motivo sob a ótica nacionalista.

Cassiano Ricardo abandonou a advocacia e entrou para o funcionalismo público quando sucessivamente ocupou diversos cargos. Em 1932 assume o cargo de secretário do interventor de São Paulo, Pedro Toledo. Nesse mesmo ano, foi preso por apoiar a Revolução Constitucionalista, e passou dois meses na prisão.

No dia 9 de setembro de 1937 foi eleito para a cadeira nº 31 da Academia Brasileira de Letras. A partir de 1940 passou a dirigir o jornal “A Manhã”, quando criou o suplemento “Autores e Livros”. Publica o ensaio “Marcha Para o Oeste” (1940). Com ideias ultranacionalistas explora a figura do bandeirante. Em 1943, o pós-guerra passou a ser explorado e batizado pelo poeta como “um mundo de condições atômicas”, em que a máquina comanda a vida humana. Publica “O Sangue das Horas”.

Com o advento do formalismo de 45, Cassiano capricha no verso, torna-se meditativo e melancólico, conforme se pode ver no poema “A Graça Triste”: Não te dei o desgosto/De ter partido antes./ Não te gelei o lábio/com o frio do meu rosto./O destino foi sábio:/Entre a dor de quem parte/E a maior – de quem fica -/Deu-me a que, por mais longa,/Eu não quisera dar-te.

Entre 1953 e 1955, Cassiano residiu na Europa, onde trabalhou como diretor do Escritório Comercial Brasileiro em Paris. Em 1960, a poesia de Cassiano Ricardo alia-se aos mais ousados vanguardistas. É dessa época: “A Montanha Russa” (1960), “Poesia Completa” (1960), “Jeremias Sem Chorar” (1964) e “Os Sobreviventes” (1971), com franca adesão ao Concretismo e à Poesia Praxis.

Cassiano Ricardo faleceu no Rio de Janeiro, no dia 14 de janeiro de 1974.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 27/07/2017