Domingos Jorge Velho

Bandeirante brasileiro
Por Dilva Frazão

Biografia de Domingos Jorge Velho

Domingos Jorge Velho (1641-1705) foi um bandeirante brasileiro. Chefiou a tropa que destruiu o Quilombo dos Palmares. Fez parte do grupo de bandeirantes que atendiam às solicitações dos governos das capitanias que se sentiam ameaçadas por índios ou negros. Recebeu a patente de Mestre de Campo.

Domingos Jorge Velho nasceu na Vila de Parnaíba, Capitania de São Paulo, por volta de 1641. Era filho de Francisco Jorge Velho e de Francisca Gonçalves de Camargo.

Foi um dos bandeirantes mais ativos do período de caça ao índio, foi o primeiro desbravador do Piauí, onde chegou através da Bahia, procedente de Taubaté e do Rio das Velhas.

O combate ao quilombo dos Palmares

Em 1670, Palmares, o grande reduto dos escravos fugitivos, formado por várias aldeias, chegou ao apogeu, com aproximadamente 50 mil habitantes.

Em 1686, o governador de Pernambuco, João da Cunha Souto Maior, preocupado com a ineficiência dos governos anteriores e com a reduzida força que dispunha, para destruir o reduto dos escravos solicitou ajuda ao bandeirante Domingos Jorge Velho.

O quilombo já se espalhava por uma área de mais de 27.000 km, no território da Capitania de Pernambuco, estendendo-se das proximidades do litoral até a área da atual região agreste, desde o rio Serinhaém ao norte, até o rio São Francisco ao Sul.

Com o objetivo de destruir o quilombo localizado na serra da Barriga, onde hoje está a cidade de União dos Palmares em Alagoas, o bandeirante reuniu seus companheiros, entre eles vários índios, e marchou em direção ao litoral.

Por ordem do governador geral do Brasil, Antônio Luís Gonçalves da Câmara Coutinho, Jorge Velho desviou sua rota, para combater os índios janduís, no vale do Apodi, no Rio Grande do Norte.

A luta foi travada, os índios atacados em vários pontos da região, sendo derrotados definitivamente próximo a Lagoa do Apodi.

Domingos Jorge Velho, continuando sua marcha, chegou em Porto Calvo, Alagoas, em 1692, onde se estabeleceu. Com seus modos truculentos, desagradou a população da região.

Demorou algum tempo para atacar o quilombo. Em 1694, com o apoio da tropa pernambucana de Bernardo Vieira de Melo, após 22 dias de cerco, atacou o quilombo. No dia 7 de fevereiro, destruiu o Mocambo do Macaco, a aldeia principal do quilombo.

Zumbi, que resolveu abandonar sua aldeia, foi perseguido e no dia 22 de novembro foi derrotado e morto pelo capitão André Mendonça de Furtado.

Vitorioso, Jorge Velho recebeu grande quantidade de terras. Seus auxiliares foram alojados e foi intensificando o povoamento da região. Pelos serviços prestados, o bandeirante recebeu a patente de "Mestre de Campo".

Domingos Jorge Velho faleceu em Piancó, alto sertão da Capitania da Paraíba, no ano de 1705.

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Anhanguera foi um bandeirante paulista, um dos primeiros a explorar o Brasil...
  • Fernão Dias (1608-1681) foi um célebre bandeirante paulista. Ficou conhecido...
  • Borba Gato (1649-1718) foi um dos mais célebres bandeirantes, participou da i...
  • Raposo Tavares (1598-1658) foi um bandeirante paulista, pioneiro da colonizaç...
  • Monteiro Lobato (1882-1948) foi escritor e editor brasileiro. "O Sítio do Pic...
  • Romero Britto (1963) é um famoso pintor brasileiro. Radicado em Miami, nos EU...
  • Vinicius de Moraes (1913-1980) foi um poeta e compositor brasileiro. "Garota...
  • Mauricio de Sousa (1935) é um cartunista e empresário brasileiro. Criou a "Tu...
  • Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) foi um poeta brasileiro. "No meio do C...
  • Luiz Gonzaga (1912-1989) foi um músico brasileiro. Sanfoneiro, cantor e compo...