Érico Veríssimo

Escritor brasileiro

Biografia de Érico Veríssimo

Érico Veríssimo (1905-1975) foi um escritor brasileiro. "Olhai os Lírio do Campo", é sua obra-prima. Foi um dos melhores romancistas brasileiros. Fez parte do Segundo Tempo Modernista. Recebeu o "Prêmio Machado de Assis" pelo conjunto da obra e o "Prêmio Graça Aranha" com "Caminhos Cruzados".

Família e Juventude

Érico Lopes Veríssimo nasceu em Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, no dia 17 de dezembro de 1905. Filho de Sebastião Veríssimo da Fonseca e de Abegahy Lopes, uma tradicional família de proprietários de terras, que perdeu tudo no começo do século. Estudou no Colégio Venâncio Alves, em Cruz Alta. Com 13 anos já lia autores nacionais como Aluízio Azevedo, Joaquim Manuel de Macedo, Coelho Neto, e também autores estrangeiros como Dostoievski e Walter Scott.

Em 1920, Érico Veríssimo foi para Porto Alegre, e ingressou no colégio interno Cruzeiro do Sul, mas em 1922 teve que sair da escola, um ano antes de se formar. Sua mãe deixou o marido e voltou para a casa de seus pais. Érico empregou-se no Banco Nacional do Comércio. Com 20 anos começou a trabalhar na farmácia de um parente. Dava aulas de inglês e fazia suas primeiras traduções.

Em 1929, Érico começou escrevendo contos para revistas e jornais. Em 1930 muda-se para Porto Alegre. Em 1931, casa-se com Mafalda Halfem Volpe, com quem teve dois filhos (Clarissa e Luís Veríssimo). Em 1932 publica uma coletânea de contos intitulada “Fantoche”. Depois dessa publicação, os editores da Revista do Globo lhe ofereceram um emprego. Traduzia artigos de jornais e revistas estrangeiras, quando conviveu com escritores renomados.

Professor de Literatura

A partir de 1941, Érico Veríssimo realiza várias viagens aos Estados Unidos para proferir palestras sobre a literatura e a sociedade brasileira, a convite do Departamento de Estado. Em 1943, foi convidado para lecionar literatura brasileira, como professor visitante na Universidade de Berkeley, na Califórnia. Em 1945 estava de volta ao Brasil.

Érico narrou suas impressões dessa época nos livros “Gato Preto em Campo de Nee” (1941) e “A Volta do Gato Preto” (1945). Em 1953, assumiu a direção do Departamento de Intercâmbio Cultural da União Pan-Americana, em Washington, onde morou por três anos. Manteve ligações com os Estados Unidos até a sua morte.

Fases da Obra de Érico Veríssimo

Clarissa (Primeira Fase)

Em 1933, Érico Veríssimo publica “Clarissa”, o primeiro de vários romances centrados em assuntos urbanos, que versam sobre a aristocracia local em decadência e os conflitos morais que a imigração europeia traz para a região. A obra foi o marco inicial de sua popularidade. Tendo Porto Alegre como cenário, o autor traça o perfil psicológico de uma adolescente. Em 1935 publica “Música ao Longe”, quando retoma o destino de Clarissa, desta vez adulta e angustiada ante o sentido do mundo e das coisas.

Ainda em 1934, publica “Caminhos Cruzados”. Na obra, o autor faz uma análise social dos contrastantes aspectos da riqueza e pobreza. A obra lhe valeu o Prêmio Graça Aranha.

Ainda na primeira fase estão: “Olhai os Lírios do Campo” (1938) se tornou um dos livros mais populares do autor, onde conta a história da ascensão social de Eugênio, vindo da classe humilde, e “O Resto é Silêncio” (1942) quando estabelece uma análise comparativa do comportamento humano, quando um narrador analisa as reações de sete pessoas que presenciaram o suicídio de uma jovem.

O Tempo e o Vento (Segunda Fase)

Érico Veríssimo inicia a segunda fase com o romance “Saga” (1940), apresentando reflexões sobre a guerra. Posteriormente lança sua obra-prima "O Tempo e o Vento", dividida em três romances: “O Continente” (1949), “O Retrato” (1951) e “O Arquipélago” (1961), abrangendo 200 anos da história rio-grandense. Trata-se de uma epopeia do Rio Grande do Sul, de grande importância para o estudo da cultura brasileira.

A partir de 1965, com a publicação de “Senhor Embaixador”, Érico Veríssimo intensifica a características presentes nas obras anteriores, mas os textos ganham conotações políticas do país. Em seguida vem “Prisioneiro” (1967) retomando a temática da guerra e mostrando o homem como peça da engrenagem.

Érico Veríssimo e Jorge Amado

Érico Veríssimo e Jorge Amado desenvolveram suas obras no período da Segunda Fase do Modernismo, cuja ficção mantém pontos em comum, ambos fixando o cenário de seus romances em regiões brasileiras: o Rio Grande do Sul, por meio de Érico Veríssimo, que numa fase, recriou com habilidade o cotidiano da cidade grande e, em outra, reconstituiu epicamente os episódios da formação social de seu Estado, e a Bahia, por meio de Jorge Amado, que melhor soube captar as contradições, os problemas e a riqueza cultural de seu Estado natal.

Homenagens e Filho

Em 1954, Érico Veríssimo recebeu por sua obra o Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras. Em 1969, a casa onde nasceu foi transformada em Museu. Seu filho Luís Fernando Veríssimo, nascido em 1936 é autor de livros famosos como “O Analista de Bagé” e “Comédia da Vida Privada”.

Érico Lopes Veríssimo faleceu em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no dia 28 de novembro de 1975, vitimado por um infarto.

Obras de Érico Veríssimo

Fantoche, contos, 1932
Clarissa, ficção, 1933
Caminhos Cruzados, ficção, 1935
Música ao Longe, ficção, 1935
A Vida de Joana D'Arc, biografia, 1935
Um Lugar ao Sol, ficção, 1936
As Aventuras do Avião Vermelho, literatura infantil, 1936
Rosa Maria no Castelo Encantado, literatura infantil, 1936
Os Três Porquinhos, literatura infantil, 1936
Meu ABC, literatura infantil, 1936
As Aventuras de Tibicuera, romance didático, 1937
O Urso com Música na Barriga, 1938
Olhai os Lírios do Campo, ficção, 1938
A Vida do Elefante Basílio, 1939
Outra Vez os Três Porquinhos, 1939
Viagem à Aurora do Mundo, 1939
Aventuras no Mundo da Higiene, 1939
Saga, ficção, 1940
Gato Preto em Campo de Neve, impressões de viagem, 1941
As Mãos de Meu Filho, contos, 1942
O Resto é Silencio, ficção, 1942
A Volta do Gato Preto, impressões de viagem, 1946
O Tempo e o Vento I, O Continente, 1948
O Tempo e o Vento II, O Retrato, 1951
Noite, novela, 1954
Gente e Bichos, 1956
O Ataque, novela, 1959
O Tempo e o Vento III, O Arquipélago, 1961
O Senhor Embaixador, 1965
O Prisioneiro, 1967
Israel em Abril, 1969
Incidente em Antares, 1971
Solo de Clarineta, memórias, vol.I, 1973; Vol.II, 1975

Veja também as biografias de:

Última atualização: 23/11/2018

Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.