Gregório VII

Papa (1073-1085)

Biografia de Gregório VII

Gregório VII (1020-1085) foi um dos papas mais notáveis da Idade Média, reformou as instituições eclesiásticas e reforçou a autoridade da Igreja em relação ao poder temporal.

Hildebrando de Bonizio Ando-Brandeschi, futuro papa Gregório VII, nasceu em Soama, na toscana, Itália, entre 1015 e 1020. Filho do carpinteiro Bonozin, foi estudar no Mosteiro de Santa Maria, em Roma, onde seu tio era Abade.

Torna-se o aluno predileto dos monges. Revela especial gosto pelo latim o que lhe permite estudar os textos das escrituras.

Contexto histórico

Nessa época, os dois poderes, espiritual e temporal, Igreja e Estado, estavam unidos, mas o segundo dominava o primeiro.

As grandes famílias adquiriam bispados, abadias, e às vezes a própria sede apostólica, para seus filhos caçulas. Os prelados dessas igrejas e abadias privadas viviam no luxo e longe de se dedicar a Deus.

Interessavam-se mais pelas guerras do que pela salvação da alma, vão à caça, Têm mulher e muitas vezes concubinas e esbanjam os bens da Igreja em festas.

Nem todos os clérigos se conformavam com essa situação. Surgem então os reformistas. O mais importante de todos esses movimentos foi o de Cluny, na França.

Alguns biógrafos acreditam que o futuro papa Gregório VII tenha vivido de perto a efervescência das ideias de Cluny.

Em 1045, três papas coexistem: Benedito IX, Silvestre III e Gregório VI. Em 1046, no Concílio de Sutri, na Itália, o rei da Alemanha, Henrique III, depõe os três papas.

Clemente II é eleito e a partir daí, só o rei é que deve nomear o papa. Clemente é apenas o primeiro de uma série de papas escolhidos por Henrique III.

Quando Gregório VI foi deposto, Hildebrando era seu secretário, e seguiu com ele para o exílio em Colônia, na Alemanha. Foi preceptor do príncipe Henrique, filho de Henrique III.

Carreira eclesiástica

Entre 1048 e 1054, sob influência direta de Hildebrando e outros monges reformadores, o papa Leão IX desenvolve uma intensa reorganização da Igreja.

Leão IX confia-lhe o cargo de subdiácono e depois o de tesoureiro e diretor do Mosteiro de São Paulo., onde se dedica à recuperação dos fundos delapidados e à restauração da disciplina.

Em 1053, o futuro papa Gregório VII segue como embaixador do papa à França para tratar das heresias do arquidiácono Berengário, que negava a presença real de Cristo na hóstia consagrada.

Em 1056 morre Henrique III. Henrique IV, com seis anos, é o sucessor. Sua mãe, Agnes de Politiers, torna-se regente.

Hildebrando exerceu então grande influência sobre os pontífices que se sucederam até que foi nomeado arcebispo de Roma pelo papa Alexandre II.

Papa Gregório VII e as reformas

Em 1073, com a morte do papa Alexandre II, o povo aclamou Hildebrando como seu sucessor, escolha referendada pelos cardeais, com o nome de Gregório VII.

Como papa, dedicou-se inteiramente a continuar a reforma moral do clero, iniciada por seus antecessores. E o faz com extremo cuidado e flexibilidade.

Combateu os dois principais problemas que a igreja enfrentava: a "sinomia" – venda dos benefícios eclesiásticos, e o "matrimônio ou concubinato dos clérigos".

Por toda parte e particularmente na Alemanha, a divulgação das leis não dá resultados. O decreto de 1074 só serve para acirrar os descontentamentos.

Os padres alemães argumentavam que, “o papa quer obrigar pela força os homens a viver como anjos, recusando que a natureza siga seu curso ordinário, o que favorece o desregramento dos costumes”.

Em 1075, promulgou um decreto que proibia, sob a pena de excomunhão, que qualquer clérigo receba a investidura de um bispado, abadia ou igreja das mãos da realeza ou dos nobres feudais.

Gregório VII e Henrique IV

O rei Henrique IV ignorou o decreto das investiduras promulgado pelo papa, pois sua pretensão era ser coroado imperador do Sacro Império Romano-Germânico pela Igreja, para com isso aumentar seu prestígio junto à nobreza.

A relação entre o papa e rei se agravara mais ainda, quando um incêndio consumiu Milão, destruindo a catedral e várias igrejas. Os antirreformistas queriam escolher livremente um novo bispo.

Em 1076, na assembleia de Worms, Henrique IV declara desposto o papa. O papa lança a excomunhão e a deposição do imperador.

Em 1080, a assembleia de Brixen depõe Gregório VII e elege Gilberto, arcebispo de Ravena, que havia sido excomungado em 1078, e que ficará conhecido como o antipapa Clemente III.

Em 1081, Gregório VII reúne o concílio e renova o ato de excomunhão contra o rei.

Em maio de 1081, Henrique IV sitia Roma e junto aos muros é novamente coroado rei pelo papa Clemente III. Em 1083 consolida sua posição na Itália do Norte.

Em 1083 toma uma parte de Roma e a Igreja de São Pedro. No ano seguinte, toma finalmente Roma e entroniza Clemente III. Gregório VII foge para Salermo, mas não renuncia o exercício do pontificado.

Solicitado pelos que o rodeiam a designar um sucessor contra Clemente III, indica vários nomes, entre os quais o do abade de Montecassino, Desidério, que por imposição dos normandos, é feito papa em 25 de maio de 1085, após a morte de Gregório.

Gregório VII faleceu em Salermo, Itália, no dia 25 de maio de 1085. Foi canonizado por Paulo V em 1606. A festa de São Gregório é celebrada em 25 de maio.

Veja também as biografias de:
  • João Paulo II (1920-2005) foi Papa da Igreja Católica Apostólica Romana. Teve...

Última atualização: 09/08/2019