Karl Popper

Filósofo austríaco

Biografia de Karl Popper

Karl Popper (1902-1994) foi um filósofo austríaco, naturalizado britânico, que elaborou teorias que defendiam que o conhecimento científico decorre da experiência individual, e que não pode ser verificado por meio do raciocínio indutivo.

Formulou assim, o “Método Hipotético Dedutivo”, e se destacou como um dos mais importantes filósofos do Século XX.

Karl Raymund Popper nasceu em Viena, na Áustria, no dia 28 de julho de 1902. Descendente de família judaica recebeu grande incentivo para os estudos.

Ingressou na Universidade de Viena onde estudou matemática, física e psicologia. Começou a lecionar em escolas primárias e depois no ensino médio.

Em 1925, passou a trabalhar no Instituto de Pedagogia de Viena, criado com o objetivo de implantar modificações no ensino.

Em 1928 doutorou-se em Filosofia. Ao estabelecer contato com os membros do Círculo de Viena, critica alguns aspectos do positivismo lógico defendido pelo círculo.

Desde então, transforma-se em filósofo profissional, dedicando-se ao ensino e à pesquisa. Entre 1935 e 1936 permanece em Londres, proferindo numerosas conferências.

Com a ascensão do nazismo na Europa, Popper emigrou para a Nova Zelândia. Lecionou filosofia no Canterbury College, em Christchurch. Durante esse período escreveu vários artigos e livros.

Em 1949 retorna para Londres como reader da London School of Economics and Political Science. Em 1950 é promovido a professor de lógica e metodologia da ciência.

Membro ativo de diversas organizações internacionais de filosofia, ele presidiu algumas delas, participou de diversos congressos e colaborou com as revistas especializadas.

Teoria de Karl Popper

Karl Popper foi citado como um dos membros do Círculo de Viana, mas na verdade, foi um crítico severo do positivismo lógico defendido pelos reais membros do Círculo.

Segundo Popper, a ciência progride ao atravessar três etapas:

1 – a colocação de um “problema”,
2 – a apresentação de “conjecturas”, propostas como soluções (ainda que provisórias) para o problema em pauta,
3 – a tentativa honesta de contestar essas conjecturas, ou seja, provar que ela pode ser falsa.

Opõe-se dessa maneira radicalmente, ao que se poderia chamar “concepção indutiva” do progresso da ciência, que se resume em três etapas: “observar”, generalizar indutivamente, para chegar às leis e às teorias, e confirmar as generalizações.

Popper achava que as teorias científicas eram passíveis de erros e críticas, não havendo assim, uma teoria da ciência que fosse eterna e imutável.

Segundo ele o que deveria ser feito por outros estudiosos era a comprovação da “falseabilidade” das teorias científicas para elaboração de outras que poderiam resolver as questões propostas pela ciência.

Agraciado com muitos títulos honoríficos, inclusive o de Sir e de professor emérito da Universidade de Londres, Popper escreveu diversas obras, entre elas:

  • Lógica da Pesquisa (1934)
  • A Sociedade Aberta e Seus Inimigos (1945)
  • A Miséria do Historicismo (1957)
  • Conjecturas e Refutações (1963)
  • Lógica da Descoberta Científica (1972)
  • Karl Popper faleceu em Kenley, Inglaterra, no dia 17 de setembro de 1994.

Frases de Karl Popper

  • A possibilidade de lutar com palavras, em vez de lutar com armas, constitui o fundamento da nossa civilização.
  • A tentativa de trazer o céu para a Terra invariavelmente produz o inferno.
  • Não é possível discutir racionalmente com alguém que prefere matar-nos a ser convencido pelos nossos argumentos.
  • A ciência será sempre uma busca e jamais uma descoberta. É uma viagem, nunca uma chegada.
  • O conhecimento é uma aventura em aberto. O que significa que aquilo que saberemos amanhã é algo que desconhecemos hoje e, esse algo pode mudar as verdades de ontem.

Última atualização: 09/01/2020

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Ludwig Wittgenstein (1889-1951) foi um filósofo austríaco que contribuiu com...
  • Gregor Mendel (1822-1884) foi biólogo austríaco, descobridor das leis da gené...
  • Gustav Klimt (1862-1918) foi um pintor simbolista austríaco, líder do Movimen...
  • Franz Schubert (1797-1828) foi um compositor erudito austríaco, conhecido pel...
  • Wilhelm Reich (1897-1957) foi um importante psiquiatra e psicanalista austría...
  • Johann Strauss (filho) (1825-1899) foi um importante músico, compositor e reg...
  • Joseph Haydn (1732-1809) foi um compositor austríaco, o primeiro nome do clas...
  • Robert Musil (1880-1942) foi um escritor austríaco, autor da obra prima, “Um...
  • Peter Handke (1942) é um escritor austríaco que venceu o Prêmio Nobel de Lite...
  • Sigmund Freud (1856-1939) foi um médico e importante psicólogo austríaco. Foi...