Luiz Gama

Líder abolicionista

Biografia de Luiz Gama

Luiz Gama (1830-1882) foi um importante líder abolicionista, jornalista e poeta brasileiro. É o patrono da cadeira n.º 15 da Academia Paulista de Letras.

Luiz Gonzaga Pinto da Gama nasceu em Salvador, Bahia, no dia 21 de junho de 1830. Filho de um fidalgo de origem portuguesa (cujo nome jamais citou) e da escrava livre Luiza Mahin que, segundo ele, participou da revolta do Malês em 1835 e da Sabinada em 1837 e, como consequência teve que fugir para o Rio de Janeiro, deixando o filho aos cuidados do pai.

Em 1840, com 10 anos, Luiz Gama foi levado, por seu pai, para o Rio de Janeiro e vendido ao negociante e alferes Antônio Pereira Cardoso, para pagar uma dívida de jogo. O fato de ser baiano, que tinha fama de insubordinado, o comerciante não conseguiu vende-lo e o levou para sua fazenda no município de Limeira. Com 17 anos, conheceu o estudante Antônio Rodrigues do Prado, hóspede da fazenda, que lhe ensinou a ler e escrever.

Em 1848, com 18 anos, sabendo que sua situação era ilegal, uma vez que sua mãe era livre, fugiu para a cidade de São Paulo. Nesse mesmo ano, alistou-se na Força Pública da Província. Em 1850 casa-se com Claudina Gama, com quem teve um filho. Ainda nesse ano, tentou ingressar no curso de Direito do Largo de São Francisco, mas por ser negro e ser hostilizado pelos professores e alunos, frequentou as aulas como ouvinte.

Em 1854, após uma insubordinação na Força Pública, ficou 39 dias preso, sendo em seguida expulso da corporação. Mesmo sem ter se formado em Direito, adquiriu conhecimentos que lhe permitiu atuar na defesa jurídica dos escravos. Em 1856 tornou-se escriturário da Secretaria de Polícia da Província de São Paulo.

O abolicionista

Em 1864, junto com o ilustrador Ângelo Agostini, Luiz Gama inaugurou a imprensa humorística paulista ao fundar o jornal “Diabo Coxo”, que se destacou por utilizar caricaturas que ilustravam as reportagens dos fatos cotidianos da conjuntura social, política e econômica, o que permitia os iletrados compreenderem os fatos. Em 1869, junto com Rui Barbosa, fundou o “Jornal Paulistano”. Colaborou com diversos jornais progressistas, entre eles, Ipiranga e Cabrião.

Luiz Gama esteve sempre envolvido nos movimentos contra a escravidão, tornando-se um dos maiores líderes abolicionistas do Brasil. Em 1873 participou da Convenção de Itu, que criou o Partido Republicano Paulista. Ciente de que naquele espaço dominado por fazendeiros e senhores de escravos suas ideias abolicionistas não receberiam apoio, passou a denunciá-los e condená-los de todas as formas. Em 1880, foi o líder da Mocidade Abolicionista e Republicana.

Nos tribunais, Luiz Gama usava uma oratória impecável e com seus conhecimentos jurídicos defendia os escravos que podiam pagar pela carta de alforria, mas eram impedidos por seus donos. Defendia os escravos que entraram no território nacional após a proibição do tráfico negreiro de 1850. Participava de sociedades secretas, como a Maçonaria, que o ajudavam financeiramente. Conseguiu libertar mais de 500 cativos.

Livros e poemas

Luiz Gama projetou-se na literatura em função de seus poemas, nos quais satirizava a aristocracia e os poderosos de seu tempo. Muitas vezes se ocultava sob o pseudônimo de “Afro”, “Getulino” e “Barrabás”. Em 1859 publicou uma coletânea de versos satíricos, intitulado “Primeiras Trovas Burlescas de Getulino”, que fez grande sucesso, onde se encontra o poema “Quem Sou Eu?” popularmente chamada de “Bodarrada”, “bode” era uma gíria que tentava ridicularizar os negros.

Quem Sou Eu? : (...) Se negro sou, ou sou bode/Pouco importa. O que isto pode?/Bodes há de toda casta/ Pois que a espécie é muito vasta.../Há cinzentos, há rajados,/Baios, pampas e malhados,/Bodes negros, bodes brancos,/E, sejamos todos francos,/Uns plebeus e outros nobres./Bodes ricos, bodes pobres,/Bodes sábios importantes,/E também alguns tratantes...

Entre outras poesias destacam-se: “Meus Amores”, “Minha Mãe”, “O Rei Cidadão”, “Coleirinho”, “Lá Vai Verso”, “A Cativa”, “A Borboleta” e “Retrato”. Em 1861, lançou “Novas Trovas Burlescas” uma edição ampliada. Luiz Gama deixou também peças líricas de reconhecido valor.

Luiz Gama faleceu em São Paulo, no dia 24 de agosto de 1882.

Veja também as biografias de:
  • José Mariano (1850-1912) foi um político, líder abolicionista e jornalista po...
  • José do Patrocínio (1853-1905) foi um abolicionista, jornalista e escritor br...
  • André Rebouças (1838-1898) foi um engenheiro, professor, abolicionista e mona...
  • Jesus Cristo foi o grande profeta. A figura central do Cristianismo...
  • Moisés Foi um líder religioso e profeta, a quem Deus revela as leis que formariam o...
  • Yasser Arafat (1929-2004) foi o presidente da OLP-Organização para a Libertaç...
  • Edir Macedo (1945) é um líder religioso e empresário brasileiro, fundador da...
  • José de Paiva Netto (1941) é um líder religioso, escritor, jornalista e radia...
  • Mahatma Gandhi Mahatma Gandhi (1869-1948) foi um líder pacifista indiano. Principal personal...
  • Tiradentes (1746-1792) foi o líder da Inconfidência Mineira, movimento que lu...

Última atualização: 26/02/2018