Mário de Sá-Carneiro

Poeta português

Biografia de Mário de Sá-Carneiro

Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) foi um poeta português da primeira Geração Modernista, também conhecida como "Geração do Orpheu". Sua obra ocupa lugar de destaque na literatura portuguesa.

Infância e Juventude

Mário de Sá-Carneiro nasceu em Lisboa, Portugal, no dia 19 de maio de 1890. Filho de um engenheiro ficou órfão de mãe com dois anos de idade e teve ima infância difícil. Foi entregue aos cuidados dos avós sendo criado na Quinta da Vitória, na freguesia de Camarate, nos arredores de Lisboa.

Em 1900, Mário de Sá-Carneiro ingressou no Liceu de Lisboa, época em que começou a escrever suas primeiras poesias. Em 1905 redigiu e imprimiu o jornal satírico “O Chinó”. Em 1908 ele colaborou com pequenos contos, na revista Azulejos.

Em 1910, escreveu, em colaboração com Thomas Cabreira Júnior (que viria a se suicidar no ano seguinte), a peça “Amizade”. Sentido com a morte do amigo, dedicou-lhe o poema “A Um Suicida”:

Tu crias em ti mesmo e eras corajoso,
Tu tinhas ideais e tinhas confiança,
Oh! quantas vezes desesp'rançoso,
Não invejei a tua esp'rança!

Dizia para mim: — Aquele há-de vencer
Aquele há-de colar a boca sequiosa
Nuns lábios cor-de-rosa
Que eu nunca beijarei, que me farão morrer. (...)

Em 1911, Mário de Sá-Carneiro foi para Coimbra e matriculou-se na Faculdade de Direito, nas interrompeu os estudos. Em 1912 iniciou sua amizade com Fernando Pessoa. Nesse mesmo ano, com o apoio financeiro do pai, foi para Paris e matriculou-se-se na Faculdade de Direito. Nessa época, publicou um livro de contos, “Princípio”.

Carreira Literária

Em 1914, no começo da Primeira Guerra Mundial, Mário de Sá-Carneiro voltou para Lisboa e juntou-se a Fernando Pessoa para colaborar com a revista “Orpheu” que tinha o objetivo de divulgar os novos ideais estéticos, procurando acompanhar as transformações culturais, ocorridas em toda a Europa.

Ainda em 1914, Mário de Sá-Carneiro publicou duas obras: o livro de poemas, “Dispersão” e a novela “Confissões de Lúcio”. Viveu um tempo de grande euforia em torno do início do movimento modernista português.

Em abril de 2015, foi lançado o primeiro número da revista Orpheu. No final de 1915, Sá-Carneiro publicou o livro de contos, “Céu em Fogo”. Em julho, saiu o segundo número da revista.

Depois que retornou a Paris, a vida de Mário de Sá-Carneiro mudou radicalmente, após seu pai entrar em falência e cortar a mesada que o sustentava.

Além da dificuldade financeira e da crise geral que todos passavam Mário de Sá-Carneiro chegou a pensar em suicídio. Possibilidade que comentara com os amigos, inclusive com Fernando Pessoa, com quem se correspondia, sem que ninguém lhe desse muito crédito.

Mário de Sá-Carneiro suicidou-se no Hotel de Nice, em Paris, no dia 26 de abril de 1916, com apenas 26 anos.

A Poesia de Mário de Sá Carneiro

A obra de Mário de Sá-Carneiro ocupa um lugar de destaque na literatura portuguesa, sobretudo pela poesia. Foi um poeta em todos os domínios, até mesmo no teatro e na prosa.

A sensibilidade e o espírito doentio dominava-lhe a criação poética a tal ponto, que em quase todos os versos estampa-se um perene descontentamento com a vida e com o mundo, como no poema “Dispersão”:

Perdi-me dentro de mim
Porque eu era labirinto,
E Hoje, quando me sinto,
E com saudade de mim.

Passei pela minha vida
Um astro doido a sonhar.
Na ânsia de ultrapassar,
nem dei pela minha vida. (...)

Não sinto o espaço que encerro
Nem as linhas que projeto:
Se me olho a um espelho, erro -
Não me acho no que projeto. (...)

Eu tenho pena de mim,
Pobre menino ideal...
Que me faltou afinal?
Um elo? Um rastro?... Ai de mim!... (...)

No poema “Quase”, considerado uma de suas melhores produções, Mário Sá-Carneiro define bem sua crise de personalidade:

Um pouco mais de sol – eu era brasa,
Um pouco mais de azul – eu era além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído
Num baixo mar enganador de espumas;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho – ó dor! – quase vivido... (...)

De tudo houve um começo... e tudo errou...
- Ai a dor de ser-quase, dor sem fim... -
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se enlaçou, mas não voou... (...)

Obras de Mário Sá-Carneiro

Contos:

  • Princípio (1912)
  • Céu em Fogo (1915)

Novela

  • A Confissão de Lúcio (1914)

Poesia

  • Dispersão (1914)
  • Indícios de Oiro (1937)

Teatro

  • Amizade (1912)

Cartas a Fernando Pessoa (publicadas postumamente em dois volumes em 1958-1959).

Veja também as biografias de:
  • Luís de Camões (1524-1580) foi poeta português. Autor do poema Os Lusíadas, u...
  • Fernando Pessoa (1888-1935) foi um dos mais importantes poetas da língua port...
  • Bocage (1765-1805) foi poeta português. O mais importante poeta português do...
  • Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810) foi um poeta português. Seu livro "Marília...
  • Almeida Garrett (1799-1854) foi um poeta, prosador e dramaturgo português, te...
  • Camilo Pessanha (1867-1926) foi um poeta português, o melhor representante do...
  • António Nobre (1867-1900) foi um poeta português, criou uma arte singular, al...
  • Eugénio de Andrade (1923-2005) foi um dos maiores poetas portugueses contempo...
  • Guerra Junqueiro (1850-1923) foi um poeta, prosador, jornalista e político po...
  • Soares de Passos (1826-1860) foi um dos representantes da poesia ultrarromânt...

Última atualização: 20/04/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.