Tomás Antônio Gonzaga

Poeta português

Biografia de Tomás Antônio Gonzaga

Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810) foi um poeta português. Seu livro "Marília de Dirceu" é uma obra poética em que relata seu amor por Maria Doroteia. Por seu envolvimento na Inconfidência Mineira, foi preso e deportado para a África.

Infância e Formação

Tomás Antônio Gonzaga nasceu em Porto, Portugal, no dia 11 de agosto de 1744. Seu pai era um magistrado brasileiro. Quando retornou ao Brasil, como Ouvidor de Pernambuco, Tomás estava com sete anos de idade. Iniciou seus estudos com os jesuítas na Bahia, até 1761. Com 17 anos foi estudar na Universidade de Coimbra. Já formado em Direito, redigiu uma tese para habilitar-se ao cargo de professor, hoje publicada como "Tratado de Direito Natural”.

Arcadismo

Em 1782, Tomás Antônio Gonzaga retorna ao Brasil, como Ouvidor de Vila Rica, Minas Gerais, o principal centro econômico do país, no século XVIII, em razão da descoberta de ouro e diamantes. Ao chegar a Vila Rica fez amizade com um grupo de poetas do Arcadismo brasileiro – um novo estilo poético que reage contra a linguagem rebuscada e as preocupações religiosas do Barroco, propondo uma linguagem mais simples da vida do campo e os prazeres do amor. Entre esses poetas destacavam-se Cláudio Manuel da Costa e Alvarenga Peixoto.

Tomás Antônio Gonzaga e Maria Doroteia

Ao chegar a Vila Rica, Tomás Antônio Gonzaga conhece Maria Doroteia Joaquina de Seixas, a quem chamou “Marília”, jovem mineira de 17 anos, por quem se apaixonou, ficou noivo e dedicou versos com o pseudônimo árcade de Dirceu – um costume dos poetas do arcadismo de adotarem pseudônimos gregos e latinos e se referirem a personagens da mitologia clássica (ninfas, deuses etc.).

Marília de Dirceu

Com o nome poético de “Dirceu”, Tomás Antônio Gonzaga escreveu poemas para sua amada Maria Doroteia, a quem chamou de “Marília”. Na primeira parte de seus poemas, "Marília de Dirceu", publicados ainda em Vila Rica, o poeta fala do amor, canta as delícias de uma vida simples em contato com a natureza, ao lado de seus amigos pastores e de sua pastora "Marília". Esse ideal estava bem de acordo com as convenções do Arcadismo e era, na verdade, o oposto da vida levada pelo poeta, sempre envolvido com livros e processos jurídicos:

Eu tenho um coração maior que o mundo!
Tu, formosa Marília, bem o sabes:
Um coração..., e basta,
Onde tu mesma cabes.

Na segunda parte, do livro "Marília de Dirceu", são encontradas as poesias que Gonzaga escreveu na cadeia, na Ilha das Cobras, quando estava preso por seu envolvimento na Inconfidência Mineira. Nesses textos, o tom é outro, com o poeta lamentando-se do destino, afirmando sua inocência e queixando-se da saudade de Marília e da liberdade:

Que diversas que são, Marília, as horas,
Que passo na masmorra imunda, e feia,
Dessas horas felizes, já passadas
Na tua pátria aldeia!

Prisão

Em 1786, Tomás Antônio Gonzaga foi nomeado Desembargador da relação da Bahia, mas adiou o quanto pode essa transferência, pois estava apaixonado e já havia marcado o casamento com Maria Doroteia, mas Gonzaga não chegou a casar, nem a assumir o cargo de desembargador, pois foi acusado de participar da Inconfidência Mineira, uma conspiração contra a coroa portuguesa, que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. A conspiração foi realizada por pessoas da elite econômica, onde se destacava a presença de padres e letrados.

Tomás Antônio Gonzaga foi preso e, levado para a Ilha das Cobras o Rio de Janeiro, onde ficou até 1792, quando foi extraditado para Moçambique, na África, onde pode refazer sua vida. Era juiz de alfândega, casou-se com a viúva Juliana Mascarenhas, sem esquecer talvez da doce Marília, que ele eternizou em suas Liras.

Cartas Chilenas

O poeta escreveu também "Cartas Chilenas", uma sátira manuscrita, em versos, que circulou anonimamente em Vila Rica. Através de estudos, confirmou-se que era de Gonzaga. Nele a figura do governador da capitania de Minas, Luís da Cunha Meneses, é ridicularizado, por suas arbitrariedades. O nome das pessoas e dos lugares são trocados. Minas Gerais é Chile, Vila Rica é Santiago, o autor é Critilo e o destinatário das cartas é Doroteu.  A obra só foi publicada em 1845.

Tomás Antônio Gonzaga morreu em Moçambique, África, no ano de 1810.

Veja também as biografias de:
  • Luís de Camões (1524-1580) foi poeta português. Autor do poema Os Lusíadas, u...
  • Fernando Pessoa (1888-1935) foi um dos mais importantes poetas da língua port...
  • Bocage (1765-1805) foi poeta português. O mais importante poeta português do...
  • Almeida Garrett (1799-1854) foi um poeta, prosador e dramaturgo português, te...
  • Camilo Pessanha (1867-1926) foi um poeta português, o melhor representante do...
  • António Nobre (1867-1900) foi um poeta português, criou uma arte singular, al...
  • Mário de Sá-Carneiro (1890-1916) foi um poeta português, da primeira Geração...
  • Eugénio de Andrade (1923-2005) foi um dos maiores poetas portugueses contempo...
  • Guerra Junqueiro (1850-1923) foi um poeta, prosador, jornalista e político po...
  • António Botto (1897-1959) foi um poeta, contista e dramaturgo português.Fez p...

Última atualização: 26/09/2018

Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.