Henrique Dias

Combatente na expulsão dos holandeses
Por Dilva Frazão

Biografia de Henrique Dias

Henrique Dias foi um dos mais bravos combatentes pernambucanos que se destacou à frente de um regimento de escravos libertos durante a guerra de expulsão dos holandeses da costa brasileira.

Henrique Dias nasceu em Pernambuco, em local e data desconhecidos. Era filho de escravos libertos. Lutou contra os holandeses invasores de Pernambuco desde 1631 até 1654.

Invasão holandesa

Em 1630, quando Pernambuco foi tomado pelos holandeses e quando Olinda foi incendiada em 1631, Mathias de Albuquerque, o superintendente de guerra, estabeleceu-se no interior, no local denominado Arraial do Bom Jesus, onde organizou uma resistência.

Em 1631, Henrique Dias alistou-se nas tropas de Matias de Albuquerque, que recebeu auxílio de todo o Nordeste. Várias vezes os holandeses tentaram destruir o Arraial.

Henrique dias lutou com dedicação e logo no início das lutas, perdeu a mão esquerda em um combate. Conta-se que ao perder a mão ele afirmou que lhe bastava ter a mão direita para defender a sua terra e o seu rei.

Em 1632, Domingos Fernandes Calabar, perfeito conhecedor do sistema de emboscadas usadas por Matias de Albuquerque, passou para o lado holandês e conduziu uma série de vitórias dos invasores.

Aos poucos, os holandeses conquistaram Igaraçu, Rio Formoso e toda a costa nordestina do Rio Grande até Pernambuco. O Arraial já era um ponto isolado dentro dos domínios holandeses.

No dia 6 de junho de 1635, Matias de Albuquerque comanda a retirada, desta vez para Alagoas, onde estavam tropas amigas. Henrique Dias, à frente da tropa de escravos libertos, acompanhou seu general.

Quando passavam por Porto Calvo, cidade natal de Calabar, ocupada pelos holandeses, mais uma batalha foi travada e Henrique Dias saiu ferido. Apesar da bravura dos resistentes, Matias apenas comandou a retirada.

Matias de Albuquerque foi mandado preso para Portugal, responsabilizado pela perda de Pernambuco, que passou para o domínio dos holandeses.

Em seguida, assumiu o comando da resistência, o conde de Bagnuolo, napolitano a serviço da Espanha, época em que Portugal e suas colônias estavam sob o domínio espanhol.

Bagnoulo dividiu suas forças em vários grupos. Henrique Dias levou seu regimento até uma légua ao sul da cidade do Recife e estabeleceram seus planos.

Atacaram os canaviais e engenhos prejudicavam a produção de açúcar da Companhia das Índias Ocidentais, empresa holandesa responsável pelo lucrativo negócio de distribuição do açúcar na Europa.

A conquista dos holandeses foi consolidada a partir de 23 de janeiro de 1637 quando chegou ao porto do Recife, Maurício de Nassau, o governador da “Nova Holanda”.

Entre 1637 e 1644 Maurício de Nassau realizou várias obras no Recife, entre elas, pontes, canais, palácios, praças, tornando a cidade uma das mais bonitas da costa brasileira.

Batalhas que expulsaram os holandeses

A resistência contra os holandeses, mesmo reduzida, nunca cessou totalmente. Em 1642 foi retomada com mais força, no Maranhão.

Em 1644, as exigências e as restrições à liberdade religiosa, provocaram a demissão de Nassau e a retomada da luta para a expulsão do invasor. Em 1645 ganhou verdadeiro caráter revolucionário e ficou conhecida como “Insurreição Pernambucana”.

A luta foi liderada pelo paraibano André Vidal de Negreiros, pelo rico português e senhor de engenho João Fernandes Vieira, por Henrique Dias e pelo índio Poti, mais tarde batizado com o nome de Filipe Camarão.

De guerrilhas, passou a batalhas em campo aberto. Os holandeses sofreram a primeira grande derrota na Batalha do Monte das Tabocas, em agosto de 1645.

Seguiram-se novas vitórias dos pernambucanos nas "Batalhas dos Montes Guararapes", nos anos de 1648 e 1649.

Henrique Dias
Óleo de Victor-Meireles (Museu Nacional de Belas Artes - Rio de Janeiro)

Durantes as batalhas, Henrique Dias foi ferido, mas no cerco ao Recife ele estabeleceu uma estância nos arredores das Graças, na rua hoje chamada das Fronteiras, o ponto mais próximo ao reduto holandês.

Finalmente, no dia 26 de janeiro de 1654, só restou aos holandeses a rendição, assinada no “Tratado da Campina de Taborda”, pondo fim à dominação holandesa.

Condecorações

Henrique Dias foi nomeado pelo rei de Portugal D. João IV, “Cavalheiro da Ordem de Cristo” e recebeu a patente de “Mestre de Campo” com direito a um soldo.

Sem filhos do sexo masculino, Henrique Dias tentou conseguir do rei de Portugal títulos e provimentos para os três genros que o acompanharam durante o período de luta.

Os batalhões formados por desdentes de escravos, durante o período colonial, passar a ser denominados de “Henriques” em sua homenagem.

Com a primeira vitória alcançada no dia 15 de agosto de 1648, dia de Nossa Senhora da Assunção, Henrique Dias construiu uma capela dedicada à santa, no local em que se havia travado o combate, que lhe foi doado por D. João IV.

No lugar da capela está hoje a Igreja de Nossa Senhora da Assunção, ou Igreja das Fronteiras, nome como era conhecido o local naquela época.

Henrique Dias faleceu no Recife, Pernambuco, no dia 7 de junho de 1662. Foi sepultado no Convento de Santo Antônio, no Recife.

Última atualização: 01/10/2020

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • André Vidal de Negreiros (1620-1680) foi militar e líder na expulsão dos hola...
  • Joaquim Silvério dos Reis (1756-1819) foi o delator dos inconfidentes mineiro...
  • Átila (406-453) foi um dos maiores guerreiros da história, o mais perverso do...
  • Carlos Magno (742-814) foi Imperador da dinastia dos Carolíngios, um dos mais...
  • São Lucas foi um dos quatro evangelistas. É o autor do terceiro evangelho  e...
  • Dwight D. Eisenhower (1890-1969) foi presidente dos Estados Unidos entre 1953...
  • Malala Yousafzai (1997) é uma militante dos direitos das crianças, uma jovem...
  • Melania Trump (1970) é mulher de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos...