Lima Barreto

Escritor e Jornalista
Por Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora

Biografia de Lima Barreto

Lima Barreto (1881-1922)  foi um importante escritor brasileiro da fase Pré-Modernista da literatura. Sua obra está impregnada de fatos históricos e de uma perspectiva da sociedade carioca. Analisa os ambientes e os costumes do Rio de Janeiro e faz uma crítica à mentalidade burguesa da época.

Lima Barreto foi um escritor do seu tempo e de sua terra. Anotou, registrou, fixou e criticou asperamente quase todos os acontecimentos da República. Tornou-se uma espécie de “cronista” da antiga capital federal.

Infância e Adolescência

Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu em Laranjeiras, Rio de Janeiro no dia 13 de maio de 1881. Filho do tipógrafo Joaquim Henriques de Lima Barreto e da professora primária Amália Augusta, ambos mestiços e pobres, sofreu preconceito a vida toda.

Com sete anos de idade, ficou órfão de mãe. Por ser afilhado do Visconde de Ouro Preto fez o curso secundário no Colégio Pedro II. Ingressou na Escola Politécnica do Rio de Janeiro onde iniciou o curso de Engenharia.

Em 1903, quando cursava o terceiro ano de Engenharia, foi obrigado a abandonar o curso, pois seu pai havia enlouquecido e o sustento dos três irmãos agora era responsabilidade dele. Em 1904, prestou concurso para escriturário do Ministério da Guerra, foi aprovado e permaneceu na função até se aposentar.

Em 1905, ingressou no jornalismo com uma série de reportagens que escreveu para o Correio da Manhã. Em 1907 fundou a revista “Floreal”, que lança apenas quatro números.

Estreia Literária

Em 1909, Lima Barreto estreou na literatura com a publicação do romance Recordações do Escrivão Isaías Caminha. O texto acompanha a trajetória de um jovem mulato que vindo do interior sofre sérios preconceitos raciais.

A obra, em tom autobiográfico, é um brado de revolta contra o preconceito racial e uma implacável sátira ao jornalismo carioca. A crítica social paira em um plano psicológico: muitas vezes quem fala é o próprio autor e não seu personagem-narrador "Isaías Caminha".

Triste Fim de Policarpo Quaresma

Em 1915, depois de ter publicado em folhetos, Lima Barreto publica o livro Triste Fim de Policarpo Quaresma, sua obra-prima. Nesse romance, o autor descreve a vida política no Brasil após a Proclamação da República.

A obra narra os ideais e as frustrações do funcionário público, Policarpo Quaresma, homem metódico e nacionalista fanático. Sonhador e ingênuo, Policarpo dedica a vida a estudar as riquezas do país. Além da descrição política do final do século XIX, a obra traça um rico painel social e humano dos subúrbios cariocas na virada do século.

Estilo Literário e Características da Obra de Lima Barreto

A obra de Lima Barreto que foi escrita na primeira década do século XX, no período da primeira república, representou a fase de transição da literatura em que as influências europeias vão se exaurindo e surge uma verdadeira renovação da linguagem e da ideologia.

Esse período que não chegou a constituir um movimento literário foi denominado de Pré-Modernismo. Entre outros autores do Pré-Modernismo destacam-se "Euclides da Cunha" e "Monteiro Lobato".

Embora os autores do Pré-Modernismo ainda estivessem presos aos modelos do romance realista-naturalista, se observa na obra de Lima Barreto, a busca por uma linguagem mais simples e coloquial.

Lima Barreto procurou “escrever brasileiro”, com simplicidade. Para isso, teve de ignorar muitas vezes as normas gramaticais e de estilo, provocando a ira dos meios acadêmicos e conservadores.

Com uma linguagem descuidada, suas obras são impregnadas da justa preocupação com os fatos históricos e com os costumes sociais. Lima Barreto tornou-se uma espécie de cronista e um caricaturista se vingando da hostilidade dos escritores e do público burguês.

Poucos aceitaram aqueles contos e romances que revelavam a vida cotidiana das classes populares, sem qualquer idealização. Ao produzir uma literatura inteiramente desvinculada dos padrões e do gosto vigente, Lima Barreto recebeu severas críticas dos letrados tradicionais. Ele explorou em suas obras as injustiças sociais e as dificuldades das primeiras décadas da República.

Doença e morte

Lima Barreto com seu espírito inquieto e rebelde, com seu inconformismo com a mediocridade reinante e com a doença do pai, se entregou ao álcool e teve diversas crises com verdadeiras manifestações de alienação mental.

Lima Barreto foi internado duas vezes com alucinações fantásticas que o perseguiam. No momento de lucidez iniciou a redação do livro "Cemitério dos Vivos", onde ele dizia:

"O abismo abriu-se a meus pés e peço a Deus que jamais ele me trague, nem mesmo o veja diante dos meus olhos como vi por várias vezes".

Escreveu: "De mim para mim, tenho certeza que não sou louco".

Lima Barreto faleceu no Rio de Janeiro, no dia 01 de novembro de 1922. Viveu apenas 41 anos.

Curiosidades

  • No dia 13 de maio de 1888 no momento em que a Princesa Isabel ia assinar, em praça pública, a Lei Áurea, entre as pessoas que comemoravam a abolição estava o menino mulato, Lima Barreto, que aniversariava naquele dia. Guiado pela mão do pai, via uma multidão de escravos que aguardava a liberdade. Muitos anos mais tarde, essas recordações marcaram sua obra.
  • Ao se matricular na Escola Politécnica, Lima Barreto foi interpelado por um veterano que disse: “Onde já se viu um mulato com nome de rei de Portugal?
  • Por ser mulato, pobre e fazer uso de uma linguagem simples, o escritor foi alvo de muitos preconceitos.
  • Quando cursava a faculdade, Lima Barreto estudava pouco, preferia ler os filósofos e publicar artigos no jornal da faculdade, assinando com o pseudônimo de “Momento de Inércia”.

Obras de Lima Barreto

  • Recordações do Escrivão Isaías Caminha, romance, 1909
  • Aventuras do Dr. Bogoloff, humor, 1912
  • Triste Fim de Policarpo Quaresma, romance, 1915
  • Numa e Ninfa, romance, 1915
  • Vida e Morte de M. J. Gonzaga e Sá, romance, 1919
  • Os Bruzundangas, sátira política e literária, 1923
  • Clara dos Anjos, romance, 1948
  • Coisas do Reino do Jambon, sátira política e literária, 1956
  • Feiras e Mafuás, crônica, 1956
  • Bagatelas, crônica, 1956
  • Marginália, crônica sobre folclore urbano, 1956
  • Vida Urbana, crônica sobre folclore urbano, 1956
Dilva Frazão
É bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e professora do ensino fundamental.
Veja também as biografias de:
  • George Orwell (1903-1950) foi um escritor e jornalista britânico. De estilo...
  • Caio Fernando Abreu (1948-1996) foi um escritor, jornalista e dramaturgo bras...
  • João do Rio (1881-1921) foi um jornalista, escritor e dramaturgo brasileiro,...
  • Eduardo Bueno (1958) é um jornalista, escritor, tradutor e editor brasileiro...
  • Laurentino Gomes (1956) é um escritor e jornalista brasileiro. É o autor do l...
  • Otto Lara Resende (1922-1992) foi um escritor e jornalista brasileiro, foi el...
  • Paulo Francis (1930-1997) é o pseudônimo de Franz Paul Trannin da Matta Heilb...
  • João Pereira Coutinho (1976) é um jornalista, escritor, cientista político e...
  • Ian Fleming (1908-1964) foi escritor e jornalista inglês. Criou o personagem...
  • Stieg Larsson (1954-2004) foi um jornalista e escritor sueco, autor da trilog...