João do Rio

Jornalista e escritor brasileiro

Biografia de João do Rio

João do Rio (1881-1921) foi um jornalista, escritor e dramaturgo brasileiro, um dos cronistas mais sagazes da vida carioca no início do século XX.

João do Rio (1881-1921), pseudônimo de Paulo Barreto, nasceu no Rio de Janeiro, no dia 5 de agosto de 1881. Filho de um professor de matemática e de uma dona de casa estudou no colégio São Bento onde mostrou seus dons literários. Em 1896 ingressou no colégio Pedro II.

Em 1899 iniciou sua carreira de jornalista colaborando com o jornal O Tribunal. Entre 1900 e 1903 escreveu para os jornais O Paiz, O Dia, o Tagarela e o Correio Mercantil, usando diversos pseudônimos. Em 1903 ingressou na Gazeta de Notícias, e no dia 26 de novembro escreve o artigo “O Brasil Lê”, uma enquete sobre as preferências literárias do leitor carioca. Pela primeira vez assina “João do Rio”, pseudônimo com o qual entrou para a posteridade, numa época em que a cidade assumiu o título de “Cidade Maravilhosa”.

Em 1904, estreia na literatura com o livro “As Religiões do Rio”, onde reúne uma série de reportagens de cunho investigativo, que foram escritas na Gazeta de Notícias, sobre a diversidade religiosa do Rio de Janeiro. Em 1905 torna-se conferencista. Nesse mesmo ano, candidata-se para a ABL, mas perde para Heráclito Graça.

No dia 29 de dezembro de 1906 estreia sua primeira peça teatral, a revista Chic-Chic, escrita em parceria com o jornalista J. Brito. Em 1907, sua peça “Clotilde” é apresentada no teatro, Recreio Dramático. Candidata-se pela segunda vez na ABL, mas é derrotado para o Barão de Jaceguai. Em novembro desse mesmo na, profere a conferência “A Rua”.

Em 1908 publica “Momento Literário”, uma excelente fonte de informações sobre o movimento literário do final do século XIX no Brasil. Nesse mesmo ano, publica “A Alma Encantadora das Ruas”, onde reúne reportagens e crônicas publicadas entre 1904 e 1907 no jornal Gazeta de Notícias e na revista Kosmos. O autor relata fatos que marcam a desigualdade e indiferença social, misturadas em diversos tipos humanos que circulavam pelas ruas do Rio de Janeiro no início do século XX.

Em 1910, João do Rio é finalmente eleito para a Academia Brasileira de Letras. Em 1913, torna-se correspondente estrangeiro da Academia de Ciências de Lisboa. Nesse mesmo ano, sua peça “A Bela Madame Vargas” é encenada em Lisboa. Em 1917, escreve a crônica “Praia Maravilhosa”, onde exalta as maravilhas da praia de Ipanema. Nesse mesmo ano, funda e torna-se diretor da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais.

Nascido em um lar humilde, gordo e homossexual, João do Rio nunca encontrou ambiente demais sofisticado para intimidar seu traquejo social, frequentava os salões elegantes e esnobes, mas era capaz de andar pelas favelas com desenvoltura. Sua obra fala de comportamento, sociedade, política cultura, moda e futebol, e nesses temas fez um desenho da cidade que adotou no nome.

João do Rio faleceu no Rio de Janeiro, no dia 23 de junho de 1921.

Veja também as biografias de:
  • Leandro Narloch (1978) é um escritor e jornalista brasileiro, autor do livro...
  • Otto Lara Resende (1922-1992) foi um escritor e jornalista brasileiro, foi el...
  • Laurentino Gomes (1956) é um escritor e jornalista brasileiro. É o autor do l...
  • Paulo Francis (1930-1997) é o pseudônimo de Franz Paul Trannin da Matta Heilb...
  • Amauri Ribeiro Jr. Amaury Ribeiro Jr. é um jornalista brasileiro polêmico, que atua no jornalism...
  • Caio Fernando Abreu (1948-1996) foi um escritor, jornalista e dramaturgo bras...
  • Eduardo Bueno (1958) é um jornalista, escritor, tradutor e editor brasileiro...
  • Rodrigo Melo Franco (1898-1969) foi advogado, jornalista e escritor brasileir...
  • Lima Barreto (1881-1922) foi um escritor e jornalista brasileiro. Produziu um...
  • George Orwell (1903-1950) é o pseudônimo de Eric Arthur Blair, escritor e jor...

Última atualização: 05/06/2017