João do Rio

Jornalista e escritor brasileiro
Por Dilva Frazão

Biografia de João do Rio

João do Rio (1881-1921) foi um jornalista, escritor e dramaturgo brasileiro, um dos cronistas mais sagazes da vida carioca no início do século XX.

João do Rio (1881-1921), pseudônimo de Paulo Barreto, nasceu no Rio de Janeiro, no dia 5 de agosto de 1881. Filho de um professor de matemática e de uma dona de casa estudou no colégio São Bento onde mostrou seus dons literários. Em 1896 ingressou no colégio Pedro II.

Em 1899 iniciou sua carreira de jornalista colaborando com o jornal O Tribunal. Entre 1900 e 1903 escreveu para os jornais O Paiz, O Dia, o Tagarela e o Correio Mercantil, usando diversos pseudônimos. Em 1903 ingressou na Gazeta de Notícias, e no dia 26 de novembro escreve o artigo “O Brasil Lê”, uma enquete sobre as preferências literárias do leitor carioca. Pela primeira vez assina “João do Rio”, pseudônimo com o qual entrou para a posteridade, numa época em que a cidade assumiu o título de “Cidade Maravilhosa”.

Em 1904, estreia na literatura com o livro “As Religiões do Rio”, onde reúne uma série de reportagens de cunho investigativo, que foram escritas na Gazeta de Notícias, sobre a diversidade religiosa do Rio de Janeiro. Em 1905 torna-se conferencista. Nesse mesmo ano, candidata-se para a ABL, mas perde para Heráclito Graça.

No dia 29 de dezembro de 1906 estreia sua primeira peça teatral, a revista Chic-Chic, escrita em parceria com o jornalista J. Brito. Em 1907, sua peça “Clotilde” é apresentada no teatro, Recreio Dramático. Candidata-se pela segunda vez na ABL, mas é derrotado para o Barão de Jaceguai. Em novembro desse mesmo na, profere a conferência “A Rua”.

Em 1908 publica “Momento Literário”, uma excelente fonte de informações sobre o movimento literário do final do século XIX no Brasil. Nesse mesmo ano, publica “A Alma Encantadora das Ruas”, onde reúne reportagens e crônicas publicadas entre 1904 e 1907 no jornal Gazeta de Notícias e na revista Kosmos. O autor relata fatos que marcam a desigualdade e indiferença social, misturadas em diversos tipos humanos que circulavam pelas ruas do Rio de Janeiro no início do século XX.

Em 1910, João do Rio é finalmente eleito para a Academia Brasileira de Letras. Em 1913, torna-se correspondente estrangeiro da Academia de Ciências de Lisboa. Nesse mesmo ano, sua peça “A Bela Madame Vargas” é encenada em Lisboa. Em 1917, escreve a crônica “Praia Maravilhosa”, onde exalta as maravilhas da praia de Ipanema. Nesse mesmo ano, funda e torna-se diretor da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais.

Nascido em um lar humilde, gordo e homossexual, João do Rio nunca encontrou ambiente demais sofisticado para intimidar seu traquejo social, frequentava os salões elegantes e esnobes, mas era capaz de andar pelas favelas com desenvoltura. Sua obra fala de comportamento, sociedade, política cultura, moda e futebol, e nesses temas fez um desenho da cidade que adotou no nome.

João do Rio faleceu no Rio de Janeiro, no dia 23 de junho de 1921.

Última atualização: 05/06/2017

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Caio Fernando Abreu (1948-1996) foi um escritor, jornalista e dramaturgo bras...
  • Leandro Narloch (1978) é um escritor e jornalista brasileiro, autor do livro...
  • Laurentino Gomes (1956) é um escritor e jornalista brasileiro. É o autor do l...
  • Otto Lara Resende (1922-1992) foi um escritor e jornalista brasileiro, foi el...
  • Paulo Francis (1930-1997) é o pseudônimo de Franz Paul Trannin da Matta Heilb...
  • Eduardo Bueno (1958) é um jornalista, escritor, tradutor e editor brasileiro...
  • Amauri Ribeiro Jr. Amaury Ribeiro Jr. é um jornalista brasileiro polêmico, que atua no jornalism...
  • Rodrigo Melo Franco (1898-1969) foi advogado, jornalista e escritor brasileir...
  • Lima Barreto (1881-1922) foi um escritor brasileiro, o romancista da primeira...
  • George Orwell (1903-1950) é o pseudônimo de Eric Arthur Blair, escritor e jor...