Manuel Antônio de Almeida

Escritor brasileiro

Biografia de Manuel Antônio de Almeida

Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) foi um escritor brasileiro. Autor de um único romance, "Memórias de Um Sargento de Milícias". Fez parte da geração romântica. É patrono da cadeira nº.  28 da Academia Brasileira de Letras.

Manuel Antônio de Almeida nasceu no Rio de Janeiro no dia 17 de novembro de 1831. Filho dos portugueses, Antônio de Almeida e Josefina Maria de Almeida, ficou órfão de pai com 10 anos de idade. Estudou desenho na Escola de Belas Artes. Concluiu o curso de medicina em 1855, mas não exerceu a profissão, dedicou-se ao jornalismo.

Ainda estudante, Manuel Antônio de Almeida começou a colaborar com a imprensa publicando poesias e traduções. Entre 1852 e 1853, ele foi redator e revisor do Correio Mercantil, onde publicou suas “Memórias”, em forma de folhetins e assinadas sob o pseudônimo de “Um Brasileiro”.

Memórias de Um Sargento de Milícias

Entre 1854 e 1855, Manuel Antônio de Almeida reúne suas histórias e lança, em dois volumes, o romance “Memórias de um Sargento de Milícias”, sua única obra publicada. A narrativa situa-se à época de D. João VI e narra a história das aventuras de Leonardo, desde seu nascimento até o casamento com Luisinha.

Filho de Leonardo Pataca e Maria das Hortaliças, o herói vive livremente, praticando travessuras. As malandragens de Leonardo são o centro da narrativa e só tem fim quando, em virtude de sua ampla experiência no mundo da vadiagem, ele é escolhido, pelo chefe de polícia, para ocupar o cargo de sargento de milícias. Os outros personagens movimentam-se na sociedade carioca sem a fantasia romântica.

Características

Manuel Antônio de Almeida é um autor que cronologicamente se situa dentro do Romantismo Urbano, porém, a obra difere dos folhetins que faziam tanto sucesso na corte, pois se detém nas classes populares, traçando um perfil preciso e descontraído do Rio de Janeiro no tempo do rei D. João VI.

Provavelmente, o autor valeu-se de sua experiência pessoal junto às camadas mais humildes da população carioca da época. Desse descompromisso com a moda vigente, aliado ao senso de humor que lhe era próprio, permitiram-lhe criar uma das obras mais originais do romance de costumes, porém algumas das suas características, entre elas a crítica social e a objetividade da narrativa, anteciparam o Realismo.

O romance “Memórias de Um Sargento de Milícia” além de registrar os hábitos, a moda e a maneira de viver das classes populares, ironizava certos aspectos do Romantismo, mas também os românticos em geral:

“Tratava-se de uma cigana; o Leonardo a vira pouco tempo depois da fuga de Maria, e das cinzas ainda quentes de um amor mal pago, nascera outro que também não foi a esse respeito melhor aquinhoado; mas o homem era um romântico, como se diz hoje, e bobão como se dizia naquele tempo; não podia passar sem uma paixãozinha.”

Principais Românticos Brasileiros

No Brasil, a literatura romântica contou com um número considerável de escritores românticos, entre eles:

  • Bernardo Guimarães - o criador do romance sertanejo e regional, que se destacou com as obras, “O Seminarista” e “A Escrava Isaura”.
  • Franklin Távora - um dos fundadores do regionalismo brasileiro, que se destacou com as obras, “A Casa de Palha” e “O Matuto”.
  • José de Alencar - que além de ter se dedicado ao romance indianista e ao regional, foi também um dos melhores romancistas urbanos, com os romances, “Diva”, “Lucíola” e “Senhora”.
  • Manuel Antônio de Almeida - é por excelência, em nossa literatura romântica, o romancista de costumes. Seu livro “Memórias de um Sargento de Milícias” está repleto de informações seguras sobre a realidade social da época, o que o afastou dos padrões em voga, aproximando-se do Realismo.

Últimos Anos

Em 1857, Manuel Antônio de Almeida entra para o serviço público, sendo nomeado administrador da Tipografia Nacional. Tornou-se amigo e protetor do funcionário Machado de Assis, que trabalhava como aprendiz de tipógrafo. Depois, ocupou o cargo de segundo-oficial da Secretaria de Negócios da Fazenda.

Tentando ingressar na política, candidatou-se a deputado provincial pelo Rio de Janeiro. Em 1861, quando iniciava sua campanha política, em viagem à cidade de Campos, estado do Rio, morreu em virtude do naufrágio do vapor Hermes, perto de Macaé.

Manuel Antônio de Almeida faleceu, no Rio de Janeiro, vítima de naufrágio, no dia 28 de novembro de 1861.

Veja também as biografias de:
  • Monteiro Lobato (1882-1948) foi escritor e editor brasileiro. "O Sítio do Pic...
  • Ariano Suassuna (1927 - 2014) foi um escritor brasileiro. O Auto da Compadeci...
  • Graciliano Ramos (1892-1953) foi um escritor brasileiro. O romance "Vidas Sec...
  • Aluísio Azevedo (1875-1913) foi um escritor brasileiro. "O Mulato" foi o roma...
  • Euclides da Cunha (1866-1909) foi um escritor brasileiro, autor da obra "Os S...
  • Mário de Andrade (1893-1945) foi um escritor brasileiro. Publicou "Pauliceia...
  • Oswald de Andrade (1890-1954) foi escritor brasileiro. Fundou junto com Tarsi...
  • Jorge Amado (1912-2001) foi um escritor brasileiro. O romance "Gabriela Cravo...
  • Érico Veríssimo (1905-1975) foi um escritor brasileiro. "Olhai os Lírio do Ca...
  • Bernardo Guimarães (1825-1884) foi um romancista e poeta brasileiro. "A Escra...

Última atualização: 06/03/2019

Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.