Manuel Antônio de Almeida

Escritor brasileiro

Biografia e Vida

Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) foi um escritor brasileiro. Autor de um único romance, "Memórias de Um Sargento de Milícias". Fez parte de geração romântica. É patrono da cadeira nº 28 da Academia Brasileira de Letras.

Manuel Antônio de Almeida (1831-1861) nasceu no Rio de Janeiro no dia 17 de novembro de 1831. Filho dos portugueses, Antônio de Almeida e Josefina Maria de Almeida, ficou órfão de pai com 10 anos de idade. Ainda estudante, em 1851, começou a colaborar com a imprensa, publicando poesias e traduções. Estudou desenho na Escola de Belas Artes. Concluiu o curso de medicina em 1855, mas não exerceu a profissão, dedicando-se ao jornalismo.

Manuel Antônio de Almeira foi redator e revisor do jornal Correio Mercantil, onde publicou em folhetins, de junho de 1852 a julho de 1853, seu único romance “Memórias de Um Sargento de Milícia”. A obra começou a fazer sucesso entre os leitores cariocas, mas o autor se escondia atrás do pseudônimo de "Um brasileiro".

O livro "Memórias de um Sargento de Milícias" é uma narrativa de costumes e conta a vida do povo, que vivia nas casas simples do Rio de Janeiro. “Era no tempo do rei” – assim começa o livro, deflagrando um processo de realismo exato e minucioso dos usos, dos hábitos sociais e das figuras típicas do Brasil do tempo do rei D. João VI. Muitos são os costumes arrolados pelo escritor: procissões e vida religiosa, festas, danças, músicas, a organização policial e administrativa.

Ao lado disso, existe um enredo, uma sequência de situações, quase sempre cômicas, unificadas pelas peripécias de Leonardo e seu caso com Luisinha, com quem acaba se casando e se torna sargento de milícias. Publicado em 1853, em livro passou a ocupar um lugar especial na história do romantismo brasileiro. Por muitas vezes o romance se afasta dos padrões em voga, aproximando-se dos modelos realista.

Em 1857 entra para o serviço público, sendo nomeado administrador da Tipografia Nacional. Tornou-se amigo e protetor do funcionário Machado de Assis, que trabalhava como aprendiz de tipógrafo. Depois ocupou o cargo de segundo-oficial da Secretaria de Negócios da Fazenda e candidatou-se à Assembleia Provincial do Rio de Janeiro.
Em 1861, quando iniciava sua campanha política, em viagem à cidade de Campos, estado do Rio, morreu em virtude do naufrágio do vapor Hermes, perto de Macaé.

Manuel Antônio de Almeida faleceu, no Rio de Janeiro, vítima de naufrágio, no dia 28 de novembro de 1861.

Biografias Relacionadas

Última atualização: 22/01/2016