Di Cavalcanti

Pintor brasileiro

Biografia de Di Cavalcanti

Di Cavalcanti (1897-1976) foi um pintor brasileiro. Apesar da influência cubista e surrealista, foi um dos mais típicos pintores brasileiros pela representação dos temas populares, como o carnaval, as mulatas, o samba, as favelas e os operários.

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque, conhecido como Di Cavalcanti, nasceu no Rio de Janeiro, no dia 6 de setembro de 1897. Filho de Frederico Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Rosália de Sena. Em 1916, já publicava charges políticas para a revista Fon-Fon. No mesmo ano, expôs no Salão dos Humoristas uma série de ilustrações sobre a Balada do Cárcere de Reading, de Oscar Wilde. Em 1917 começou a pintar sob a influência do art nouveau. Neste mesmo ano, fez sua primeira individual para a revista "A Cigarra".

Exposição na Semana de Arte Moderna

Em 1919, Di Cavalcanti ilustrou o livro "Carnaval" de Manuel Bandeira. Em 1921, casou-se com sua prima Maria. Nesse mesmo ano, mudou-se para São Paulo, onde participou com destaque da Semana de Arte Moderna de 1922. Elaborou a capa do catálogo e expôs 11 telas no hall do Teatro Municipal de São Paulo, entre elas:

di cavalcanti
Pierret (1922)

Di Cavalcanti mudou-se para Paris, em 1923, como correspondente do jornal Correio da Manhã. Voltou ao Brasil, em 1925, com visíveis influencias cubistas de Picasso e Braque. Em 1926, ilustrou o livro Losango Cáqui, de Mário de Andrade. Nesse mesmo ano entrou para o Diário da Noite, como ilustrador e jornalista. Em 1929 executou os primeiros painéis modernos do Brasil, para o Teatro João Caetano, no Rio, onde revela as marcas do cubismo atuado por curvas barrocas e motivos populares como o carnaval e o samba.

di cavalcanti

di cavalcanti

Em 1932, Di Cavalcanti fundou o Clube dos Artistas Modernos, junto com Flávio de Carvalho, Antônio Gomide e Carlos Prado. Em 1934, filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro. Simpatizante das ideias comunistas foi perseguido pelo governo de Getúlio Vargas. Nesse mesmo ano mudou-se para a cidade do Recife.Voltou para a Europa, onde permaneceu entre 1935 e 1940. Expôs seus trabalhos em galerias de Bruxelas, Amsterdã, Paris, Londres, onde conheceu artistas como Picasso, Satie, Léger e Matisse. São dessa época:

di cavalcanti
Vênus (1938)
di cavalcanti
Ciganos (1940)

Di Cavalcanti ilustrou livros de Vinícius de Moraes e Jorge Amado. Em 1951, participou da Bienal de São Paulo e doou seus desenhos ao MAM- Museu de Arte Moderna. Em 1953, recebeu o prêmio de melhor pintor nacional, na II Bienal de São Paulo. Em 1954, O MAM do Rio de Janeiro fez uma retrospectiva de sua obra. Em 1955, publicou o livro "Memórias de Minha Vida".

Em 1956, recebeu o prêmio da mostra Internacional de Arte Sacra de Trieste, na Itália. Em 1958, elaborou a tapeçaria para o Palácio da Alvorada e pintou a Via Sacra da catedral de Brasília. Entre outras obras destacam-se:

di cavalcanti
Samba (1928)
di cavalcanti
Cinco Moças (1930) 
di cavalcanti
Duas Mulatas (1961)

Di Cavalcanti faleceu no Rio de Janeiro, no dia 26 de outubro de 1976.

Obras de Di Cavalcanti

Pierrete, 1922
Pierrot, 1924
Samba, 1925
Samba, 1928
Mangue, 1929
Cinco Moças de Guaratinguetá, 1930
Mulheres Com Frutas, 1932
Família na Praia, 1935
Mulata Sentada, 1936
Vênus, 1938
Ciganos, 1940
Mulheres Protestando, 1941
Arlequins, 1943
Gafieira, 1944
Colonos, 1945
Abigail, 1947
Aldeia de Pescadores, 1950
Nu e Figuras, 1950
Retrato de Beryl, 1955
Cenas da Bahia, 1960
Tempos Modernos, 1961
Tempestade, 1962
Duas Mulatas, 1962
Músicos, 1963
Ivete, 1963
Rio de Janeiro Noturno, 1963
Mulatas e Pombos, 1966
Baile Popular, 1972


Se você apreciou a biografia de Di Cavalcanti, explore também o artigo: Descubra as biografias dos maiores pintores brasileiros.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 11/06/2019

Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.