Eduardo Lages

Maestro e pianista brasileiro

Biografia de Eduardo Lages

Eduardo Lages (1947) é um maestro, pianista, arranjador, compositor e produtor musical brasileiro. Tornou-se conhecido como o regente da orquestra RC9 e arranjador das canções de Roberto Carlos.

Eduardo Lages (1947) nasceu em Niterói, Rio de Janeiro, no dia 11 de março de 1947. Começou a aprender piano aos 4 anos de idade e por algum tempo conciliou a música com a corrida – foi recordista brasileiro juvenil nos 100 metros. Integrou o Movimento Artístico Universitário como regente, arranjador e compositor.

Entre as décadas de 60 e 70, Eduardo Lages participou de diversos festivais de música, quando se destacou como compositor e teve diversas canções premiadas, entre elas: “Canto da Praia Grande”, em parceria com Paulinho Machado, interpretada pelo grupo Momento Quatro, classificada em 1º lugar no Festival Fluminense da Canção Popular, em 1969 e a canção “Razão de Paz para Não Cantar”, em parceria com Aluízio de Barros, interpretada por Cláudia e classificada em 4º lugar no Festival Internacional da Canção (1969) e em 1º lugar no Festival Fluminense da Canção em 1971, entre outras.

Eduardo Lages trabalhava em musicais da TV Globo, entre eles, Globo de Ouro e Fantástico, quando teve a oportunidade de fazer um teste com Roberto Carlos, em 1978, para regente de sua orquestra a menos de um mês para a estreia do show Palhaço, dirigido por Luiz Carlos Miele e Ronaldo Bôscoli. Com a aprovação, era o início de uma parceria de quatro décadas. Em cada especial de Roberto para a TV cabe a Lages preparar os convidados e escolher o repertório e só então levá-los para o ensaio com o cantor.

Eduardo Lages participou da produção e preparou arranjos para diversos artistas, entre eles: Cauby Peixoto, Ângela Maria, Milton Nascimento, Moacyr Franco, Alcione, Gilberto Gil, Marcos Valle, Zezé di Camargo e Luciano, Daniel, Rick & Renner, entre outros.

Em 2015, Eduardo Lages completou cinquenta anos de carreira e preparou o espetáculo Eduardo Lages & Orquestra – O Maestro do Rei, em que toca piano, faz piadas e se esmera nos improvisos. O musical estreou no dia 8 de março e se apresentou em diversas cidades brasileiras.

Pelo reconhecimento de seu trabalho, já recebeu diversos prêmios, entre eles: “Melhor Compositor do Ano” (1970), da Associação Fluminense de Jornalistas, “Honra ao Mérito” (1979), do Conselho Regional da Ordem dos Músicos do Brasil, “Troféu Rádio Globo” (1980) e “Honra ao Mérito” (1980), da Academia Internacional de Música.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 25/06/2016

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.