Hieronymus Bosch

Hieronymus Bosch

Biografia de Hieronymus Bosch

Hieronymus Bosch (1450-1516) foi um pintor holandês que criou um capítulo singular na história da pintura com suas figuras humanas nuas que se misturam a animais fantásticos, monstros devoradores de corpos e paisagens insólitas.

Jeroen van Aken, conhecido como Hieronymus Bosch, nasceu em Hertogenbosch, Holanda, por volta de 1450. Filho e neto de pintores, ele dividia com o pai e os irmãos um ateliê em sua cidade natal. Logo se casou com Aleid van de Meervenne uma rica jovem que lhe permitiu se dedicar à sua vocação para a pintura.

Hieronymus Bosch viveu entre o fim da Idade Média e a explosão do Renascimento, um período de efervescência cultural, artística e científica que teve início na Itália e se espalhou pela Europa. A pintura nos Países Baixos no século XV mostrou fortes influências religiosas e Bosch com sua formação profundamente religiosa foi o primeiro a mostrar as marcas da nova era.

As imagens vivas e de cunho fantástico fizeram com que o artista se destacasse dos demais. Muitos dos seus quadros tratam de temas bíblicos e estão cheios de criaturas fantásticas, isso lhe rendeu o apelido de “criador de demônios”. A cronologia de sua produção artística é desconhecida, mas acredita-se que em sua primeira fase estão as obras mais convencionais como o “Charlatão” e a “Crucificação”.

H. Bosch
Crucificação

No centro de suas criações mais famosas estão obras repletas de figuras completamente à margem da pintura da época, ambientadas em paisagens imaginárias e repletas de elementos fantásticos e monstruosos, tais como demônios ou figuras meio humanas e meio animais que aparecem em meio a paisagens delirantes. Nessa fase se situam os trípticos “A Tentação de Santo Antônio”, o “Jardim das Delícias Terrenas” e o “Carro de Feno”.

H. Bosch
Carro de Feno

A obra mais famosa de Hieronymus Bosch, o tríptico “O Jardim das Delícias Terrenas” é uma alegoria moral sobre os perigos da luxúria, mas o significado de seus muitos elementos bizarros desafiam os especialistas, como os bichos estranhos, o sexo e perdição, as aves gigantescas, o corpo em forma de ovo quebrado, sustentado por galhos, tudo em meio a paisagens delirantes.

H. Bosch
O Jardim das Delícias Terrenas

Depois de obras magistrais, em que alguns críticos veem a representação da loucura humana, Bosch pintou quadros mais tranquilos e positivos como “O Filho Pródigo” e a série de obras sobre a Paixão de Cristo em que a figura do Senhor aparece rodeada de uma multidão de seres disformes e de rostos bestiais, como na tela “Cristo Carregando a Cruz”.

H. Bosch
Cristo Carregando a Cruz

Muitos anos depois de sua morte o rei da Espanha Filipe II (1527-1598) adquiriu diversas obras do pintor, que hoje estão expostas no Museu do Prado, como “O Jardim das Delícias Terrenas”, “Tentação de Santo Antão”, “Os Sete Pecados Capitais” e a “Extração da Pedra da Loucura”.

Hieronymus Bosch faleceu em Hertogenbosch, Holanda, no dia 9 de agosto de 1516.

Última atualização: 16/03/2018