Nicolás Maduro

Político venezuelano
Por Rebeca Fuks
Doutora em Estudos da Cultura

Biografia de Nicolás Maduro

Nicolás Maduro (1962) é um político venezuelano que preside a Venezuela desde 2012, após a doença e morte do presidente Hugo Chaves. Sua gestão é marcada pelo autoritarismo, pelo declínio socioeconômico, inflação e o crescimento da pobreza.

Nicolás Maduro Moros nasceu em Caracas, Venezuela, no dia 23 de novembro de 1962. Cresceu em uma família bastante politizada, seu pai, Nicolás Maduro Garcia, estava engajado na política de esquerda e no movimento trabalhista.

Militante político

Desde criança, Maduro defendia o regime cubano e na juventude começou a participar da militância socialista. Com 12 anos, foi militante da Frente da Unidad Estudiantil del Liceo Urbaneja Achelpohl. Depois, ingressou na “Ruptura”, braço legal do clandestino Partido de la Revollución Venezolana (PRV).

Em seguida, ingressou na Liga Socialista, organização maoísta da Organización de Revolucionarios (OR). Maduro destacou-se como organizador e agitador político e foi enviado para Havana onde fez cursos de formação na escola do Partido Comunista de Cuba (PCC), entre 1986 e 1987.

Em 1990, Maduro foi aprovado em um concurso para trabalhar como motorista do Metrô de Caracas. Ao mesmo tempo, tornou-se representante de um sindicato da classe. Passou a liderar mobilizações e em 1993 fundou e tornou-se o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Metrô de Caracas;

No dia 4 de fevereiro de 1992, uma tentativa de golpe de estado liderada por Hugo Chávez contra o governo de Carlos Andrés Pérez, terminou com a prisão de Chávez.

No dia 27 de novembro de 1992, enquanto Chávez ainda estava preso, um novo golpe liderado por um pequeno grupo das Forças Armadas também fracassou.

Maduro e sua futura esposa, a advogada Cilia Flores, fizeram campanha pela libertação de Chávez. O primeiro encontro de Maduro e Chávez se deu na prisão no dia 16 de dezembro de 1993. Chávez foi solto em março de 1994.

Em dezembro de 1994, Maduro  foi convidado por Chávez para a direção nacional do reorganizado Movimento Bolivariano Revolucionário. Em 1997 participou da construção do Movimento Quinta República (MVR) em apoio à candidatura presidencial de Chávez, que venceu em 1998 com 56% dos votos.

Nicolás Maduro e Hugo Chávez.
Hugo Chávez e Nicolás Maduro.

Carreira política

Em 1999 Maduro foi eleito deputado e em seguida, foi convocado e tornou-se o líder da bancada da Assembleia Constituinte, que fez a redação de uma nova Constituição. Em 2005, foi reeleito deputado para a Assembleia Nacional, pouco depois, assumiu a presidência da Assembleia.

Em 2006, Maduro deixou o cargo, para atender o convite de Hugo Chávez para o cargo de Ministro das Relações Exteriores, função que desempenhou até janeiro de 2013. No cargo, trabalhou na resistência aos Estados Unidos e estabeleceu fortes laços com a Rússia, China, Síria e o Irã.

Aprofundou a solidariedade com a Palestina e Cuba. Foi uma das principais vozes contra os golpes em Honduras que derrubou Manuel Zelaya em 2009, e do Paraguai que derrubou Fernando Lugo, em 2013.

Em 7 de outubro de 2012, Hugo Chávez foi reeleito para o quarto mandato de presidente da Venezuela e convidou Nicolás Maduro para ocupar a vice-presidência, cargo que exerceu entre outubro de 2012 e março de 2013.

A ascensão à presidência

No dia 5 de março de 2013, o presidente da Venezuela faleceu, depois de lutar contra um câncer. Nicolás Maduro assumiu o cargo de presidente interino. Naquela ocasião o maior rival de Maduro era Diosdado Cabello, o então presidente da Assembleia Nacional, que segundo a Constituição deveria assumir a presidência do país.

Maduro assumiu o poder presidencial definitivo através de uma eleição extraordinária no dia 14 de abril de 2013, quando se elegeu pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). O resultado foi apertado: 50,61% dos votos para Maduro e 49,12% para seu opositor Henrique Capriles. Apesar da eleição ter sido questionada, Maduro tomou posse em 19 de abril.

Desde o princípio do seu mandato, o presidente encontrou um país dividido: a classe média não estava ao seu lado enquanto os militares e a polícia o apoiavam. 

Ao longo desse primeiro mandato, Nicolás Maduro mandou prender diversos opositores políticos como Leopoldo López. Conhecido pelo autoritarismo, o governo foi acusado de uma série de processos de tortura.

Crise econômica e política

Com a descida do preço do petróleo, a Venezuela entrou em uma profunda crise econômica. A crise também ficou marcada pela queda na produção industrial e nas exportações.

A inflação alcançou números estratosféricos, dos mais altos do mundo. Em 2016 a inflação subiu quase 800%, em 2017 o PIB caiu 14% e no princípio de 2018 a inflação chegou a bater 2.400% nos primeiros meses do ano.

Com a economia em recessão, os venezuelanos sofreram com uma redução da capacidade de compra, escassez de alimentos, medicamentos e produtos básicos. A população passou a sofrer com a desnutrição.

Diante desse cenário, muitos venezuelanos resolveram deixar o país e cruzaram a fronteira, especialmente rumo ao Brasil.

Depois de 16 anos no comando da Assembleia Nacional, o Partido Socialista Unido da Venezuela perdeu as eleições e a oposição tomou o poder. Com isso, as forças entraram em conflito direto com o presidente.

Segundo mandato

No dia 20 de maio de 2018, Maduro foi reeleito para o segundo mandato depois de uma eleição com baixa adesão quando apenas 46% dos eleitores compareceram às urnas. Maduro venceu com cerca de 68% dos votos (ou seja, 5,8 milhões de votos).

Grande parte da oposição boicotou o pleito, pois os principais opositores do governo haviam sido impedidos de participar e o presidente ter uma rejeição de 75% da população.

No dia 4 de agosto de 2018, drones carregados com explosivos foram enviados para estourarem junto do presidente durante um desfile comemorativo em Caracas. O plano não deu certo, os seguranças agiram rapidamente e Maduro não foi ferido

Em 10 de janeiro de 2019, o então presidente foi empossado novamente. O segundo mandato o levaria a comandar o país até 2025. A eleição foi questionada internacionalmente e muitos chefes de Estado não reconheceram o resultado das urnas.

Depois das eleições, diversos países anunciaram sanções econômicas contra a Venezuela e internamente eclodiu uma grave crise política, com a Assembleia Nacional não reconhecendo a posse do presidente. Para a oposição, Maduro estava transformando a Venezuela em uma ditadura.

O opositor Juan Guaidó

No início do ano de 2019, Juan Guaidó, um opositor do regime chavista, foi eleito para ser o chefe da Assembleia Nacional.

No dia 23 de janeiro, Guaidó deu uma declaração alegando que Maduro não havia sido democraticamente eleito e auto proclamou-se líder da Venezuela. Logo após o pronunciamento, Guidó foi apoiado por uma série de países como Estados Unidos, Brasil, Chile, Argentina, Colômbia e Equador.

Maduro, por sua vez, declarou-se como único presidente do país e recebeu o apoio de outras nações como Cuba, México, Turquia e Rússia.

Nicolás Maduro e a Guerra na Ucrânia

Em 2022, após a invasão da Ucrânia pelas tropas Russas, o mundo ficou estarrecido com a destruição de diversas cidades e a morte de um grande número de civis.

Em março de 2022, o presidente americano Joe Biden anunciou um boicote às importações de petróleo e gás da Rússia e sinalizou a disposição de estreitar as relações com a Venezuela, que haviam sido cortadas em 2019.

Uma delegação de altos representantes dos Estados Unidos se reuniu com o presidente da Venezuela para negociar a importação do petróleo Venezuelano como substituto às importações da Rússia.

Após o encontro, um executivo da Citgo, a subsidiária americana da petroleira estatal, Petróleos da Venezuela (PDVSA), que estava preso desde 2017 na Venezuela, e um jovem americano que tentou entrar no país em 2021, de posse de um drone, foram soltos pelas autoridades venezuelanas.

Vida pessoal

Nicolas Maduro casou-se com Cilia Flores no dia 19de abril de 2013, depois de 19 anos de união,

Advogada, defensora dos presos políticos chavistas, Cilia era líder política. Foi deputada, presidente da Assembleia, procuradora geral da Venezuela e secretária executiva da campanha de Maduro para a presidência.

Nicolás tem um único filho biológico - Nicolás Maduro Guerra, também conhecido como Nicolasito - fruto do primeiro casamento.

Cilia tem dois filhos de relações anteriores: Yoswal Gavidia Flores e Walter Gavidia Flores.

Rebeca Fuks
Formada em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2010), mestre em Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013) e doutora em Estudos de Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa (2018).
Veja também as biografias de:
  • Juan Guaidó (1983) é o líder da Assembleia Nacional e se autodeclarou preside...
  • Simón Bolívar (1783-1830) foi um líder político e militar venezuelano, chefe...
  • Boris Johnson (1964) é um político britânico, atual Primeiro-ministro do Rein...
  • Emmanuel Macron (1977) é o presidente da França desde 2017. Eleito com apenas...
  • Olaf Scholz Olaf Scholz é um político alemão que atualmente ocupa do cargo de Chanceler d...
  • Plínio Salgado (1895-1975) foi um político, escritor e jornalista brasileiro...
  • Adolf Hitler (1889-1945) foi um político alemão. Líder do Partido Nacional- S...
  • Jair Bolsonaro (1955) é capitão da reserva do Exército e presidente eleito do...
  • Benito Mussolini (1883-1945) foi um político italiano. Foi líder do Partido F...
  • Deodoro da Fonseca (Marechal) (1827-1892) foi um político e militar brasileir...