Barão de Lucena

Político brasileiro

Biografia de Barão de Lucena

Barão de Lucena (1835-1913) foi político, magistrado e nobre brasileiro. Presidente da Câmara, fez transitar rapidamente o projeto que decretava a Abolição da Escravatura. Recebeu da Princesa Isabel, o título de Barão de Lucena.

Barão de Lucena (1835-1913) nasceu na antiga comarca de Limoeiro, hoje Bom Jardim, Pernambuco, em 27 de maio de 1835. Estudou humanidades no Colégio Pedro II, do Rio de Janeiro. Em 1858, formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais na Faculdade de Direito do Recife.

Exerceu a magistratura em diversas comarcas do império, tendo concluído sua carreira como desembargador. Foi Presidente das províncias do Rio Grande do Norte, Pernambuco, Bahia e Rio Grande do Sul. Teve íntima ligação com o poder, foi amigo de João Alfredo e do Marechal Deodoro da Fonseca.

Entre 5 de novembro de 1872 e 10 de maio de 1875, foi presidente da província de Pernambuco, realizando várias obras. Reformou o Campo das Princesas e a Praça da República, onde se localiza o Palácio do Governo. Reformou o Farol de Olinda, construiu o Mercado de São José, com estrutura de ferro, vinda da Europa.

Para expandir a educação, criou a Escola Normal, que deu origem ao Instituto de Educação de Pernambuco. Preocupado com os problemas de comunicação implantou o sistema de telégrafos submarinos ligando o Recife a diversos pontos do país, e também à Europa. Lançou a pedra fundamental do Hospício da Tamarineira. Trabalhou na abertura e conservação de estradas no interior, e de pontes no Recife, entre elas a da Boa Vista.

Prático e autoritário, com perfil mais voltado para a administração, só em 1886 ingressou na Câmara, onde foi Deputado Geral até 1889. Presidiu a Assembleia Imperial, no momento em que foi votada a Lei Áurea, onde fez transitar com rapidez o projeto que decretava a Abolição da Escravatura. Por este serviço, recebeu da Princesa Isabel, o título de Barão de Lucena.

Em 1891, o presidente Deodoro da Fonseca, governando com minoria parlamentar, pois o legislativo era dominado pelas oligarquias, convoca o Barão de Lucena para ocupar o ministério e ordena que prepare um decreto dissolvendo o Congresso. Lucena pensava em retirar-se da vida pública e assumir o cargo no Superior Tribunal Federal, para o qual fora nomeado por Deodoro. Com a renúncia de Deodoro, assume o vice Floriano Peixoto que aposenta Lucena, terminando sua carreira.

Henrique Pereira de Lucena morre de arteriosclerose, no dia 10 de dezembro de 1913, no Rio de Janeiro.

Última atualização: 26/05/2014

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Jair Bolsonaro (1955) é capitão da reserva do Exército e presidente eleito do...
  • Deodoro da Fonseca (Marechal) (1827-1892) foi um político e militar brasileir...
  • Rui Barbosa (1849-1923) foi um político, diplomata, advogado e jurista brasil...
  • Tancredo Neves (1910-1985) foi um político brasileiro. Eleito presidente do B...
  • Joaquim Nabuco (1849-1910) foi um político, diplomata, advogado e historiador...
  • Jânio Quadros (1917-1992) foi um político brasileiro. Foi presidente do Brasi...
  • João Pessoa (1878-1930) foi um político brasileiro. Candidato à vice-presiden...
  • Eduardo Campos (1965-2014) foi um político brasileiro. Governador do Estado d...
  • Fernando Collor (1949) é um político brasileiro. Foi o primeiro presidente el...
  • Aécio Neves (1960) é político e economista brasileiro. Foi deputado federal,...