Camilo Castelo Branco

Escritor português

Biografia de Camilo Castelo Branco

Camilo Castelo Branco (1825-1890) foi um dos maiores escritores portugueses do século XIX. "Amor de Perdição" foi sua novela mais importante. Suas novelas passionais fazem do escritor o representante típico do Ultra Romantismo em Portugal. Foi um dos primeiros escritores portugueses a viver exclusivamente do que escrevia. Recebeu o título de Visconde concedido pelo rei de Portugal, D. Luís I.

Infância e Juventude

Camilo Castelo Branco nasceu na freguesia dos Mártires, em Lisboa, Portugal, no dia 16 de março de 1825. Filho de Manuel Joaquim Botelho Castelo Branco e de Jacinta Rosa do Espírito Santo Ferreira, ficou órfão de mãe com um ano e de pai com 10 anos. Foi morar com uma tia e depois com sua irmã mais velha. Em 1841, com apenas 16 anos, casou-se com uma jovem de 15 anos, Joaquina Pereira, mas logo a abandonou.

Em 1843 ingressou na Escola de Medicina no Porto, mas se entregue à boemia e não conseguiu concluir o curso. Em 1845 publicou seus primeiros trabalhos literários. Em 1846 colabora com o jornal O Povo. Nesse mesmo ano, fuge com a jovem Patrícia Emília, mas a abandona, poucos anos depois. No ano seguinte morreu sua esposa legítima e depois a filha do casal. Em 1850, passou por uma crise espiritual e ingressou no seminário do Porto, pretendendo seguir a vida religiosa.

Ainda em 1850, conheceu Ana Plácido, casada com um comerciante. Em 1859, Ana abandona o marido e vai viver com Camilo. Em 1860 é processado e preso por crime de adultério, mas é absolvido no ano seguinte, passando a viver com Ana. O casal vai morar em Lisboa e depois em São Miguel de Seide, sempre com muitos problemas financeiros.

Amor de Perdição (Novela Passional)

Em 1863, Camilo publica "Amor de Perdição", onde se encontram todos os ingredientes da novela passional, caracterizada pelo desequilíbrio sentimental de seus personagens. Vendo-se diante de um amor proibido, os personagens buscam a solução para o seu sofrimento. Em “Amor de Perdição”, o autor revela o escândalo de sua situação de adultério pelo amor de Ana Palácio.

Em Amor de Perdição, sua obra-prima, os sentimentos se submetem aos preconceitos e se põem em luta com as convenções sociais. Os heróis em conflito enfrentam a fatalidade do destino, conduzindo sua existência ao drama e à Tragédia.

Estilo Literário

As novelas passionais de Camilo Castelo Branco fizeram dele o representante típico do Ultra Romantismo em Portugal. Sua vida atribulada lhe deu inspiração para os temas de suas novelas. Sua produção literária é extensa, com mais de uma centena de obras. Produziu poesia, teatro, historiografia, contos, romances e novelas históricas, de aventuras e passionais. Com as novelas passionais tornou-se uma destacada figura literária, chegando ao auge de sua carreira de escritor.

Camilo Castelo Branco foi um dos primeiros escritores portugueses a viver exclusivamente do que escrevia. Em 1885 recebeu o título de Visconde concedido pelo rei de Portugal, D. Luís I. Em 1889, quando se tornou uma celebridade nacional como escritor, recebeu uma homenagem da Academia de Lisboa.

Doença e Morte

Camilo Castelo Branco viveu cercado de problemas e no fim da vida estava quase cego (em consequência de uma sífilis) e os dois filhos que tivera com Ana Palácios – um tinha problemas mentais e o outro era rebelde – que lhe causaram muitos sofrimentos. Não suportando todos os abatimentos, Camilo suicida-se com um tiro de pistola.

Camilo Castelo Branco morreu em São Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão, no dia 01 de junho de 1890.

Obras de Camilo Castelo Branco

Novelas Passionais

  • Onde Está a Felicidade? (1856)
  • Um Homem de Brios (1856)
  • Estrelas Funestas (1862)
  • Amor de Perdição (1862)
  • Estrelas Propícias (1863)
  • Amor de Salvação (1864)

Novelas de Aventuras

  • Os Mistérios de Lisboa (1854)
  • Livro Negro do Padre Diniz (1855)
  • O Esqueleto (1865)
  • O Demônio do Ouro (1874)

Novelas Históricas

  • O Santo da Montanha (1866)
  • O Judeu (1866)
  • O Senhor do Paço de Minães (1868)

Romances

  • Anátema (1851)
  • A Corja (1880)
  • A Brasileira de Prazins (1882)
  • Vulcões de Lama (1886)

Narrativas Satíricas

  • O Que Fazem as Mulheres (1858)
  • A Queda Dum Anjo (1866)

Poesia

  • Os Pundonores Desagravados (1845)
  • Nostalgias (1888)
  • Nas Trevas (1890)

Historiografia

  • Perfil do Marquês do Pombal (1882)

Memórias

  • Memórias do Cárcere (1862)
Veja também as biografias de:

Última atualização: 16/01/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.