Francisco Paes Barreto

Aristocrata brasileiro

Biografia de Francisco Paes Barreto

Francisco Paes Barreto (1799-1848) foi um aristocrata brasileiro. Recebeu os títulos de Visconde do Recife, com grandeza a 4 de maio de 1825, de Armeiro-Mor do Império e Marquês do Recife. Recebeu as honras imperiais, sendo-lhe conferida a Grã Cruz da Ordem Imperial do Cruzeiro.

Francisco Paes Barreto (1799-1848) nasceu no Engenho Velho, na comarca do Cabo, Pernambuco, no dia 26 de maio de 1799. Filho do mestre de campo Estevão José Paes Barreto e de Maria Izabel Paes Barreto, família que se destacou na vida política e social de Pernambuco, desde a conquista da terra, no século XVI, quando João Paes Barreto participou da luta travada por Duarte Coelho de Albuquerque, contra os índios, ao sul de Pernambuco.

Francisco Paes Barreto estabeleceu-se como senhor de engenho na freguesia do Cabo de Santo Agostinho. Entre seus antepassados havia sangue de cristão-novo, que passou disfarçado durante longos anos, sem que a inquisição o incomodasse. Francisco foi herdeiro do título e dos direitos do "Morgadio do Cabo", recebendo por herança uma grande quantidade de terras, formada pelo Engenho Velho, Santo Estevão, Ilha e Guerra. Dedicou-se à agricultura e dispondo de grande quantidade de terras, fundou os Engenhos de Campo Alegre, São José, Caramuru, Junqueira e Camaçari, totalizando nove engenhos de açúcar.

Rico e com grandes poderes, exerceu diversos cargos públicos. Era proprietário e diretor do hospital do Paraíso, onde uma sala era reservada para as reuniões maçônicas da Academia do Paraíso. Tinha à sua volta vários amigos, parentes, agregados e grande número de escravos.

Exerceu grande influência na conspiração em favor da independência. Ao se iniciar a Revolução de 1817, ficou à frente de um grupo revolucionário, como capitão-mor comandante da Companhia de Ordenanças do Cabo. Reunindo suas tropas, se dirigiu ao Recife, participando do cerco ao Forte do Brum, contribuindo para a prisão do governador Caetano Pinto de Miranda Montenegro.

Reunidos no largo do Erário, preparavam a Constituição do Governo Provisório da República. Com prestígio e fortuna, esperou ser eleito membro do Governo Republicano, mas seu nome não estava na lista. Decepcionado retirou-se para o Cabo, acompanhando os acontecimentos, sem negar apoio à República.

Diante da vitória das tropas reais, Francisco Paes Barreto propôs uma rendição honrosa dos revolucionários, que não aceitaram e deixaram a cidade. Paes Barreto foi preso e remetido para Bahia, nos porões do navio Carrasco, e colocado na cadeia da Relação, onde permaneceu durante quatro anos.

Com a anistia geral, em 1821, de volta ao Recife, foi novamente preso, acusado pelo Governador Luís do Rego, de envolvimento com o atentado contra sua vida. Junto com vários pernambucanos, foi remetido para Lisboa. Após a vitória da Revolução Constitucionalista do Porto, foi libertado e autorizado a voltar para sua terra. De volta às atividades políticas, presidiu a Junta de Governo, mas ameaçado por grupos populares, retirou-se para o Cabo.

Com a promulgação de uma Constituição pelo imperador D. Pedro I, cabia ao mesmo nomear os presidentes das Províncias e Paes Barreto foi nomeado para Pernambuco, no dia 23 de fevereiro de 1824. A junta, presidida por Manuel de Carvalho Paes de Andrade recusou-se a entregar-lhe o poder. Os desentendimentos entre a junta e o imperador se aprofundaram e Manuel de Carvalho proclamou a Confederação do Equador, separando Pernambuco do império, em 2 de julho de 1824.

A revolução teve curta duração, por terra, as tropas comandadas por Francisco de Lima e Silva, cercaram e venceram os rebeldes. Paes Barreto não foi mais indicado para a presidência da Província, mas recebeu a honra de Grã Cruz da Ordem Imperial e o título de Visconde do Recife, com grandeza, em 4 de maio de 1825. Viajou para o Rio de Janeiro onde recebeu o título de Armeiro-Mor do Império e foi elevado a Marquês do Recife, por carta imperial, em 12 de outubro de 1825

Francisco Paes Barreto faleceu no Cabo, Pernambuco, no dia 26 de setembro de 1848.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 26/05/2017

Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.