Mary Wollstonecraft

Feminista britânica
Por Laura Aidar
Formada em Comunicação

Biografia de Mary Wollstonecraft

Mary Wollstonecraft (1759-1797) foi uma importante escritora e ativista dos direitos humanos, sobretudo, das mulheres. Vale ressaltar também suas ideias abolicionistas.

Considerada a “pioneira do feminismo”, Mary empenhou-se na luta por uma educação igualitária entre meninos e meninas e defendeu maior autonomia das mulheres no casamento e sociedade, sendo uma influência e inspiração para os movimentos feministas que surgiram no século XIX.

Nascida em Londres, na Inglaterra, em 17 de abril de 1759, Mary veio de uma família de classe média e traçou uma trajetória pouco convencional para uma mulher de seu tempo.

Escreveu livros, artigos e traduziu obras, sendo sua obra mais importante Uma reivindicação pelos direitos da mulher (1792).

A ativista é também lembrada por ser a mãe de Mary Shelley, que viria a se tornar a autora da importante obra de ficção científica Frankenstein.

Vida familiar e juventude

Filha de Edward John Wollstonecraft e Elizabeth Dixon, Mary veio de uma família com algumas posses, mas que, devido aos excessos do pai, perdeu grande parte da estabilidade financeira.

Sendo a segunda de sete filhos do casal, viveu em um ambiente familiar hostil, onde testemunhou episódios de alcoolismo e violência doméstica por parte de seu pai. Consta que ela, adolescente, algumas vezes tentou evitar agressões ao se posicionar em frente à porta do quarto da mãe. 

Mary se colocou também como responsável por suas irmãs. Em dada ocasião, ajudou uma delas, Eliza, a deixar um casamento infeliz.

Desenvolveu ainda amizades importantes na juventude, que contribuíram para sua formação e ampliação na visão de mundo. Jane Arden foi uma grande companheira, com quem compartilhava leituras e podia frequentar a casa e ouvir os ensinamentos de seu pai, um entusiasta da ciência e filosofia.

Outra mulher ainda mais relevante em sua vida foi Fanny Blood. Mary e suas irmãs, Eliza e Everina, fundaram uma escola com Blood em um distrito de Londres que também funcionava como uma pensão para mulheres. As duas tinham uma relação muito profunda, de intensa admiração e companheirismo.

Em 1785, após um parto complicado, Fanny faleceu, o que deixou Mary desolada. 

Início da carreira intelectual

Mary chegou a trabalhar como dama de companhia e governanta de uma viúva na Irlanda, mas a convivência com a senhora não era das melhores. Assim, retornou à Inglaterra e decidiu se dedicar à carreira de escritora.

Apoiada por Joseph Johnson, um influente editor literário, pode seguir na atividade intelectual, escrevendo, revisando e traduzindo artigos. Com ele também desenvolveu grande amizade.

Em 1788 escreve seu primeiro romance, intitulado Mary: A Fiction, com uma protagonista forte, que tece críticas contundentes ao casamento e aos comportamentos esperados das mulheres.

Foi mais ou menos nesse período que conheceu e se relacionou com o pintor suíço Henry Fuseli, que era casado. Chegou a sugerir que Henry e sua esposa tivessem uma relação a três, mas foi rejeitada por ele.

A viagem para a França e o nascimento de Fanny

Após escrever sua obra-prima, Uma reivindicação pelos direitos da mulher, em 1792, Mary Wollstonecraft vai para a França, determinada a ver de perto os acontecimentos da Revolução Francesa.

Lá conhece o norte-americano Gilbert Imlay, por quem se apaixona intensamente. O relacionamento entre eles era conturbado e Gilbert não parecia demonstrar tanto interesse em um compromisso quanto Mary.

Em 1794 a escritora dá a luz a uma filha dele, que recebe o nome de sua melhor amiga Fanny, falecida de parto anos antes.

Algum tempo depois, Gilbert decide se separar, o que afetou fortemente a saúde psicológica e emocional de Mary.

O retorno à Inglaterra e o casamento com William Godwin

Mãe-solo em um país estrangeiro, ela volta para Inglaterra, onde tenta suicídio se jogando no rio Tâmisa, mas felizmente é salva por um desconhecido.

Com o tempo, volta a frequentar as rodas de intelectuais britânicos, onde reencontra William Godwin, um dos precursores do pensamento anarquista.

Os dois se envolvem amorosamente e ela engravida, o que faz com que decidam se casar em março de 1797 para que a criança seja legítima, contrariando as ideias críticas de Godwin ao matrimônio.

A relação entre eles foi bastante respeitosa e feliz. Morando em casas separadas, os dois mantiveram autonomia e liberdade.

O nascimento da segunda filha e morte

A segunda filha de Mary Wollstonecraft vem ao mundo em 30 de agosto de 1797. A garota recebe o mesmo nome da mãe: Mary.

Depois de um parto complicado, a escritora desenvolveu uma grave infecção uterina, que causou o seu falecimento em 10 de setembro de 1797, em Londres.

Morta de um problema comum às mulheres do século XVIII, Mary foi privada da convivência com a filha, que veio a se tornar Mary Shelley, uma importante escritora, autora de Frankenstein, livro precursor das ficções científicas.

William não se conformou com a morte da esposa, declarando em carta: "Acredito que não existe nenhuma outra igual a ela em todo o mundo. Sei, pela nossa experiência, que fomos criados para fazer o outro feliz. Acho que nunca mais vou conhecer a felicidade outra vez".

No ano seguinte à sua morte, Godwin publicou um livro de memórias em que relatava a vida de Mary e sua visão de mundo, o que acabou manchando de vez a reputação da ativista e trouxe um apagamento de sua figura.

Uma reivindicação pelos direitos da mulher (1792)

Como citado, a obra literária de maior importância dessa intelectual foi Uma reivindicação pelos direitos da mulher, lançada em 1792 e vista como uma das bases do feminismo.

O livro constitui um documento essencial sobre o pensamento vigente no final do século XVIII e os argumentos contundentes de Mary a favor de um tratamento e educação igualitária entre os gêneros.

A obra foi uma resposta à constituição francesa de 1789 e se dirige diretamente a intelectuais do iluminismo como John Gregory, James Fordyce e Jean-Jacques Rousseau.

Nesse livro é possível entender as principais ideias feministas da autora, que acreditava na racionalidade e acesso ao conhecimento como forma de emancipação e liberdade.

Mary ainda criticava o excesso de sentimentalismo e superficialidade a que as mulheres (burguesas) estavam sujeitas e defendia que elas deviam ter condições de se desenvolverem intelectualmente tanto quanto os homens e gerenciar seus próprios bens.

O livro foi lançado em 2016 no Brasil pela editora Boitempo e traz a socióloga Maria Lygia Quartim de Moraes como autora do prefácio. Sobre a obra, Maria Lygia afirma: 

'Reivindicação dos direitos da mulher' resulta tanto de uma trajetória de lutas militantes de Mary como de seus enfrentamentos contra a moral sexista e conservadora da época.

Para saber mais sobre Mary e esse livro veja as considerações da estudiosa no vídeo:

Outros livros importantes de Mary Wollstonecraft

  • Pensamentos sobre a educação das filhas, com reflexões sobre a conduta feminina, nos mais importantes deveres da vida (1787)
  • Mary: a fiction (1788)
  • Uma reivindicação dos direitos dos homens (1790)
  • Maria: ou, os erros da Mulher (livro inacabado e publicado postumamente em 1798 por William Godwin)

Frases de Mary Wollstonecraft

O direito divino dos maridos, tal como o direito divino dos reis, pode, espera-se, nesta era esclarecida, ser contestado sem perigo.

Eu não desejo que as mulheres tenham poder sobre os homens; mas sobre si mesmas.

O começo é sempre hoje.

Para se ser uma boa mãe – uma mulher deve ter o bom senso e aquela independência de espírito que poucas mulheres possuem quando são ensinadas a depender inteiramente dos seus maridos.

Laura Aidar
Formada em Comunicação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e em Fotografia pela Escola Panamericana de Arte e Design.
Veja também as biografias de:
  • Bertha Lutz (1894-1976) foi uma cientista brasileira pioneira na luta pelos d...
  • Roland Barthes (1915-1980) foi um importante ensaísta e crítico literário fra...
  • bell hooks (1952-2021) foi uma pensadora, professora, escritora e ativista ne...
  • Caio Prado Júnior foi um relevante intelectual brasileiro, especialmente ativ...
  • J. K. Rowling (1965) é uma escritora britânica, autora da série Harry Potter,...
  • The Beatles foi uma banda britânica, de rock, formada em Liverpool, cidade do...
  • Margaret Thatcher (1925-2013) foi uma política britânica, a primeira mulher a...
  • Harriet Martineau (1802-1876) foi uma jornalista, novelista, ensaísta e econo...
  • Theresa May (1956) é uma política britânica conservadora que atuou como prime...
  • Amy Winehouse (1983-2011) foi uma cantora e compositora expoente da música br...