Adriano (Imperador romano)

Imperador romano

Biografia de Adriano (Imperador romano)

Adriano (Imperador romano) (76-138) foi o terceiro imperador romano, da Dinastia dos Antoninos, que governou entre os anos de 117 e 138 e marcou o apogeu do Império Romano.

Adriano (Publios Aelius Hadrianus) (76-138) nasceu em Itálica (Bética), hoje na Espanha, no dia 24 de janeiro do ano 76. Pertencente à dinastia dos Antoninos, era sobrinho do imperador Trajano. Era um homem letrado, amante das artes e do direito. Ocupou cargos de responsabilidade e prestígio. Como Tribuno da II Legião, distinguiu-se em sucessivas campanhas militares empreendidas pelo imperador. Foi nomeado chefe do exército e governador da Síria durante a guerra contra os povos partas.

Império de Adriano 

Adriano foi adotado por seu tio e imperador Trajano e indicado como seu sucessor. Com a morte de Trajano em 117, Adriano foi nomeado Imperador Romano. Logo que assumiu, abandonou a política de conquistas do seu antecessor e optou pelas alianças o que contribuiu para amenizar os riscos de revoltas.

O fim da política expansionista estabelecida por Adriano provocou o descontentamento de alguns generais que chegaram a organizar uma conspiração logo reprimida com a morte de seus principais líderes. As execuções sem julgamento logo despertaram a reação do Senado, já indisposto pela aproximação do imperador com as camadas populares, nas quais buscava apoio através de medidas como a proteção dos pequenos proprietários e arrendatários, o cancelamento de dívidas fiscais e a concessão de generosos donativos para as massas.

Adriano causou indignação quando tirou do Senado o poder de decidir sobre os negócios internos que passaram a ser administrados, como nas províncias, por quatro cônsules. As relações entre o Imperador e o Senado tornaram-se mais tensas com a nomeação de numerosos senadores de origem provincial e, a transferência para o Estado, do “Consilium Principis”, órgão consultivo composto por políticos e juristas, e também com a entrega dos altos comandos do exército a membros da classe dos cavaleiros, antes reservados a homens do Senado.

Viagens

Dotado de espírito aventureiro e cosmopolita, decidido a garantir a presença romana em todo o império, Adriano passou grande parte de seu governo viajando pelas províncias romanas, cuidando da reorganização administrativa e da defesa das fronteiras do império. Adotou como princípio fundamental de ação o lema “a vontade do soberano é a suprema lei”. Controlava pessoalmente todos os setores da política e da administração.

Adriano esteve na Bretanha, onde mandou construir uma muralha. Viajou três vezes à Grécia, onde concluiu a construção do templo de Zeus Olímpico, iniciado pelos Psistratas cinco séculos antes. Em suas viagens, reuniu grande número de obras de arte, que colecionou no palácio que mandou construir em Tivoli, perto de Roma.

Muralha de Adriano

Para enfrentar a ameaça dos povos bárbaros, o imperador Adriano ordenou a construção de muralhas e fortalezas nos limites da Mauritânia, Germânia, Dácia e da Bretanha, no norte da atual Inglaterra, na fronteira com a Escócia. Construída entre 122 e 128, a “Muralha de Adriano”, com mais de 100 quilômetros, além de proteger as terras conquistadas, assinalava o limite ocidental dos domínios do Império.

Edito Perpétuo

Adriano abrandou as leis que regiam a escravidão e contribuiu para a consolidação do direito romano encarregando o jurisconsulto Salvius Julianus de reunir e revisar toda a legislação romana que foi unificada no “Edito Perpétuo”, em 131, que passou a ser a lei fundamental do Império Romano.

Últimos Anos

Nos últimos anos de seu reinado, já doente e pressionado por intrigas relativas à sucessão, Adriano permaneceu a maior parte do tempo em Roma e adotou políticas mais severas. No ano 138, adotou Antonino, que lhe sucedeu o trono com o nome de Antonino Pio.

Adriano (Imperador romano) faleceu em Baias, Itália, no dia 10 de julho de 138. Foi sepultado no “Mausoléu de Adriano”, que mandou construir em Roma, no ano 135, hoje conhecido como “Castelo de Sant’ Angelo”.

A Dinastia dos Antoninos (96-192)

O século dos Antoninos marcou o apogeu do Império Romano, nesse período, atingiu sua maior extensão territorial, teve grande prosperidade econômica e conheceu sua paz interna. Os antoninos eram originários das províncias da Gália e da península Ibérica. O senador Nerva que deu início à dinastia, governou entre 96 e 98. Seus sucessores foram: Trajano (98-117), Adriano (117-138), Antonino Pio (138-161), Marco Aurélio (161-180) e Cômodo (180-192).

Veja também as biografias de:
  • Nero (37 – 68) foi imperador romano entre os anos de 54 a 68 da era cristã. F...
  • Constantino (272-337) foi o primeiro imperador cristão de Roma. Iniciou a con...
  • Calígula (12-41) foi um imperador romano que governou entre os anos 37 e 41 d...
  • Tibério (42 a. C. – 37) foi o segundo imperador romano, governou entre 14 e 3...
  • Diocleciano (244-311) foi um imperador romano, governou entre 284 e 305. Real...
  • Augusto (63 a. C-14) foi o primeiro imperador romano, governou entre 27 a. C...
  • Cláudio (10 a. C.-54) foi imperador romano entre os anos de 41 a 54 da era cr...
  • Carlos V (1500-1558) foi Imperador do Sacro Império Romano Germânico. No sécu...
  • Cláudio Galeno (129-199) foi um médico grego, um dos mais importantes da Anti...
  • Pôncio Pilatos foi um governador romano, da província da Judeia, que condenou...

Última atualização: 21/02/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.