Arnaldo Baptista

Cantor e compositor brasileiro

Biografia de Arnaldo Baptista

Arnaldo Baptista (1968) é um cantor e compositor brasileiro. Tornou-se conhecido por sua participação no grupo musical “Os Mutantes”.

Antônio Dias Baptista (1948) nasceu em São Paulo, no dia 6 de julho de 1948. Filho de Cesar Dias Baptista, poeta e jornalista, e de Clarisse Leite Dias Baptista, compositora e pianista, iniciou sua carreira musical em 1962 quando formou com seu irmão Claudio Cesar, o grupo The Thunders.

Em 1966, junto com seu outro irmão Sergio Dias e com Rita Lee, formou os Mutantes, uma banda de rock psicodélico, que se tornou uma das bandas mais prestigiadas da época. Nesse mesmo ano, Cláudio deixou o grupo que virou um trio com Arnaldo, Rita e Sérgio. Em 1973, depois de brigas internas, Arnaldo deixou a banda, e tentou seguir a carreira de produtor, mas sem sucesso. Tentou então seguir a carreira solo. Em seguida, lançou os discos Loki? (1974).

Em 1977, ele recusa o convite do seu irmão Sérgio para voltar para o grupo Mutante. Formou então o Grupo Patrulha do Espaço, mas apesar da gravação de um disco de estúdio, que só foi lançado parcialmente dez anos depois com o nome de Elo Perdido, como também uma gravação ao vivo de um show chamado de “Faremos Uma Noitada Excelente”, Arnaldo deixa a banda no ano seguinte.

Em 1982, Arnaldo Baptista lançou o disco “Singin’ Alone”, gravado em 1981, com as músicas: “I Feel in Love One Day”, “O Sol”, “Hoje de Manhã eu Acordei”, “Sitting on The Road Side”, “Ciborg”, “Toung Blood”, entre outras. No mesmo ano, ele é internado na ala psiquiátrica do Hospital do Servidor Público de São Paulo. Sofrendo de depressão, como explica sua mulher Martha Mellinger, Arnaldo tenta o suicídio e sofre um traumatismo craniano. Nesse mesmo ano, passou a se dedicar às artes plásticas.

Em 1987 lançou o álbum “Disco Voador”, pelo selo independente intitulado Baratos Afins. Em 1989, os produtores Alex Antunes e Carlos Eduardo Miranda produziram o álbum tributo “Sanguinho Novo – Arnaldo Baptista Revisitado”, com a participação das bandas Sepultura, Ratos de Porão, Paulo Miklos, entre outros. Em 2001 lançou a compilação “Give Peace a Chance”, um tributo a John Lennon. Em 2004 lançou “Let It Bed”, que recebeu o prêmio Claro de Música Independente (2005).

Entre 2006 e 2007, Os Mutantes retornaram aos palcos, com Arnaldo, Sérgio, Dinho Leme e Zélia Duncan, a voz feminina que ficou no lugar de Rita Lee, que foi casada com Arnaldo, mas não retornou à banda. Em 2008, a vida e a obra de Arnaldo Baptista foi relatada no documentário “Loki! – Arnaldo Baptista”, produzido pelo Canal Brasil, que recebeu 14 prêmios no Brasil e no exterior. Nesse mesmo ano, a editora Rocco lançou o romance “Rebelde entre os Rebeldes”, escrito por ele nos anos 80.

Em 2010, Arnaldo Baptista é lançado como artista plástico no circuito oficial das artes, pela Galeria Emma Thomas. Em 2012, fez sua primeira grande exposição individual na Galeria, em São Paulo, denominada “Lentes Magnéticas”, que ganhou grande cobertura da mídia.

Biografias Relacionadas

Última atualização: 09/02/2017