Arquimedes

Físico grego

Biografia de Arquimedes

Arquimedes (287–212 a.C.) foi um físico, matemático e inventor grego. A "Espiral de Arquimedes" e a "Alavanca" são algumas de suas invenções. Desenvolveu a ideia de "gravidade específica", denominada de "Princípio de Arquimedes".

Arquimedes nasceu na colônia grega de Siracusa, na Sicília, por volta de 287 a. C., Filho de Fídias, um astrônomo grego, que costumava reunir em sua casa a elite de filósofos e homens da ciência, para trocarem ideias sobre seus trabalhos. Nessa época, reinava Híeron II, que tinha certo grau de parentesco com a família de Arquimedes.

Formação

Arquimedes estudou na escola de Matemática de Alexandria, que na época era o centro intelectual do mundo grego. Teve contato com o que havia de mais avançado na ciência do seu tempo, convivendo com grandes matemáticos e astrônomos, entre os quais Eratóstenes de Cirene, o matemático que fez o primeiro cálculo da circunferência da terra.

Descobertas e Invenções

Ao voltar para sua cidade, Arquimedes resolveu colocar em prática uma série de projetos. Chegou à ideia da “gravidade específica”, denominada de "Princípio de Arquimedes", no qual afirmou "Qualquer corpo mais denso que um fluido, ao ser mergulhado neste, perderá peso correspondente ao volume de fluido deslocado". Após a descoberta, saiu correndo pela rua gritando: Eureka! Eureka! 

Seu enunciado, que a partir de então se tornou conhecido com o nome de “Princípio de Arquimedes”, veio permitir um entendimento bem melhor do comportamento dos líquidos e constitui um dos principais fundamentos da hidrostática.

Arquimedes inventou um dispositivo em espiral para elevar água, "Parafuso de Arquimedes", que consiste numa espécie de mola espiral, ajustada dentro de um cilindro, que ao girar, a água vai subindo no cilindro.

Arquimedes tinha especial orgulho de seu trabalho relativo à esfera e o cilindro. Desenvolveu as fórmulas da área da superfície e do volume da esfera, assim como as fórmulas para os cilindros nos quais a esfera pudesse se ajustar. Arquimedes mostrou que a esfera é a mais eficiente das figuras sólidas.

Geometria parece ter sido o assunto que mais o atraía, tanto que, quando perguntado o que deveriam mandar gravar em seu túmulo, o sábio determinou que fosse uma esfera e um cilindro.

Voltou suas criações para os engenhos de guerra, desenvolveu a “alavanca”, que permitia mover pesadas cargas. Seu conhecimento de alavancas foi usado em "catapultas". Declarou Arquimedes: "Deem-me um ponto de apoio e uma alavanca e eu moverei a terra".

Criou enormes espelhos destinados a dirigir os raios solares sobre as velas dos navios inimigos, ateando-lhes fogo e enormes gruas para agarrar e virar as embarcações inimigas.

Morte

Depois da morte do rei Híeron, em 216 a.C., Siracusa foi sitiada pelas tropas romanas, mas resistiu durante três anos, graças aos engenhos bélicos de Arquimedes, entre eles as poderosas catapultas.

Em 212 a.C., após sangrentas lutas, Siracusa rendeu-se às tropas romanas comandadas pelo general romano Marcellus Claudius. Durante o massacre, contrariando as ordens de Marcellus que pediu que poupassem Arquimedes e não destruíssem sua casa, um soldado romano aproximou-se de Arquimedes e o matou.

Os romanos o enterram com honras e marcaram seu túmulo com suas figuras favoritas, a esfera e o cilindro.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 23/04/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.