Umberto Eco

Escritor italiano
Por Dilva Frazão

Biografia de Umberto Eco

Umberto Eco (1932-2016) foi um escritor, professor, filósofo e crítico literário italiano. Autor do best-seller “O Nome da Rosa”, exerceu grande influencia nos círculos intelectuais de todo o mundo, nas décadas de 60 e 70, por sua teoria da “obra aberta” e outras pesquisas na área da estética e da semiótica.

Umberto Eco nasceu em Alexandria, no noroeste da Itália, no dia 5 de janeiro de 1932. Era filho de Giulio Eco e Giovanna Eco. Viveu a primeira infância sobre a sombra do fascismo.

Com 10 anos de idade, Eco foi vencedor de um concurso de redação, com o tema proposto: “Devemos morrer pela glória de Mussolini e pelo destino imortal da Itália?”.

Ainda estudante, deixou de acreditar em Deus - um dos pilares de sua educação - e abandonou a religião.

Formação

Umberto Eco estudou Filosofia na Universidade de Turim. Dedicou-se à filosofia com a ajuda de Luigi Pareyson.

Doutorou-se em estética em 1961 após escrever alguns estudos sobre estética medieval. Seus primeiros trabalhos foram dedicados ao estudo da estética medieval, especialmente sobre os textos de São Tomás de Aquino. Escreveu "Il Problema Estetico de San Tommaso" (1956).

Tornou-se professor em diversas cidades italianas. Além de conciliar suas pesquisas, ministrou cursos em outros países europeus e nos Estados Unidos.

Lecionou na Universidade de Turim de 1956 a 1964. Em 1971 tornou-se professor da Universidade da Bolonha.

Carreira literária

Umberto Eco impõe-se como teórico com a publicação de “Obra Aberta” (1962), na qual sugere não somente uma teoria estética, mas uma história da cultura, vista através da história das poéticas.

Concebe a obra aberta como um modelo teórico, hipotético, de mensagens indeterminada, ambígua e incitam os receptores a uma participação mais ativa no processo de criação e interpretação.

Em 1964, Eco publicou a obra “Apocalípticos e Integrados” onde analisa as duas posições possíveis ante o fenômeno da cultura de massa no mundo contemporâneo.

Na obra, elaborou a tese de que os “apocalípticos" seriam aqueles que defendiam uma arte erudita contra a influência da cultura de massas, ao passo que os “integrados” defendiam a massificação de produtos culturais como consequência positiva da democratização.

Umberto Eco foi considerado um dos expoentes da nova narrativa italiana, iniciada por Ítalo Calvino. Exerceu grande influência sobre os meios intelectuais ao estudar os fenômenos de comunicação ligados à cultura de massas, como histórias em quadrinhos, telenovelas e cartazes publicitários.

Nos anos 70, passou a se dedicar ao estudo da semiótica, estabelecendo novas perspectivas sobre o assunto sob a influência de filósofos como John Locke, Kant e Peirce, abandonando as teorias semiológicas do linguista Ferdinand Saussure.

Obras importantes desse período: “As Formas do Conteúdo” (1971) e o livro “Tratado Geral de Semiótica” (1975).

Na obra "O Super-Homem de Massa" (1978), o autor volta-se para a literatura popular que desde o início do século XIX produziu heróis como o Conde de Monte Cristo, Rocambole, Tarzan ou James Bond.

O Nome da Rosa

Em 1980, Umberto Eco publicou "O Nome da Rosa", seu primeiro romance, que o consagrou.

Ambientado em um mosteiro da Itália medieval, entre mortes obscuras e uma biblioteca que encerra segredos inomináveis – uma alusão aos muitos atentados políticos da Itália, notadamente a morte do ex-primeiro ministro Aldo Moro, em 1978.

A morte de dois assistentes de Umberto Eco em condições misteriosas atiçou ainda mais a imaginação dos leitores. A obra tornou-se um best-seller mundial e gerou uma versão cinematográfica, lançada em 1986.

O Pêndulo de Foucault

Em 1989, Eco lançou "O Pêndulo de Foucault", que ele classifica como "um romance das ideias, sobre a relação entre razão e irracionalismo".

A trama é um plano conspiratório feito um pouco por diversão que sai do controle quando os personagens passam a ser perseguidos por uma sociedade secreta que os toma por detentores de um segredo dos Cavaleiros Templários.

O Cemitério de Praga

Em 2010, Umberto Eco lançou “O Cemitério de Praga”, na obra, o avô do protagonista é um antissemita que acredita que os maçons, os templários e a seita secreta dos Iluministas estiveram por trás da Revolução Francesa.

História das Terras e Lugares Lendários

Autor de romances eruditos que se tornaram best-sellers, Umberto Eco se dedicou também ao que em inglês se chama coffee table books – aqueles livros vistosos próprios para enfeitar a mesa de centro da sala.

Nesse mesmo gênero, já havia publicou “História da Beleza”, “História da Feiura” e a “Vertígem das Listas” Ee Histórias das Terras e Lugares Lendários, ele segue a mesma linha: não tem a profundidade teórica de outros ensaios.

Contudo, é um compêndio rico em informações, complementado por uma iconografia de textos literários que vão de Plínio o Velho, ao próprio Eco.

O tema são as terras lendárias que já foram tidas por reis e inflamaram a ambição de viajantes e aventureiros, como o Eldorado.

Número Zero

Em seu último trabalho, “Número Zero” (2015), o autor critica o mau jornalismo e a manipulação dos fatos. Leva seu interesse pelas teorias conspiratórias para o ambiente da redação de um jornal de Milão, em 1992.

Umberto Eco faleceu em Milão, Itália, no dia 19 de fevereiro de 2016.

Frases de Umberto Eco

"Nem todas as verdades são para todos os ouvidos".

"Quando os verdadeiros inimigos são muito fortes, é preciso escolher inimigos mais fracos".

"Se a rendição à ignorância e chamá-la de Deus sempre foi prematuro, continua prematuro até hoje".

"As pessoas nascem sempre sob o signo errado, e estar no mundo de forma digna significa corrigir dia a dia o próprio horóscopo".

Outras Obras de Umberto Eco

  • Tratado Geral de Semiótica (1975)
  • Pós-escrito a O Nome da Rosa (1983)
  • Arte e Beleza Na Estética Medieval (1986)
  • O Segundo Diário Mínimo (1992)
  • A Ilha do Dia Anterior (1994)
  • Em Que Creem os que Não Creem (1996)
  • Sobre a Literatura (2002)
  • Da Árvore ao Labirinto (2007)
  • A Misteriosa Chama da Rainha Loana (2009)
  • O Cemitério de Praga (2010)
  • Construir o Inimigo (2011)
  • Confissões de um Jovem Romancista (2011)

Última atualização: 09/10/2020

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.
Veja também as biografias de:
  • Italo Calvino (1923-1985) foi um escritor italiano autor dos livros O Cavalei...
  • Dante Alighieri (1265-1321) foi o maior poeta italiano da literatura medieval...
  • Nicolau Maquiavel (1469-1527) foi um filósofo político, historiador, diplomat...
  • Leonardo da Vinci (1452-1519) foi um pintor italiano. "Mona Lisa" foi uma das...
  • Galileu Galilei (1564-1642) foi um matemático, físico, astrônomo e filósofo i...
  • Benito Mussolini (1883-1945) foi um político italiano. Foi líder do Partido F...
  • Rafael Sanzio (1483-1520) foi um pintor italiano, uma das grandes expressões...
  • São Francisco de Assis (1182-1226) foi um religioso italiano. Fundou a Ordem...
  • Sandro Botticelli (1445-1510) foi um pintor italiano, considerado um dos maio...
  • Caravaggio (1571-1610) foi um pintor italiano, o mais revolucionário artista...