Blaise Pascal

Filósofo francês
Por Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora

Biografia de Blaise Pascal

Blaise Pascal (1623-1662) foi um físico, matemático, filósofo e teólogo francês. Autor da famosa frase: "O coração tem razões que a própria razão desconhece".

Blaise Pascal nasceu em Clermont-Ferrand, França, no dia 19 de junho de 1623. Órfão de mãe desde cedo, teve a sua educação aos cuidados do pai. Seu talento precoce para as ciências físicas levou a família para Paris onde ele se dedicou ao estudo da matemática.

Com apenas 16 anos, Pascal escreveu “Ensaio Sobre as Cônicas” (1940). Neste ano, seu pai foi transferido par Rouen e lá Pascal realizou suas primeiras pesquisas no campo da física.

Nessa época, inventou uma pequena máquina de calcular, a primeira calculadora manual que se conhece, mantida atualmente no Conservatório de Artes e Medidas de Paris.

Datam desse período, os primeiros contatos de Pascal com os jansenistas - facção católica que, inspirada em Santo Agostinho, rejeitava o conceito de livre arbítrio, aceitava a predestinação e ensinava que a graça divina, e não as boas obras, seria a chave da salvação.

Atividades científicas

Em 1647, Pascal retornou a Paris e dedicou-se à atividade científica. Realizou experiências sobre a pressão atmosférica, escreveu um tratado sobre o vácuo, inventou a prensa hidráulica e a seringa e aperfeiçoou o barômetro de Torricelli.

Em matemática, ficaram célebres a sua teoria da probabilidade e o seu “Tratado do Triangulo Aritmético” (1654), onde estabelece as séries que possibilitam o cálculo das combinações de “m” elementos tomados “n” a “n” e das potências semelhantes nos termos de uma progressão aritmética.

Seu trabalho apresentava diversas relações que seriam de grande valor para o desenvolvimento posterior da estatística.

Filosofia de Blaise Pascal

Em 1654, depois de quase morrer em um acidente de carruagem e passar por uma experiência mística, Pascal decidiu consagrar-se a Deus e à religião. Elegeu seu guia espiritual o padre jansenista Singlin e, em 1665, recolheu-se à abadia de Port-Royal des Champs, centro do jansenismo.

Nesse período, elaborou os princípios de sua doutrina filosófica, centrada na contraposição dos dois elementos básicos e não excludentes do conhecimento: de um lado, a razão com suas mediações que tendem ao exato, ao lógico e discursivo (espírito geométrico). Do outro lado, a emoção, ou o coração, que transcende o mundo exterior, intuitiva, capaz de aprender o inefável, o religioso e o moral (espírito de finura).

Pascal resumiu sua doutrina filosofia na frase que a humanidade repete há séculos, na qual nomeia os dois elementos do conhecimento - a razão e a emoção. 

"O coração tem razões que a própria razão desconhece"

A compreensão desse modo de ser do homem, sua condição no mundo, estabelecida entre extremos, é o principal objeto da filosofia de Pascal. Na base dessa divisão, está a oposição entre a natureza divina do espírito e a natureza humana e falha, pecaminosa da matéria.

As concepções filosófico-religiosas de Pascal estão reunidas nas obras: “Les Provinciales” (1656-1657), um conjunto de 18 cartas escritas para defender o jansenista Antoine Arnauld, oponente dos jesuítas que estava em julgamento pelos teólogos de Paris, e “Pensées” (1670), um tratado sobre a espiritualidade, em que faz a defesa do cristianismo.

Em Les Provinciales surgiram as primeiras evidências de que Pascal começava a se afastar do jansenismo, tendência aprofundada em Pensées, quando voltou-se para uma visão antropocêntrica da graça e deu à iniciativa humana uma importância que não mais coadunava com os preceitos jansenistas.

O escritor

Pascal revestiu suas reflexões filosóficas em um estilo elegante, breve e conciso que o tornou o primeiro grande prosador da literatura francesa.

Em uma linguagem profundamente identificada com o seu modo singular de pensar o mundo, transmitiu com senso exato da palavra, a contradição entre a lógica pura e a angústia existencial, o antagonismo entre a ciência e o metafísico e a luta entre o espírito e a carne.

Fascinado pelos mistérios do que chamou de “condição humana”, tratou com extrema lucidez esse aspecto que ele adquiriu um sentido definitivo na filosofia moderna.

A obra de Pascal como teólogo e escritor foi muito mais influente do que sua contribuição à ciência. Está presente nos românticos do século XVIII, nas reflexões de Nietzsche e nos modernistas católicos que encontraram nele o precursor de seu pragmatismo.

Últimos anos e morte

A partir de 1659, com a saúde abalada, Pascal pouco escreveu. Compôs a “Oração pela Conversão”, que despertou a admiração dos ingleses Charles e John Wesley, fundadores da Igreja Metodista.

Blaise Pascal faleceu em Paris, França, no dia 19 de agosto de 1662.

Frases de Blaise Pascal

O coração tem razões que a própria razão desconhece.

A justiça sem a força é impotente, a força sem justiça é tirana.

Nunca se ama alguém, mas somente as qualidades.

Nada há de bom nesta vida salvo a esperança de uma outra vida.

O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem.

Dilva Frazão
É bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e professora do ensino fundamental.
Veja também as biografias de:
  • Auguste Comte (1798-1857) foi filósofo francês. Considerado o fundador do pos...
  • Voltaire (1694-1778) foi um filósofo e escritor francês, um dos grandes repre...
  • Michel Foucault (1926-1984) foi um filósofo que exerceu grande influência sob...
  • John Stuart Mill (1806-1873) foi um filósofo inglês, um dos mais influentes p...
  • Pedro Abelardo (1079-1142) foi um filósofo escolástico francês, considerado u...
  • Paul Ricoeur (1913-2005) foi um dos maiores nomes da filosofia francesa conte...
  • Pierre Bayle (1647-1706) foi um filósofo cético e escritor francês, pai da to...
  • René Descartes (1596-1650) foi um filósofo, físico e matemático francês. Auto...
  • Jean-Paul Sartre , (1905-1980) foi um filósofo e escritor francês, um dos maio...
  • Montesquieu (1689-1755) foi um filósofo social e escritor francês. Foi o auto...