Blaise Pascal

Filósofo francês

Biografia de Blaise Pascal

Blaise Pascal (1623-1662) foi um físico, matemático, filósofo e teólogo francês. Autor da famosa frase: "O coração tem razões que a própria razão desconhece".

Blaise Pascal (1623-1662) nasceu em Clemont-Ferrand, França, no dia 19 de junho de 1623. Órfão de mãe desde cedo, teve a sua educação aos cuidados do pai. Por sua extrema precocidade, foi levado para Paris quando foi atraído pela matemática.

Em 1639, com apenas 16 anos, escreveu “Ensaio Sobre as Cônicas.” Nesse ano, seu pai foi transferido par Rouen e lá Pascal realizou suas primeiras pesquisas no campo da física.

Nessa época, inventou uma pequena máquina de calcular, a primeira calculadora manual que se conhece, mantida atualmente no Conservatório de Artes e Medidas de Paris.

Datam dessa época, os primeiros contatos de Pascal com os jansenistas, facção católica que, inspirada em Santo Agostinho, rejeitava o conceito de livre arbítrio, aceitava a predestinação e ensinava que a graça divina, e não as boas obras seria a chave da salvação.

Atividades científicas

Em 1647, Pascal retornou a Paris e dedicou-se à atividade científica. Realizou experiências sobre a “pressão atmosférica”, “escreveu um tratado sobre o vácuo”, inventou a prensa hidráulica e a seringa e aperfeiçoou o barômetro de Torricelli.

Em matemática, ficaram célebres sua “teoria da probabilidade” e seu “Tratado do Triangulo Aritmético” (1654). Seu trabalho apresentava diversas relações que seriam de grande valor para o desenvolvimento posterior da estatística.

Filosofia de Blaise Pascal

Em 1654, depois de quase morrer em um acidente de carruagem e passar por uma experiência mística, Pascal decidiu consagrar-se a Deus e à religião. Elegeu seu guia espiritual o padre jansenista Singlin e, em 1665, recolheu-se à abadia de Port-Royal des Champs, centro do jansenismo.

Nesse período, elaborou os princípios de sua doutrina filosófica, centrada na contraposição dos dois elementos básicos e não excludentes do conhecimento: de um lado, a razão com suas mediações que tendem ao exato, ao lógico e discursivo (espírito geométrico).

Do outro lado, a emoção, ou o coração, que transcende o mundo exterior, intuitiva, capaz de aprender o inefável, o religioso e o moral (espírito de finura).

Pascal resumiu sua doutrina filosofia na frase que a humanidade repete há séculos, na qual nomeia os dois elementos do conhecimento - a razão e a emoção. 

"O coração tem razões que a própria razão desconhece"

A compreensão desse modo de ser do homem, sua condição no mundo, estabelecida entre extremos, é o principal objeto da filosofia de Pascal. Na base dessa divisão, está a oposição entre a natureza divina do espírito e a natureza humana e falha, pecaminosa da matéria.

As concepções filosófico-religiosas de Pascal estão reunidas nas obras: “Les Provinciales” (1656-1657), um conjunto de 18 cartas escritas para defender o jansenista Antoine Arnauld, oponente dos jesuítas que estava em julgamento pelos teólogos de Paris, e “Pensées” (1670), um tratado sobre a espiritualidade, em que faz a defesa do cristianismo.

Em Les Provinciales surgiram as primeiras evidências de que Pascal começava a se afastar do jansenismo, tendência aprofundada em Pensées, quando voltou-se para uma visão antropocêntrica da graça e deu à iniciativa humana uma importância que não mais coadunava com os preceitos jansenistas.

A obra de Pascal como teólogo e escritor foi muito mais influente do que sua contribuição à ciência. Está presente nos românticos  do século XVIII, nas reflexões de Nietzsche e nos modernistas católicos que encontraram nele o precursor de seu pragmatismo.

Blaise Pascal faleceu em Paris, França, no dia 19 de agosto de 1662.

Frases de Blaise Pascal

  • O coração tem razões que a própria razão desconhece.
  • A justiça sem a força é impotente, a força sem justiça é tirana.
  • Nunca se ama alguém, mas somente as qualidades.
  • Nada há de bom nesta vida salvo a esperança de uma outra vida.
  • O homem é feito visivelmente para pensar; é toda a sua dignidade e todo o seu mérito; e todo o seu dever é pensar bem.
Veja também as biografias de:
  • Auguste Comte (1798-1857) foi filósofo francês. Considerado o fundador do pos...
  • Voltaire (1694-1778) foi um filósofo e escritor francês, um dos grandes repre...
  • Michel Foucault (1926-1984) foi um filósofo que exerceu grande influência sob...
  • John Stuart Mill (1806-1873) foi um filósofo inglês, um dos mais influentes p...
  • Pedro Abelardo (1079-1142) foi um filósofo escolástico francês, considerado u...
  • Pierre Bayle (1647-1706) foi um filósofo cético e escritor francês, pai da to...
  • René Descartes (1596-1650) foi um filósofo, físico e matemático francês. Auto...
  • Jean-Paul Sartre , (1905-1980) foi filósofo e escritor francês, um dos maiores...
  • Montesquieu (1689-1755) foi um filósofo social e escritor francês. Foi o auto...
  • Denis Diderot (1713-1784) foi um filósofo, escritor e tradutor francês, um do...

Última atualização: 25/07/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.