Américo Vespúcio

Navegador italiano

Biografia de Américo Vespúcio

Américo Vespúcio (1451-1512) foi um mercador, navegador e cartógrafo italiano de grande importância para os descobrimentos, pois escrevia cartas a seus superiores descrevendo os lugares por onde passava.

Em sua homenagem, as terras descobertas do Novo Mundo receberam o nome de América.

Américo Vespúcio nasceu em Florença, na Itália, no dia 9 de março de 1451. Era o terceiro filho de Anastácio Vespúcio e Isabel Mimi.

Foi educado por seu tio, o dominicano Jorge Antônio Vespúcio, recebendo educação humanística. Esteve na Itália e na França, onde estudou Geografia, Astronomia e Cosmografia.

Em 1949, a serviço dos Médici, Américo Vespúcio foi para Sevilha, na Espanha, para trabalhar na gerência de importante casa comercial, onde passou a auxiliar o armador Juanoto Berardi.

Nessa época travou contato com Colombo e outros navegadores. Em 1495, com a morte de Berardi, Vespúcio assumiu a gerência da filial, especializada no abastecimento de navios. Travou contato com as ideias dos conquistadores espanhóis.

Primeira viagem de Américo Vespúcio

No dia 18 de maio de 1499, Vespúcio partiu de Cádiz, na expedição de Alonso de Hojeda, com uma frota de quatro naus, destinadas a explorar as terras já descobertas por Colombo.

Atravessaram o Atlântico e chegaram próximo à costa da atual Guiana Francesa. Após uma desavença, Hojeda e Vespúcio separam-se, ficando cada um no comando de duas naus.

Hojeda seguiu para o norte e Vespúcio para o sul, costeando o Brasil. Descobriu o estuário do rio Amazonas e foi até o cabo de São Roque, onde inverteu a rota e chegou até a Venezuela.

Os dois navegantes voltaram a se encontrar no Haiti e regressaram à Espanha em junho de 1500.

Convencido até então de ter percorrido a península do extremo leste da Ásia, descrita por Ptolomeu, Américo Vespúcio conseguiu que o rei D. Manuel I de Portugal financiasse nova expedição em busca de uma passagem para os mares da China.

Segunda viagem de Américo Vespúcio

Em uma segunda viagem, Américo Vespúcio seguiu na expedição comandada por Gonçalo Coelho que partiu de Lisboa no dia 13 de maio de 1501, chegando ao cabo Santo Agostinho em Pernambuco, no final do ano.

Velejando para o sul, esteve na foz do São Francisco, na Bahia de Todos os Santos e em outros pontos da costa que foram sendo denominados de acordo com o santo do dia do descobrimento.

No final do mesmo ano avistou a baía de Guanabara e ultrapassou o estuário do rio da Prata. Foi o primeiro navegador a alcançar e registrar a costa meridional da Patagônia.

Américo Vespúcio
Gravura do livro Colombo e Vespúcio (1898) Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro

Em 1502 regressou a Portugal, convencido que havia percorrido a costa de um novo continente, pois seria impossível que a suposta península asiática se prolongasse de tal forma para o sul.

Em 1505 regressou para Sevilha. Foi nomeado piloto-mor da corte, ajudando na preparação de mapas oficias e rotas marítimas. Neste mesmo ano recebeu a cidadania espanhola.

Cartas de Américo Vespúcio

Vespúcio adquiriu fama graças a uma série de documentos a respeito de suas viagens.

A primeira consiste em uma carta em italiano, datada de setembro de 1504, procedente de Lisboa, aparentemente endereçada ao magistrado supremo da República Florentina, Pier Soderini.

A segunda são duas versões latinas desta carta, publicadas sob os títulos de “Quatuor Americi Navigationes” e “Mundus Novus”.

Existem também três cartas particulares dirigidas ao Medicis.

Foi essa série de cartas, verdadeiras “crônicas de viagem”, embora cheias de fantasias, que deu maior notoriedade a Vespúcio, que doou seu nome ao Novo Mundo: “América”.

Em 1507, o alemão Martin Waldseemüller publicou na França o relato “Quatuor Americi Vesputii Navigationes”, numa “Introdução à Cosmografia” na qual surgiu pela primeira vez o nome de “Terra de América”.

Em 1509 o nome aparece no mapa-múndi impresso em Estrasburgo.

Américo Vespúcio faleceu em Sevilha, Espanha, no dia 22 de fevereiro de 1512.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 10/10/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.