Bartolomeu Dias

Navegador português

Biografia de Bartolomeu Dias

Bartolomeu Dias (1450-1500) foi um navegador português que no século XV descobriu a passagem do oceano Atlântico para o Oceano Índico contornando o cabo das Tormentas no extremo sul da África.

Bartolomeu Dias nasceu em Portugal, por volta de 1450. Descendente de uma família de navegadores adquiriu conhecimentos de matemática e astronomia.

Bartolomeu Dias viveu em uma época em que Portugal constituía a vanguarda da expansão da Europa que teve início em 1415 com a tomada de Ceuta no Norte da África.

Contexto Histórico

Na Europa do século XV, todo o comércio estava ligado ao Mediterrâneo que era uma via de comunicação com o Oriente de onde os europeus traziam as famosas especiarias.

Elas chegavam ao Mediterrâneo através de três caminhos: o caminho do Mar Vermelho, o do Golfo Pérsico e o da Mesopotâmia, ou ainda seguiam pela Ásia Central. Os grandes portos eram Constantinopla e Alexandria.

Com o aperfeiçoamento da arte da navegação durante o reinado de D. João I, seu filho, o infante D. Henrique estabelecendo-se na ponta de Sagres, no Algarve, onde reunia cartógrafos, matemáticos e peritos na arte da navegação.

Recebia o apoio da burguesia mercantil interessada no descobrimento de novos caminhos marítimos, possibilitando, a partir de 1415, um grande número de viagens e descobertas na costa atlântica da África.

Em 1453, com a conquista de Constantinopla pelos turcos otomanos, o comércio ibérico com o oriente foi interrompido e, com as dificuldades do comércio em Alexandria, as viagens de exploração de novas terras tomaram um grande impulso.

Descoberta do cabo das Tormentas

Em 1487, no reinado de D. João II, Bartolomeu Dias assumiu o comando de uma expedição composta de três caravelas que partiram de Lisboa em busca de um novo caminho marítimo para a Índia.

A expedição levava vários nativos recolhidos na costa da África que serviriam de intérpretes em suas paradas.

Descobriu a angra dos Ilhéus, atual baía Spencer e o cabo da Volta, atual Diaz Point. Prosseguindo para o sul, apanhou em mar alto, uma tempestade que durou 14 dias.

Sem perceber, tinha atravessado o ponto extremo da África e entrado no Oceano Índico.

Passado o temporal, a expedição navegou para o Leste em busca da costa, mas sem sinal de terra, rumou então para o Norte, chegando a uma baía, que foi batizada de baía das Vacas, hoje baía de Benguela, onde colocou um marco de pedra.

Hostilizados pelos nativos, Bartolomeu Dias deu ordens para levantar âncora e seguir rumo ao Oriente, mas em poucos dias, sua tripulação se negou a seguir adiante.

Bartolomeu Dias decidiu empreender a viagem de volta, mas a tripulação foi obrigada a assinar um documento que eximia o comandante da responsabilidade de não haver seguido a viagem para a Índia.

No caminho de volta, Bartolomeu Dias avistou o cabo no extremo Sul da África, que chamou de “Cabo das Tormentas”, que posteriormente foi denominado, por D. João II, de “Cabo da Boa Esperança”, incentivando assim a futura viagem de Vasco da Gama em direção à Índia.

De volta a Lisboa, Bartolomeu Dias continuou ligado às explorações navais. Em 1494, se encarregou de preparar a frota que levaria Vasco da Gama a chegar à Índia.

Em 1500, se uniu à expedição de Pedro Álvares Cabral, como capitão de uma das caravelas, com destino à Índia. Os ventos fortes desviaram a frota que acabou chegando a uma costa que foi denominada Ilha de Vera Cruz e posteriormente Brasil.

Um mês depois, a frota partiu rumo ao cabo da Boa Esperança. De repente, estava envolvida por uma tempestade que afundou várias caravelas, entre elas a do navegador.

Bartolomeu Dias morreu em alto mar, próximo ao cabo da Tormenta, África, no dia 29 de maio de 1500.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 25/09/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.