Campos Sales

Ex-presidente do Brasil

Biografia de Campos Sales

Campos Sales (1841-1913) foi um político brasileiro, o quarto presidente do Brasil República. Foi representante da oligarquia cafeeira do estado de São Paulo. Exerceu o cargo entre os anos de 1898 e 1902.

Manuel Ferraz de Campos Sales nasceu em Campinas, São Paulo, no dia 15 de fevereiro de 1841. Filho de uma rica família de fazendeiro de café formou-se em Direito em 1863, pela Faculdade de Direito de São Paulo. Durante vários anos exerceu a profissão de advogado.

Carreira Política

Campos Sales iniciou sua vida política ingressando no Partido Liberal. Foi deputado provincial pelo estado de São Paulo entre 1868 e 1869. Em 1873 participou da criação do Partido Republicano Paulista, que preconizava o fim da monarquia e da escravidão.

Campos Sales assumiu o cargo de deputado em mais dois mandatos, entre 1882 a 1883 e 1888 a 1889. Nesse último ano, assumiu a presidência da comissão do Partido Republicano de São Paulo. Ainda em 1889, exerceu o cargo de Ministro da Justiça, no governo provisório de Deodoro da Fonseca, permanecendo no cargo até 1891.

Em 1891, Campos Sales foi eleito senador, cargo que renunciou para se tornar presidente do Estado de São Paulo. Entre os anos de 1892 e 1893, passou a residir na Europa. Tornou-se colaborador do jornal Correio Paulistano. Ao retornar ao Brasil, voltou ao Senado entre 1894 e 1895. Entre 1896 e 1897, assume o cargo de presidente de São Paulo.

Presidente da República

Em 1898, Campos Sales foi eleito presidente da república, juntamente com o vice-presidente Francisco de Assis Rosa e Silva, apoiado por Prudente de Morais. Era mais um representante da oligarquia cafeeira do Estado de São Paulo, que assumia o poder.

Na sucessão dos governos da Primeira República, alternavam-se presidentes paulistas e mineiros. Desde a administração de Prudentes de Morais, seu antecessor, até Washington Luís, apenas três presidentes não pertenciam à política do café-com-leite, que só terminou com a Revolução de 1930.

Antes de ser empossado, Campos Sales viajou para a Europa a fim de realizar negociações com a casa bancária inglesa Rolschild & Sons e os demais credores do Brasil. O acordo estabelecido foi denominado "funding loan", um tipo de moratória onde o país fazia empréstimos e postergava o pagamento da dívida e dos juros, novos e anteriores.

Campos Sales encontrou o Brasil passando por grave crise financeira, consequência dos elevados gastos dos governos anteriores. O principal auxiliar do presidente foi o ministro da Fazenda, Joaquim Murtinho, que tomou medidas para equilibrar as finanças do país. Para combater a inflação foram retiradas de circulação grande quantidade de moedas. O governo criou novos impostos e elevou os já existentes. Sua política saneou as finanças, mas afetou negativamente a indústria, o comércio e a população em geral.

Para garantir o apoio do Congresso à sua política financeira, Campos Sales colocou em prática a "Política dos Governadores", que consistia num acordo entre o presidente e os governadores dos Estados. Seriam admitidos apenas deputados de famílias ricas e tradicionais que representassem a situação e em troca teriam todo o apoio do presidente. Com esse sistema as oligarquias estaduais mantiveram-se no poder durante décadas.

Com o fim do governo em 1902, Campos Sales deixava condições para seu sucessor, o paulista Rodrigues Alves, realizar um programa de modernização do país. Foi ainda senador por São Paulo. Em 1912, foi em missão especial à Argentina.

Campos Sales morreu em Santos, São Paulo, no dia 28 de junho de 1913.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 15/03/2019

Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.