Gustave Courbet

Pintor francês
Por Dilva Frazão
Biblioteconomista e professora

Biografia de Gustave Courbet

Gustave Courbet (1819-1877) foi um pintor francês, um dos pioneiros da pintura realista no século XIX, que procurou retratar o cotidiano de forma imparcial e objetiva, evitando as pinceladas intensas e dramáticas dos românticos.

Combatendo a arte acadêmica convencional, criou um estilo energético que deu nova importância aos menores fatos da vida cotidiana, abrindo caminho para os impressionistas.

Jean Désirè Gustave Courbet nasceu em Ornans, interior da França, no dia 10 de junho de 1819. Filho de ricos proprietários rurais, desde cedo mostrava interesse pelo desenho e pela política, influenciado por seu avô que externava um forte sentimento republicano.

Juventude e início da carreira

Com 12 anos, ingressou no Seminário de Ornans, onde iniciou seus primeiros estudos de artes. Em seguida, entrou para uma escola em Besançon, onde deu continuidade às aulas de desenho.

Em 1839, Courbet foi estudar direito em Paris, mas não tardou a abandonar o curso para se dedicar à arte. Alugou um ateliê e dedicou-se à pintura como autodidata.

Iniciou-se na arte copiando no Louvre os mestres espanhóis do século XVII e frequentando o estúdio do pintor Charles Steuben. Nessa época, a França vivia momentos de efervescência política, social e artística.

Nessa época, Courbet passou a frequentar os cafés de Paris, que reuniam um grupo de artistas franceses, que reagiam contra a subjetividade, individualismo e obsessões históricas dos românticos que retratavam cenas bíblicas e mitológicas, passando a adotar um estilo baseado na lealdade da natureza.

Na década de 40, Gustave Courbet pintou autorretratos, entre eles: Autorretrato com um cão (1842), que foi aceito pelo Salão. Nos anos seguintes, só alguns de suas obras foram aceitas.

Gustave Courbet
Autorretrato com o cão (1842)

No entanto, Courbet gabava-se de desagradar o júri e via nessas recusas a prova de seu valor. Datam dessa época, uma série de primorosos autorretratos, como: O Violinista (1845) e O Homem Desesperado (1845), obras já realistas.

Gustave Coubrbet
O Homem Desesperado (1845)

Um dos seus quadros mais célebres dessa época é Enterro em Ornans (1849). Esse retrato da vida campestre, vigoroso em sua plasticidade, escandalizou pelo tema e pelo realismo.

Gustave courbet
Enterro em Ornans (1849)

Após viajar aos Países Baixos e Inglaterra, Courbet fixou-se em Paris quando ligou-se a Baudelaire e outros pintores. Republicano ardente, cedo tornou-se figura notória por discursos acalorados nos cafés. É dessa época a obra Após o Jantar em Ornans (1849), que obteve no Salon uma medalha de segunda classe.

Gustave Courbet
Após o Jantar em Ornans (1849)

O Realismo

Gustave Courbet, influenciado pelos ideais de democracia e socialismo que se seguiram à revolução de 1848, partilhava com seus contemporâneos, a crença de que a arte poderia ser uma força social.

O grupo desprezava os valores burgueses e defendia valores novos para a sociedade, aliando-se com isso ao apelo do povo francês que esperava mudanças profundas no país, que vivia um período de muita miséria. Publicou um manifesto contra as tendências românticas e neoclássicas.

O movimento artístico que foi chamado de “Realismo” substituiu os temas grandiosos e heroicos do Romantismo, por visões simples do cotidiano e o sentimentalismo pela observação imparcial e objetiva.

Evitavam as pinceladas intensas e dramáticas dos românticos, preferindo fazer suas pinturas claras e precisas, com temas de fácil compreensão, em particular os temas sociais.

Os pintores realistas – como Gustave Courbet - voltaram-se para representar as cenas da vida cotidiana e os flagrantes populares, muitas vezes impregnados de ideias políticas. Dizia Courbet “A pintura é uma arte essencialmente objetiva e consiste na representação das coisas reais e existentes”. 

Em 1855 seus quadros foram recusados pela Exposição Universal de Paris, então, Courbet reagiu organizando, em barracas, uma exposição de suas obras “realistas”, entre elas: Os Quebradores de Pedra (1850) e Os Camponeses de Flagey (1855), em que retratou aldeães humildes, camponeses e lavradores ao invés de deuses, heróis e figuras bíblicas temas usuais na época.

Gustave Courbet
Os Quebradores de Pedra (1850)
Gustave Courbet
Os Camponeses de Flagey (1855)

Entre as telas recusadas estava a imensa obra O Ateliê do Artista (1855), chamado pelo artista de “alegoria real”, um autorretrato com um nu representando a verdade e um grupo de personagens simbólicos e amigos do artista.

Gustave Courbet
O Ateliê do Artista (1855)

Gustave Courbet concorreu com sucesso ao Salão de 1860. Sua influência atingiu a Bélgica e a Alemanha, onde esteve entre 1858-1859. Em 1865, Édouard Manet e Whistler tornaram-se seus alunos.

Na década de 1960, pintou uma série de paisagens e temas marinhos, entre elas: Luta de Cervos (1867) e O Mar Agitado (1868), que por se tratamento de luz e o profundo lirismo do conjunto, prenunciaram as novas concepções impressionistas.

Gustave Courbet
O Mar Agitado (1868)

Últimos anos e morte

Em 1870 Courbet foi eleito presidente da comissão dos museus. Com grande escândalo, recusou a Legião de Honra, alegando não querer ser condecorado por Napoleão III.

 Revolucionário e provocador, autorizou que fosse desmontada a coluna Vendôme, decisão que a Comuna decretara em abril de 1871. Restabelecida a ordem, foi responsabilizado pela depredação e condenado a seis meses de prisão e a elevada multa.

Em 1873 refugiou-se na Suíça onde recomeçou a pintar retratos e paisagens. Sua saúde abalada, agravou-se com a notícia da venda em hasta pública de seus bens, inclusive os quadros.

Gustave Courbet faleceu em La Tour-de-Peilz, Suíça, no dia 31 de dezembro de 1877. Em 1919 suas cinzas foram transportadas para Ornans. Numerosos quadros seus estão no Museu do Louvre e no Museu Fabre em Montpellier.

Dilva Frazão
É bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e professora do ensino fundamental.
Veja também as biografias de:
  • Claude Monet (1840-1926) foi um pintor francês, considerado um dos mais impor...
  • Henri Matisse (1869-1954) foi um pintor desenhista, gravurista e escultor fra...
  • Paul Gauguin (1848-1903) foi um importante pintor francês, um dos maiores rep...
  • Paul Cézanne (1839-1906) foi um pintor pós-impressionista francês. Sua obra r...
  • Auguste Renoir (1841-1919) foi um dos mais importantes pintores do Impression...
  • Edgar Degas (1834-1917) foi um pintor impressionista francês, consagrado por...
  • Édouard Manet (1832-1883) foi um pintor francês do século XIX. Muitas vezes r...
  • Georges Braque (1882-1963) foi um pintor francês. Junto com Pablo Picasso deu...
  • Toulouse-Lautrec Toulouse Lautrec (1864-1901) foi um pintor pós-impressionista e desenhista fr...
  • Eugéne Delacroix Eugène Delacroix (1798-1863) foi um dos maiores pintores românticos franceses...