Jean-Jacques Rousseau

Filósofo suíço

Biografia de Jean-Jacques Rousseau

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) foi um filósofo social, teórico político e escritor suíço. Foi considerado um dos principais filósofos do Iluminismo e um precursor do Romantismo. Suas ideias influenciaram a Revolução Francesa. Em sua obra mais importante "O Contrato Social" desenvolveu sua concepção de que a soberania reside no povo.

Infância e Juventude

Jean-Jacques Rousseau nasceu em Genebra, Suíça, no dia 28 de junho de 1712. Filho de um relojoeiro calvinista ficou órfão de mãe logo ao nascer. Em 1722 ficou órfão de pai, que não se preocupou com a educação do filho. Foi educado por um pastor protestante. Em 1724, com 12 anos, iniciou seus estudos. Nessa época, já escrevia comédias e sermões. Levava uma vida errante na tentativa de afirmar-se numa profissão: foi relojoeiro, aprendiz de pastor e gravador.

Em 1728, com 16 anos, Jean-Jacques Rousseau foi para Savóia, na Itália. Sem meios para se manter,  procura uma instituição católica e manifesta o desejo de se converter. De volta a Genebra conhece Madame de Varcelli, uma dama ilustre que cuida de sua manutenção. Com a morte dela, resolve percorrer a Suíça em busca de aventuras.

Entre 1732 e 1740, viveu na França, quando se envolve com Madame de Warens, em Cambéry, época em que conquistou, como autodidata, grande parte de sua instrução. Em 1742, foi para Paris, onde conhece uma nova protetora que o indica para secretário do Embaixador da França, em Veneza. Observa as falhas do Governo de Veneza e passa a dedicar-se ao estudo e à compreensão da política.

Iluminismo

Jean-Jacques Rousseau viveu em uma época em que o absolutismo dominava toda a Europa e diversos movimentos buscavam uma renovação cultural. O Iluminismo – nome dado ao movimento composto por intelectuais que condenavam as estruturas de privilégios, absolutistas e colonialistas, e defendiam a reorganização da sociedade, teve início na Inglaterra, mas difundiu-se rapidamente na França, onde Montesquieu (1689-1755) e Voltaire (1694-1778) desenvolviam uma série de críticas à ordem estabelecida.

Em 1745, Jean-Jacques Rousseau estava de volta a Paris, onde descobre o “Iluminismo” e passa a colaborar com o movimento. Em 1750, participa do concurso da Academia de Dijon: “As artes e as ciências proporcionam benefícios à humanidade?”, que oferece um prêmio ao melhor ensaio sobre o assunto. Rousseau, incentivado por seu amigo Diderot, participa com o “Discurso Sobre as Ciências e as Artes”, recebendo o primeiro prêmio, além de uma fama polêmica por afirmar em seu ensaio que as ciências, as letras e as artes são os piores inimigos da moral. Como criadoras de novas necessidades, tornam-se fonte de escravidão.

Obras e Ideias de Rousseau

  • Discurso Sobre a Desigualdade (1755)

A contestação da sociedade tal como estava organizada foi também o tema de seu novo trabalho, onde Rousseau reforça a teoria já levantada, reafirmando: O homem é naturalmente bom. É só devido às instituições que se torna mau. Não faz objeção à desigualdade natural, originada da idade, saúde e inteligência, Mas ataca a desigualdade resultante de privilégios. Para desfazer o mal, basta abandonar a civilização. Quando alimentado, em paz com a natureza e amigo dos semelhantes, o homem é naturalmente bom.

  • Julie ou A Nova Heloísa (1761)

Em Julie ou a Nova Heloísa, Rousseau exalta o direito da paixão, mesmo ilegítima, contra a hipocrisia da sociedade. Exalta as delícias da virtude, o prazer da renúncia, a poesia das montanhas, florestas e lagos, Só o ambiente campestre pode purificar o amor e libertá-lo da corrupção social. O livro é recebido com arrebatamento. A natureza entra na moda desencadeando uma paixão por toda a Europa. É a primeira manifestação do Romantismo.

  • Contrato Social (1762)

O Contrato Social é uma utopia política, que propõe um estado ideal, resultante de consenso e que garanta os direitos de todos os cidadãos. Um plano para a reconstrução das relações sociais da humanidade. Seu princípio básico se mantém. Em estado natural, os homens são iguais: os males só surgem depois que certos homens resolvem demarcar pedaços de terra dizendo: “Essa terra é minha”. A única esperança de garantir os direitos de cada um está na organização de uma sociedade civil, na qual esses direitos sejam cedidos a toda a comunidade, igualmente. Isso poderia ser feito por meio de um contrato estabelecido entre os vários membros do grupo.

Tudo isso, não significa que a liberdade do indivíduo seja aniquilada, ao contrário, a sujeição ao Estado tem o efeito de fortalecer a liberdade autêntica. Ao falar em Estado, Rousseau não se refere ao governo, mas a uma organização política que exprima a vontade geral. O governo é simplesmente o agente executivo do Estado. Além disso, a comunidade pode estabelecer ou destituir um governo, sempre que o desejar.

  • Émile ou da Educação (1762)

A obra Émile é uma utopia pedagógica, na qual, em forma de romance, Rousseau imagina o herói como uma criança completamente isolada do meio social, que não recebe nenhuma influência da civilização. Seu professor não tenta ensinar-lhe virtude alguma, mas trata de preservar-lhe a pureza do instinto contra as possíveis insinuações do vício. Guiado apenas por sua necessidade interior, Émile vai fazendo suas opções e escolhe tudo que realmente precisa. Não descobrirá outra ciência senão aquela que ele próprio quiser, por curiosidade e espírito de iniciativa.

A Perseguição e Morte

O Parlamento de Paris condenou tanto o Contrato Social quanto Émile, que considerou repleto de heresias religiosas. Para o tempo em que a Europa vivia, as ideias democráticas de Rousseau eram audaciosas. As edições de Émile são queimadas em Paris. Já afastado de Diderot e dos demais filósofos, por não compartilhar de seu raciocínio, Rousseau foi forçado a se exilar na Suíça, pois havia uma ordem de prisão contra ele. Constantemente perseguido, encontra asilo na Inglaterra, onde o filósofo David Hume o acolheu.

Para justificar-se ante os ataques a que esteve exposto, Rousseau iniciou suas “Confissões”, publicadas postumamente em 1782. Em 1778, aceita a acolhida do Marquês de Girardin, em seu domínio em Ermenonville, onde vive suas últimas semanas, já debilitado mentalmente.

Jean-Jacques Rousseau faleceu em Ermenonville, França, no dia 2 de julho de 1778. Quinze anos mais tarde, seu valor é reconsiderado. Defensor ardoroso dos princípios de “liberdade, igualdade e fraternidade”, lema da Revolução Francesa, é visto como “profeta” do movimento. Seus restos mortais foram transportados para o Panteão de Paris.

Veja também as biografias de:
  • Carl Gustav Jung (1875-1961) foi um psiquiatra suíço, fundador da escola da P...
  • Paul Klee (1879-1940) foi um pintor suíço, naturalizado alemão, considerado u...
  • Daniel Bernoulli (1700-1782) foi um importante matemático, físico e professor...
  • Roger Federer (1981) é um tenista suíço, um dos melhores jogadores de todos o...
  • Ferdinand de Saussure (1857-1913) foi um importante linguista suíço, estudios...
  • Leonhard Euler (1707-1783) foi um importante matemático e cientista suíço, fo...
  • Le Corbusier (1887-1965) foi um arquiteto, urbanista e pintor franco-suíço. F...
  • Aristóteles (384-322 a.C) foi um importante filósofo grego. Um dos pensadores...
  • Tales de Mileto (624 a.C.–558 a.C.) foi um filósofo, matemático e astrônomo g...
  • Auguste Comte (1798-1857) foi filósofo francês. Considerado o fundador do pos...

Última atualização: 21/10/2018

Por Dilva Frazão
Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.