João Goulart

Político brasileiro

Biografia de João Goulart

João Goulart (1918-1976) foi um político brasileiro. Foi o 24º presidente do país. Eleito em 1961, governou sob um regime populista sendo deposto pelo golpe militar de 1964.

João Belchior Marques Goulart, conhecido como Jango, nasceu em São Borja, Rio Grande do Sul, no dia 1 de março de 1918. Filho de Vicente Rodrigues Goulart, coronel da Guarda Nacional e vicentina Marques Goulart era o mais velho de oito irmãos. Desde pequeno recebeu o apelido de “Jango”. Foi aluno do Colégio Marista de Uruguaiana. Cursou Direito na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, graduando-se em 1939. Depois de formado voltou para São Borja e se dedicou às atividades agropecuárias.

Em 1945, após ser deposto, o presidente Getúlio Vargas retornou para São Borja, sua cidade natal, época em que fortaleceu a amizade com João Goulart. Convidado pelo amigo entrou para o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Em 1947, foi candidato a deputado estadual. Foi o quinto candidato mais votado. Em 1950, cinco anos depois de ser derrubado do poder, Getúlio Vargas foi eleito presidente da República. Neste mesmo ano, João Goulart foi eleito deputado federal, sendo o segundo mais votado no Rio Grande do Sul.

Em 1951, Jango assumiu o cargo, mas logo pediu licença da Câmara para assumir a Secretária de Interior e Justiça, na gestão do governador Ernesto Dornelas, primo de Getúlio Vargas. Em 1952, Jango retornou ao Rio de Janeiro quando reassumiu sua cadeira na Câmara. Em junho de 1953, foi nomeado Ministro do Trabalho, para resolver a grave crise dos trabalhadores, que insatisfeitos com os salários organizavam greves apoiados pela União Democrática nacional (UND), que fazia oposição ao governo. Exigiam um reajuste de 100 %, mas enfrentavam a reação dos empresários. O reajuste de 100% foi finalmente assinado como exigia a classe trabalhadora. No dia 23 de fevereiro de 1954, depois da trágica morte de Vargas, o Ministro foi forçado a renunciar.

Em 1955, João Goulart foi eleito vice-presidente do Brasil na chapa de Juscelino Kubitschek, na coligação PTB e PSD. Na época, os votos eram separados e Jango teve mais votos que Juscelino. Nas eleições de 1960, com o apoio da UND e de pequenos partidos que lançaram a dobradinha Jan-Jan (Jânio e Jango), saiu vitoriosa. Empossados em janeiro de 1961, assumiram um país marcado pela crise econômica, pela inflação, pelo déficit da balança de pagamentos e pela acumulação da dívida externa.

O presidente buscando uma aproximação com os países socialistas restabeleceu as relações com a União Soviética, assumiu a defesa do regime de Fidel Castro, condecorou, em Brasília, o líder comunista Che Guevara com a ordem do Cruzeiro do Sul, o que aumentou a desconfiança ao seu governo. No dia 25 de agosto de 1961, enquanto João Goulart estava na China, Jânio Quadros renunciou o cargo de presidente.

De acordo com a constituição, João Goulart deveria assumir a Presidência, porém houve um veto militar à posse de Jango, acusado de comunista. O Congresso Nacional propôs, então, uma solução negociada para a crise e foi promulgado o Ato Institucional que estabelecia o parlamentarismo no Brasil. No dia 7 de setembro de 1961, depois de doze dias de ameaça de uma guerra civil, Jango assumiu o poder. Tancredo Neves, do PSD de Minas Gerais, ministro do governo Vargas, tornou-se primeiro-ministro.

A crise econômica do país contribuía para aumentar a instabilidade política. Em 1962, o ministro do Planejamento Celso Furtado lançou o Plano Trienal, para conter a inflação e retomar o crescimento econômico, mas o plano fracassou devido à falta de investimentos externos. A confusão, o caos e a desordem marcaram o governo João Goulart. O país entrava em um circulo vicioso, O governo era obrigado a aumentar constantemente os salários, que eram corroídos pela inflação. Em 1962, atendendo às reivindicações dos trabalhadores foi criado o 13º salário. Em 1963 a inflação chegou a 80%. Nesse mesmo ano, um plebiscito aprovou a volta do presidencialismo.  

A tensão no país chegou ao ápice no dia 13 de março de 1964, quando o presidente promoveu um comício popular na Central do Brasil, no Rio de Janeiro, onde reuniu uma multidão, e independente da aprovação do Congresso Nacional anunciava desapropriação de terras, encampações de refinarias, exigia uma nova carta constitucional que acabasse com as estruturas arcaicas da sociedade brasileira. Seis dias depois, os grupos de oposição de São Paulo lideraram uma passeata que reuniu mais de 300 mil pessoas, chamada “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”.

No dia 31 de março de 1964, as tropas do Exército ocuparam as ruas das principais cidades do país, destituindo Jango, que se refugiou no Uruguai. Terminava o populismo e se instalava o Brasil uma República autoritária com um longo regime militar, que se prolongou até 1985.

João Goulart faleceu em Mercedes, na Argentina, no dia 6 de dezembro de 1976.

Veja também as biografias de:
  • Deodoro da Fonseca (Marechal) (1827-1892) foi um político e militar brasileir...
  • Tancredo Neves (1910-1985) foi político brasileiro. Eleito presidente do Bras...
  • Rui Barbosa (1849-1923) foi um político, diplomata, advogado e jurista brasil...
  • Eduardo Campos (1965-2014) foi um político brasileiro. Governador do Estado d...
  • João Pessoa (1878-1930) foi um político e advogado brasileiro, cuja morte por...
  • Aécio Neves (1960) é político e economista brasileiro. Foi deputado federal,...
  • Jânio Quadros (1917-1992) foi um político brasileiro. Foi presidente do Brasi...
  • Joaquim Nabuco (1849-1910) foi um político, diplomata, advogado e historiador...
  • José Sarney (1930) é um político brasileiro. Foi presidente da república de 1...
  • Barbosa Lima Sobrinho (1897-2000) foi político brasileiro. Foi Deputado Feder...

Última atualização: 11/08/2017