Maurício de Nassau

Militar de origem alemã

Biografia de Maurício de Nassau

Maurício de Nassau (1604-1679) foi um conde, militar e administrador holandês. Governou as províncias holandesas no Brasil, instalou a capital do Brasil holandês na cidade do Recife, na capitania de Pernambuco.

Johan Maurits van Nassau- Siegen, conhecido como Maurício de Nassau, nasceu no castelo de Dilenburg, na Alemanha, no dia 17 de junho de 1604. Filho do segundo casamento de Jan de Middelste, conde de Nassau-Siergen, com Margaretha, princesa de Holstein-Sonderburg, donos de possessões, tanto na Holanda como na Alemanha. Passou sua infância em Siegen, Alemanha, onde teve suas primeiras lições de letras e armas.

Maurício de Nassau estudou em Herborn, Basiléia, e Genebra. Com 14 anos ingressou no serviço militar, comum a boa parte da nobreza europeia. Com 16 anos, lutou no exército dos Países-Baixos, na Guerra dos Trinta Anos, contra os espanhóis. Em 1626 foi promovido a capitão. Em 1632, iniciou a construção de seu palácio em Haia.

Os Holandeses em Pernambuco

Em 1630 a Capitania de Pernambuco, foi invadida pelos holandeses. É importante observar que as duas invasões holandesas no Brasil se deram durante o período em que Portugal e o Brasil estavam sob o domínio espanhol. A primeira na Bahia, sede do governo geral, onde os holandeses foram derrotados (1624-1625) e a segunda em Pernambuco, que durou 24 anos (1630-1654).

Em 1636, a Companhia das Índias Ocidentais, criada para a exploração mercantil das colônias espanholas da América, principalmente do Brasil, com os seus ricos engenhos de açúcar, contratou o conde Maurício de Nassau para governar o Brasil-holandês. Nassau embarcou para o Brasil no dia 6 de dezembro de 1636, para administrar a “Nova Holanda” em terras brasileiras.

Maurício de Nassau e o Domínio Holandês

No dia 23 de janeiro de 1637, Nassau desembarca no porto do Recife. Com ele vieram artistas e intelectuais como o pintor Franz Post e o humanista Elias-Heckman, o astrônomo Marcgraff, o naturalista Piso, e mais 350 soldados. Com 32 anos, o príncipe alemão chegou para conquistar a colônia que os holandeses esperavam construir nos trópicos.

Organizado militarmente, Nassau expulsou os hispano-portugueses para além do Rio São Francisco. Construiu na margem do rio, em Penedo, um forte que recebeu seu nome. Conquistou as áreas de planície inundadas anualmente pelo rio, para a criação do gado.

Diante da necessidade de escravos negros para os canaviais pernambucanos, e sabendo que o tráfico era rendoso, Nassau conquistou o forte da Mina no Golfo de Guiné, a Ilha de São Tomé e a cidade de Luanda na África. Em 1638, organizou uma grande expedição contra a Bahia, mas amargou sua primeira derrota. Com o apoio de grupos indígenas locais, conseguiu estender o domínio holandês para o Ceará e o Maranhão.

Em 1640, Portugal já livre do domínio espanhol, consegue restaurar a dinastia portuguesa e se torna aliado da Holanda, para enfrentar a Espanha. Em 1642, Nassau já governava de Sergipe até o Maranhão. No Recife, os calvinistas membros do governo, os católicos e os comerciantes judeus, com sua sinagoga na Rua dos Judeus (hoje Rua do Bom Jesus), a primeira no Brasil, conviviam com certa liberdade.

A Companhia das Índias Ocidentais, com os seus monopólios e numerosos comerciantes, sobretudo judeus, importavam produtos da Europa e negros da África para serem vendidos aos senhores de engenho e exportava o açúcar, fumo, algodão, couro etc.

Instalação da Cidade Maurícia

A obra que traria maior fama para Maurício de Nassau foi a construção da Cidade Maurícia, para ser a capital do Brasil holandês. Em 1642 concluiu a construção do "Palácio de Friburgo ou das Torres" (na atual Praça da República), com extenso jardim zoo-botânico, e o Palácio da Boa Vista sua residência de verão. Construiu fortes de proteção, entre eles, o de Cinco Pontas.

Mandou fazer um projeto de cidade semelhante à Amsterdã, cortada por canais, drenou pântanos, construiu diques, convocou a primeira Assembleia Legislativa da América do Sul, criou o primeiro serviço de extinção de incêndio da América, instalou o primeiro Observatório Astronômico do Hemisfério Sul e mandou construir a primeira ponte do Brasil, no local da atual ponte Maurício de Massau. O Recife tornou-se uma das cidades mais importantes da costa atlântica da América, no século XVII.

A Partida de Nassau

A Companhia das Índias Ocidentais, preocupada com a queda em suas receitas, vinha pressionando Nassau pelos seus gastos e pela não cobrança das dívidas dos senhores de engenho. Seus pedidos de colonos, soldados e mantimentos não eram mais atendidos. Em 1643, Nassau pede demissão irrevogável. No dia 11 de maio de 1644, depois de quase oito anos, parte do Recife para a Paraíba e no dia 22 embarca para Holanda, levando para seu palácio em Haia os objetos e pinturas que decoravam o palácio da Friburgo.

Logo que retornou aos Países Baixos, o príncipe Maurício de Nassau foi promovido a general de cavalaria, sendo nomeado comandante da guarnição de Wezel. Encarregou Gaspar Barleus para redigir a história de seu governo no Brasil, obra publicada em 1647.  Participou das últimas campanhas militares contra a Espanha. Em 1674 foi nomeado governador de Utrecht.

Maurício de Nassau faleceu em Cleves, Alemanha, no dia 20 de dezembro de 1679.

Expulsão dos Holandeses do Brasil

Depois da saída do conde Maurício de Nassau, do Brasil, a Companhia das Índias Ocidentais passou a fazer forte pressão sobre os senhores de engenho sob a ameaça de confisco da propriedade. A revolta contra os holandeses que já havia sido iniciada em 1642, no Maranhão, ganhou verdadeiro caráter revolucionário, em 1645, em Pernambuco, liderada pelo paraibano André Vidal de Negreiros, pelo rico português e senhor de engenho João Fernandes Vieira, por Henrique Dias e o índio Poti (mais tarde, Filipe Camarão). Essa luta ficou conhecida como a Insurreição Pernambucana. Depois de memoráveis batalhas: a do Monte das Tabocas (1645), a dos Guararapes (1648 e 1649), veio finalmente a rendição dos holandeses  na Campina do Taborda em 1654.

Veja também as biografias de:
  • Hannah Arendt (1906-1975) foi uma filósofa alemã, uma das raras vozes feminin...
  • Santa Hildegarda de Bingen (1098-1179) foi uma monja beneditina, musicista, n...
  • Bauhaus foi uma famosa escola de artes, arquitetura e design, fundada em 1919...
  • Olga Benário (1908-1942) foi uma militante comunista alemã. Foi companheira d...
  • Maria Reiche (1903-1998) foi matemática e importante arqueóloga alemã. Ficou...
  • Duque de Caxias (1803-1880) foi um militar brasileiro. Foi nomeado Patrono do...
  • Maria Quitéria (1792-1853) foi uma militar brasileira, heroína na luta de re...
  • Marechal Rondon (1865-1958) foi militar e sertanista brasileiro. Foi idealiza...
  • José de San Martín (1778-1850) foi um militar argentino, líder dos movimentos...
  • Martim Afonso de Sousa (1500-1571) foi militar português. Comandante da prime...

Última atualização: 11/12/2018

Possui bacharel em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.