Benedito Calixto

Pintor brasileiro

Biografia de Benedito Calixto

Benedito Calixto (1853-1927) foi um pintor, ensaísta e historiador brasileiro. Foi considerado um dos mais importantes pintores brasileiros do início do século XIX.

Benedito Calixto de Jesus (1853-1927) nasceu em Conceição de Itanhaém, São Paulo, no dia 14 de outubro de 1853. Com oito anos já realizava suas primeiras pinturas. Com 17 anos mudou-se para Brotas, que prosperava com a produção do café, para auxiliar seu irmão mais velho na restauração de imagens sacras de uma igreja local. Nas horas vagas pintava telas com paisagens da cidade. Nessa época, decorou a sala de jantar do capitão Joaquim Dias de Almeida, com motivos da flora e fauna da região. Recebeu encomendas para pintar retratos e vistas das fazendas de café.

Em 1877, Calixto retorna para Itanhaém e se casa com uma prima do segundo grau. O casal teve três filhos. No final de 1881 muda-se com a família para Santos, onde passa a decorar tetos e paredes de mansões dos prósperos comerciantes da cidade. Nesse mesmo ano, fez sua primeira exposição no salão do jornal Correio Paulistano, em São Paulo. Em 1882, trabalhando na oficina de Tomás Antônio de Azevedo, foi encarregado de decorar o teto do Teatro Guarany, em Santos.

Em 1883, viaja a Paris, para se aprimorar, com recursos concedidos por Nicolau de Campos Vergueiro, o Visconde de Vergueiro. Nessa época, frequenta o ateliê do mestre Jean François Rafaelli e a Academia Julian. Conviveu com diversos pintores, entre eles, Gustave Boulanger, Tony Robert-Fleury e William-Adolphe Bouguereau. Em 1884 volta para Santos trazendo uma câmera fotográfica que passou a utilizar para elaborar suas pinturas, sendo pioneiro no Brasil a fazer uso dessa técnica.

Entre 1890 e 1897 reside em São Paulo, quando produz importantes obras para o Museu do Ipiranga e para a Bolsa do Café de Santos, hoje Museu do Café do Brasil, formadas por três telas que representam a leitura pública do Floral de Elevação de Santos à condição de Vila em 1545. Na tela, o pintor representa as autoridades políticas, militares e clericais, diante do Marco Zero da cidade, enquanto Brás Cuba funda a Vila e inaugura o Pelourinho. Posteriormente, Benedito Calixto muda-se para São Vicente. Em 1898 participou do Salão Nacional de Belas Artes. Em 1904 tomou parte da exposição de Saint-Louis, quando conquistou medalha de ouro.

Durante toda a sua carreira, Benedito Calixto produziu paisagens urbanas, rurais e marinhas, retratos e especialmente obras religiosas. Entre elas destacam-se os oito afrescos pintados no Palácio Episcopal de São Carlos – sede do Bispado da Igreja Católica, e as telas pintadas na Igreja Matriz de São João Batista, em Bocaina, entre elas a “Transfiguração” e “Salomé Recebe a Cabeça de João Batista”. Em 1924, recebeu do Papa Pio IX a comenda e a Cruz de São Silvestre, em recompensa pelos serviços prestados à Igreja com sua arte. Além de pintor, Calixto dedicou-se ao estudo histórico da região, e publicou, entre outros, os livros: “A Vila de Itanhaém” (1895) e “Capitanias Paulistas” (1924).

Benedito Calixto faleceu em São Paulo, na casa de seu filho Sizenando, no dia 31 de maio de 1927.

Obras de Benedito Calixto

Porto de Santos (1890)
Carregamento no Porto de Santos (1890)
Mata Atlântica (1894)
Retrato de Martim Afonso de Souza (1900)
Porto com Navios (1900)
O Descobrimento (1901)
Arredores de Itanhaém (1901)
Retrato de Dom Pedro I (1902)
Retrato de José Bonifácio de Andrade Lima (1902)
Retrato de Domingos Jorge Velho (1903)
Praia de Itararé – São Vicente (1905)
Ponta da Praia – Santos (1915)
São Vicente (1918)

Veja também as biografias de:

Última atualização: 08/02/2017