Chico Buarque de Holanda

Músico, dramaturgo e escritor brasileiro

Biografia de Chico Buarque de Holanda

Chico Buarque de Holanda (1944) é músico, dramaturgo e escritor brasileiro. Revelou-se ao público quando ganhou com a música A Banda, interpretada por Nara Leão, o primeiro Festival de Música Popular Brasileira. Chico logo conquistou reconhecimento de críticos e público.

Além de compositor e cantor, Chico também é escritor com uma série de livros lançados e traduzidos. Em 2019, ele recebeu o Prêmio Camões (31.ª edição) pelas obras publicadas.

No universo da música fez parceria com compositores e intérpretes de grande destaque entre eles: Vinícios de Morais, Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Edu Lobo e Francis Hime.

Chico Buarque com alguns dos seus parceiro (Manuel Bandeira, Tom Jobim e Vinícius de Moraes).
Chico Buarque com alguns dos seus parceiros (Manuel Bandeira, Tom Jobim e Vinicius de Moraes)

Infância e juventude

Francisco Buarque de Holanda, mais conhecido como Chico Buarque de Holanda, nasceu no Rio de Janeiro. Ele é filho do historiador Sérgio Buarque de Holanda e da pianista Maria Amélia Cesário Alvim.

Em 1946, a família muda-se para São Paulo, onde seu pai é nomeado diretor do Museu do Ipiranga.

Em 1953, Chico e a família vão morar na Itália, onde Sérgio Buarque vai dar aulas na Universidade de Roma.

Em 1963, Chico Buarque ingressa no curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, onde participa de movimentos estudantis.

Ditadura militar

O cantor e compositor participou da passeata dos cem mil, contra a repressão do regime militar.

Chico Buarque em manifestação contra a ditadura militar
Chico Buarque em manifestação contra a ditadura militar

Durante os anos de chumbo teve várias músicas censuradas e foi ameaçado, tendo se exilado na Itália em 1969.

Suas canções denunciavam aspectos sociais e culturais da época. Sua volta ao Brasil, em 1970, foi comemorada com manifestações de amigos e admiradores.  

O ingresso no mundo da música

De volta a São Paulo, Chico já mostrando interesse pela música, compõe Umas Operetas que cantava com as irmãs. A música fazia parte do seu dia a dia, ouvia músicas de Noel Rosas e Ataúlfo Alves. Recebeu grande influência musical de João Gilberto.

Em 1963, participa do musical Balanço do Orfeu com a música Tem mais Samba, que segundo ele, foi o ponto de partida para sua carreira. Participa também do show Primeira Audição, no Colégio Rio Branco, com a Marcha Para um Dia de Sol.

Chico Buarque apresenta-se, em 1964, no programa Fino da Bossa, comandado pela cantora Elis Regina. 

No ano seguinte, lança seu primeiro disco compacto com as músicas Pedro Pedreiro e Sonho de um Carnaval. Faz também as músicas para o poema Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto, que ao ser apresentada no IV Festival de Teatro Universitário de Nancy, na França, ganha o prêmio de crítica e público.

Em 1966, sua música A Banda, cantada por Nara Leão, vence o Festival de Música Popular Brasileira.

Nesse mesmo ano, sai o seu primeiro LP: Chico Buarque de Holanda. Suas canções inaugurais, como Pedro pedreiro, impregnadas de preocupações sociais, foram seguidas de composições líricas como Olê, olá, Carolina e A Banda

Carreira musical

Chico Buarque muda-se para o Rio de Janeiro em 1967, e lança seu segundo LP: Chico Buarque de Holanda V.2.

Nesse mesmo ano, escreve a peça Roda Viva. Faz parceria com Tom Jobim, e juntos, vencem com a música Sabiá o Festival Internacional da Canção, em 1968.

Na Itália, onde esteva exilado, assina um contrato com a gravadora Philips, para produção de mais um disco. Sua música Apesar de Você vende cerca de 100 mil cópias, mas é censurada e recolhida das lojas.

Depois do show no Teatro Castro Alves em 1972, com Caetano Veloso e o do Canecão, com Maria Bethânia, em 1975, Chico passa um longo período sem se apresentar, mas continua produzindo.

Escreve a peça Gota d'água, em parceria com Paulo Pontes, o que lhe valeu o prêmio Molière. Escreve a música Vai trabalhar vagabundo, para o filme do mesmo nome e a música O que será, escrita para o filme Dona flor e seus dois maridos.

Em 2005, Chico lança a série Chico Buarque Especial, caixas com três DVDs, organizados por temas, onde Chico fala de sua trajetória.

No dia 05 de novembro de 2011, Chico iniciou sua nova turnê nacional, no Palácio das Arte em Belo Horizonte.

Literatura

Seus últimos romances publicados foram: Estorvo (1991), Benjamim (1995), Budapeste (2003), Leite Derramado (2009) e O Irmão Alemão (2014).

Graças à sua produção literária, Chico Buarque recebeu o Prêmio Camões no ano de 2019.

Vida Pessoal

Chico Buarque foi casado com a atriz Marieta Severo, que conheceu em 1966, com quem teve três filhas (Sílvia, Helena e Luíza). O casal se separou durante a década de 90.

Chico Buarque e Marieta Severo
Chico Buarque e Marieta Severo

Gosta de MPB? Então não perca a leitura dos artigos abaixo:

Veja também as biografias de:
  • Miguel de Cervantes (1547-1616) foi um escritor, dramaturgo e poeta espanhol,...
  • Marquês de Sade (1740-1814) foi um escritor libertino, dramaturgo e filósofo...
  • Martins Pena (1815-1848) foi um dramaturgo brasileiro, o introdutor da comédi...
  • Dias Gomes (1922-1999) foi um dramaturgo e novelista brasileiro, é o autor da...
  • Bertolt Brecht (1898-1956) foi um dramaturgo, romancista e poeta alemão, cria...
  • Molière (1622-1673) foi um dramaturgo francês. Um dos maiores destaques do te...
  • Henrik Ibsen (1828-1906) foi dramaturgo norueguês. Um dos criadores do teatro...
  • William Shakespeare (1564-1616) foi um dramaturgo e poeta inglês. Representan...
  • Gil Vicente (1465-1536) foi um dramaturgo e poeta português, o representante...
  • Alexandre Dumas , (1802-1870) foi um romancista e dramaturgo francês, autor do...

Última atualização: 16/09/2019

Dilva Frazão
Possui bacharelado em Biblioteconomia pela UFPE e é professora do ensino fundamental. Desde 2008 trabalha na redação e revisão de conteúdos educativos para a web.