Michael Faraday

Físico e químico inglês

Biografia de Michael Faraday

Michael Faraday (1791-1867) foi um físico e químico inglês. Foi o criador do primeiro motor eletromagnético e das leis da eletrólise. É de sua autoria os termos técnicos usados na eletrólise como: eletrodo, eletrólito, íons, entre outros. Seu nome foi imortalizado numa importante unidade de capacidade elétrica, o Farad (F)

Michel Faraday nasceu em Newington Butts, Londres, Inglaterra, no dia 22 de setembro de 1791. Logo, a família mudou-se para Londres. Filho de um ferreiro recebeu pouca instrução escolar. Aos 13 anos teve que abandonar a escola e trabalhar como entregador de jornais para um livreiro. Um ano mais tarde o livreiro o colocou como aprendiz de encanador. Morando na casa do patrão, em seus momentos de folga podia ler muitos livros. Mais tarde Faraday escreveu: “Dois livros ajudaram-me de maneira especial: a Enciclopédia Britânica e Conversations on Chemistry, de Jane Marcet, que me deu os fundamentos daquela ciência”.

Em 1810, Faraday fez um breve curso de Filosofia Natural e suas notas desse período foram encadernadas dois volumes. Nesse mesmo ano, foi convidado para assistir as conferências de Sir Humphry Davy, químico inglês e presidente da Royal Institution. Aos 20 anos resolveu abandonar seu emprego de encanador e com o desejo de obter um emprego em um laboratório científico, escreveu uma carta ao Sir Humphry. Junto com a carta enviou um caderno de notas que ele tomou durante as conferências que assistiu.

Davy concedeu-lhe entrevista. Faraday mostrou que também realizava experiências químicas e eletroquímicas, das quais guardava notas. Construíra uma pilha voltaica e decompusera eletricamente diversas substâncias. Em março de 1813, Faraday começou a trabalhar no laboratório. Sete meses depois, Hamphry e Lady Davy, com quem acabara de casar, partiram em viagem pelo continente em um misto de lua de mel e viagem científica, quando faria diversas conferências e provações.

Faraday seguiu como secretário e ajudante científico. O antigo encanador se entra agora com os maiores cientistas da época, como Alexandro Volta e André-Marie Ampère, entre outros. Em abril de 1815, de volta ao Instituto, Faraday continuou com sua produtiva carreira e tornou-se sucessor de Davy como diretor dos laboratórios. Durante muitos anos realizou experiências em Química, Eletroquímica e Metalurgia. Ajudou a desenvolver a famosa lâmpada de segurança de Davy. De seu interesse pela Eletroquímica surgiram as leis da eletrólise, também conhecida como “Leis da eletrólise de Faraday”.

As leis de Faraday permitiu a produção dos primeiros medidores comerciais de eletricidade. Os termos técnicos usados na eletrólise como eletrodo, ânodo, cátodo, eletrólito e íons foram criados por Faraday. Outro ponto importante era a capacidade que se adquiriu em definir exatamente o valor de um ampere, unidade de intensidade da corrente elétrica.

Outro grande trabalho de Farady foi a criação do motor eletromagnético. Pela primeira vez se conseguiu produzir movimento mecânico contínuo pela ação da corrente elétrica.  Farady começou a ser apreciado pelo mundo científico. Suas pesquisas e seus êxitos como o princípio do motor elétrico deram-lhe a indicação para a Sociedade Real.

No dia 17 de outubro de 1831, depois de muitas tentativas, Faraday descobriu o princípio da indução elétrica. Em novembro apresentou sua descoberta à Sociedade Real. Sua lei, segundo a qual a força elétrica induzida depende do número de linhas de força magnéticas cortadas pelo fio a cada segundo, é pedra angular da teoria e da prática elétricas até hoje. Michael Faraday foi o pai do motor elétrico e do gerador elétrico. Seu nome foi imortalizado numa importante unidade de capacidade elétrica, o Farad (F). Casado com Sarah Bernard, sem filhos, Faraday morava em uma casa ofertada pela rainha Vitória, pelos serviços prestados a sua pátria.

Michael Faraday faleceu em Hampton, Court, Inglaterra, no dia 25 de agosto de 1867.

Veja também as biografias de:

Última atualização: 11/08/2017